Compartilhe...

DOUTRINAS BÁSICAS PARA A IMERSÃO EM SEU NOME

E Kafos respondeu: Cada um deve arrepender-se do seu pecado, converter-se a YAOHUH e ser imerso em Shuam (Nome) de Yaohushua hol’Mehushkyah, para perdão dos pecados. E então receberão também deste dom do Rukha hol’Kodshua – At 2:38 *

I

 

ÍNDICE

OS TÍTULOS PLURAIS DE YAOHUH; O QUE SIGNIFICAM?

ASSIM CREMOS & DEFESA DE NOSSA FÉ

VOTOS PARA IMERSÃO

* Textos da ESN/EUC – Escrituras Sagradas segundo o Nome, Edição Unitariana Corrigida by CYC.

[Neste curso estaremos usando os Nomes transliterados diretamente do hebraico arcaico; se desejar uma cópia para impressão solicite via e-mail ou pelo formulário no fim da página, CLIC AQUI! ]

Seja um Rosh (líder Congregacional); faça o CTA: Curso de Teologia Aplicada – CLIC!

Este Curso – indispensável ao obreiro bíblico – e TODOS os demais [c/200 estudos] estão disponíveis em um único volume impresso, capa dura, gravação a ouro; por apenas R$ 130,00 [Mais barato do que mandar imprimir e encadernar]

Adquira o seu…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

L1

 

 

Lição 1. AS SAGRADAS ESCRITURAS – AP 1:3

No Éden, o CRIADOR falava diretamente com o ser recém criado. Porém o homem se afastou do CRIADOR e Ele em Sua benevolência passou a comunicar-se conosco através dos profetas… E ao longo de 2.500 anos estas informações eram passadas de geração em geração.

Mas por um período de 1.600 anos – desde Moisés/Mehu’shua até João/Yao’khanan – Ele, o Pai em espírito, preparou-nos a Sua Palavra escrita, pela qual podemos conhecer a Sua vontade e o Seu plano para reconquistar a raça decaída…

Portanto, durante 1500 anos aproximadamente, o CRIADOR revelou Sua mensagem a 40 pessoas diferentes, que escreveram os 66 livros das Escrituras. Muitos deles não viveram na mesma época, mas seus escritos formam um todo perfeito porque foi o CRIADOR quem deu a mensagem a eles.

Para facilitar nosso estudo e encontrarmos a mensagem do CRIADOR de uma forma rápida, as Escrituras Sagradas foi dividida em capítulos (séc XII) e versículos ou versos (séc XVI); mas cuidado; os títulos sobre os capítulos revelam a doutrina dos homens que os traduziram para a nossa língua!

RESPONDA:

1 – Mas, como saber quem Inspirou as Escrituras? II Tm 3:16 – Porque toda a Tanakh é inspirada por UL’HIM e é útil para nos ensinar, para nos repreender, para nos corrigir, para nos instruir no Caminho da justiça; (Jo 17:17).

2 – E a quem foi dada a Palavra a ser ali depositada? Hb 1:1-2 – Anteriormente UL’HIM falou aos nossos antepassados muitas vezes e de muitas maneiras por intermédio dos profetas. Agora, nos tempos em que vivemos, falou-nos através do seu ha-BOR, a quem deu todas as coisas e por meio de quem criou tudo o que existe;

NOTA: Veja o que o Rei Davi/Da’oud escreveu sobre a Palavra Divina: A tua palavra é como uma lâmpada que me ilumina, de noite, o Caminho. (Sl 119:105). E conforme as palavras de Sha’ul a seu amigo Timóteo/Yaohu’tam (II Tm 3:15e16) ele claramente reconhece os benefícios que traz à vida a sua leitura e estudos…

Lemos Romanos/Lateínus 15:4 – Porque tudo o que anteriormente foi escrito, é para nos ensinar, para que pela paciência e pelo encorajamento das Escrituras, aguardemos esperançadamente as promessas de UL. E, como o Criador é ETERNO, veja o que o profeta Isaías/Yashua’yah falou-nos sobre a eternidade das Escrituras Sagradas: A erva seca, as flores murcham, contudo, a palavra de UL nosso Criador permanece para sempre. (Is 40:8).

Por isso, o Messias, em Seu ministério terrestre usava as Sagradas Letras para provar as Verdades: Lc 24:44, pois Elas dão o verdadeiro testemunho de Seu Pai:

COMPROVE: Jo 5:39 – Examinem as Tanakh, porque vocês crêem que elas vos trarão a vida eterna, e são elas que apontam para mim. (leia II Tm 3:17; Hb 4:12).

Caros irmãos fiquem sabendo que, nas Escrituras, os registros dos personagens tiveram o seu propósito maior: informar-nos – I Co 10:11. Mas, muitos nos dias de hoje não estudam as Escrituras, e o que é pior, não a lêem… Mas esta não é a instrução divina: Estes de Beréia tinha um espírito mais aberto do que o de Tessalônica, ouvindo de boa mente a mensagem e examinando dia após dia as Tanakh para ver se o que Sha’ul e Siloáhn diziam era exato. At 17:11 (II Tm 2:15). E, o profeta Isaías/Yashua’yah nos instruiu como devemos fazer este estudo: Porque é preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali. (Is 28:10). Portanto, para compreender qualquer assunto nas Escrituras, temos que considerar tudo que é ensinado nas diferentes partes das Escrituras. Estas passagens têm de ser reunidas, como se reúnem as peças quebradas [o mínimo fragmento pode fazer falta] de um fino e raro vaso… restaurando totalmente a sua beleza!

LEIA: II Pd 1:20e21; Sl 119:160; Sl 12:6e7; Mt 24:35; Jo 5:39; 7:17; Ap 22:18-20.

QUE DEVO FAZER? 1 – Ter as Escrituras e lê-la todos os dias! Dt 17:19. 2 – Pesquisar suas verdades! Jo 5:39. 3 – Aceitar a Palavra do CRIADOR com alegria! Jr 15:16. 4 – Praticar seus ensinos. Rm 10:17.

O HOL’MEHUSHKYAH SENDO TENTADO: Após 40 dias e noites, o Messias/hol’Mehushkyah no deserto e em jejum, foi tentado pessoalmente por ha’satan… Primeiro, ele tentou-O na fome (transformar pedras em pão); depois, que Ele desistisse de Sua Lei, ou seja: morrer por nós…

Bastava para tanto que Ele rendesse honras ao diabo! E Finalmente O tentou em Seu poder celestial (jogar-se de cima do templo), ao qual o Messias abrira mão, tornando-se plenamente homem! (Fl 2:6-8). E, em todas as tentações, o Messias/hol’Mehushkyah vence-o apenas usando a Palavra, à qual ha’satan também bem a conhece (Lc 4:13).

O Messias/hol’Mehushkyah nos advertiu de que o diabo procuraria enganar até mesmo os eleitos (Mc 13:22) e nos instruiu, através de Sha’ul que nos revestisse de “toda a armadura do CRIADOR” (Ef 6:11, 13). Por isso preparamos estas lições para que você, diariamente tenha prazer no estudo da Palavra do CRIADOR e saiba o que Ele espera de você. Amém/Amnao!

Minha Decisão: CREIO QUE A SANTA ESCRITURA É INSPIRADA PELO CRIADOR. ACEITO-A COMO REGRA DE FÉ. PROMETO ESTUDÁ-LA DIARIAMENTE…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2

 

 

  1. O DEUS DAS ESCRITURAS! – EX 20:3

No Éden, o CRIADOR estava presente diariamente com a Sua criação… (Gn 3:8). Após o pecado, o homem se afastou dEle, perdendo aquele contato pessoal.

Desde então o ETERNO passou a revelar-Se, em espírito, a certos homens santos, escolhidos; depois através do Messias/hol’Mehushkyah, Seu Filho humanizado e nos dias de hoje, novamente através da plenitude do Seu Filho, agora em espírito, onipresente… Hb 1:1-2; Mt 18:20 cf Sua promessa: Jo 14:3, 21, 23 e 28.

RESPONDA:

1 – Mas afinal, quantos deuses há? Ef 4:6.

2 – Como ELE pode estar em “todos”? Jo 4:24.

3 – Mas, o que as Escrituras nos revela sobre as pessoas da divindade?

Observe que YHWH (YAOHUH – o ETERNO CRIADOR) é o princípio (Is 44:6; I Tm 6:16) e que o Messias/hol’Mehushkyah foi gerado dEle (Sl 2:7; At 13:33; Hb 1:5; 5:5) por Ele antes que houvesse o tempo (Pv 8:22-30) e por isso é ETERNO como o Pai e nEle todas as coisas foram feitas (Hb 1:10) e por serem co-eternos, Eles, em espírito, são Santos eternamente e é em espírito que podem ser Onipresentes. (Jo 14:16, 17, 21, 23; 15:16; Gl 4:6; Rm 1:7-10; 8:9-11).

E, agora observe como Paulo/Sha’ul entendia a divindade do Criador: Só existe um que é UL’HIM, e nenhum outro. 5Segundo muitas pessoas, existe uma quantidade de ídolos e dominadores, tanto no shuã-ólmayao como na terra. 6Contudo sabemos bem que há um só que é um CRIADOR ETERNO, YAOHU’ABI, a quem pertencem todas as coisas, e para quem vivemos; e também um só MOLKHI’UL (Grande Rei e Criador), Yaohu’shua hol’Mehushkyah, que criou todas as coisas e nos dá a vida. I Co 8:4up, 5, 6. Só DUAS pessoas, não três!!!

Veja também: Rm 5:1; 10:9; 15:5-6; 16:27. (A promessa: Mt 18:20 [At 20:28]).

CONHEÇA AGORA A PRIMEIRA CONDIÇÃO PARA CONHECERMOS AO ETERNO:

Assim lemos: Mas, aquele que não ama, não conhece YAOHUH; porque UL’HIM é amor. I Jo 4:8.

E veja como Ele nos considera: Vejam como o nosso YAOHU’ABI celestial nos ama, a ponto de permitir que sejamos chamados seus filhos! Mas, o mundo não compreende que realmente o sejamos, porque não conhece YAOHUH. I Jo 3:1.

E Mais: Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. I Jo 2:23.

Sobre Ele disse Davi/Da’oud: Esperei com paciência que UL [o CRIADOR] me socorresse; então Ele me ouviu e atendeu ao meu apelo. Tirou-me dum poço de desespero, dum charco de lodo, e pôs-me os pés sobre uma rocha, fez-me andar num Caminho seguro. Deu-me, para cantar, um novo cântico de louvor ao nosso UL. E agora muitos poderão ouvir as coisas maravilhosas que Ele fez por mim, e porão, por sua vez, igualmente a sua confiança em YAOHUH (Sl 40:1-3).

LEIA: Sl 19:1; Sl 90:2 (Dn 2:20; 2:21); Sl 33:6, 9; Is 46:10; 45:21); Ex 34:6e7 (Jr 31:3); Sl 24:1 (34:1-4); Is 41:10 (43:1-3; Hb 13:5e6); I Jo 4:20.

Que devo fazer? 1 – Respeitar o Nome do ETERNO! Ex 20:7. 2 – Obedecer ao ETERNO! At 5:29. 3 – Colocar o ETERNO em primeiro lugar! Mt 6:33. 4 – Amar ao ETERNO de todo o coração! Mt 22:37.

A necessidade de se ter o ETERNO: As desgraças e os sofrimentos da humanidade é o resultado do seu afastamento do ETERNO. O profeta Jeremias/Yarmi’yah usado pelo Criador, falou sobre este terrível erro: Porque o Meu povo fez duas coisas más! Deixaram-me a Mim, a fonte da água da vida, e além disso cavaram cisternas rotas que não podem conter água! (Jr 2:13). A única solução é voltar para o ETERNO.

E o maravilhoso é que quando damos o primeiro passo em direção a Ele, O encontramos a nos esperar com amor e misericórdia!

Alguns dizem: “Não creio no ETERNO, porque não O vejo”. Mas há muitas coisas nas quais cremos sem ver; por exemplo: a eletricidade, o vento, o amor e o ar que respiramos, que, aliás, foi Ele quem nos deu!

Veja esta história – Um sábio estava caminhado em uma praia pensando em como compreender ao ETERNO. E, ao ver um menino que tirava água do mar e despejava em um buraco escavado por ele na areia, perguntou-lhe: Que está fazendo, filho? Quero colocar o mar aqui dentro, respondeu o menino… Ah! É isto que eu estou tentando fazer. Quero colocar o Infinito dentro da minha mente finita!

Minha Decisão: CREIO EM YAOHUH UL’HIM, O PAI [ETERNO] E EM SEU FILHO YAOHUSHUA [o CRIADOR] ASSIM COMO EM SUA GLÓRIA ESPIRITUAL; PROMETO AMÁ-LOS E OBEDECER-LHES COMO MEUS PAIS CELESTE!

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3

 

 

  1. O SANTO ESPÍRITO – AT 20:28

Quando o Criador começou a criar o firmamento e a terra, esta era de início um caos e como uma massa amorfa, com o RUKHA’UL’HIM [YAOHUH UL’HIM, em espírito onipresente] imerso entre os vapores que enchiam as trevas. Gn 1:1-2.

E, segundo João/Yao’khanan: No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com YAOHUH, e a Palavra era com YAOHUH UL’HIM. Aquele que é a Palavra sempre esteve com YAOHUH. Criou tudo o que existe e nada existe que não tenha sido feito por Ele. Jo 1:1-3. E, João/Yao’khanan identifica quem é o Verbo, no vs 14. Portanto, podemos discernir que o Pai, a fonte, exprime a Vontade; O Filho, o mediador, é a Palavra que faz e o que chamamos de Espírito Santo, é a Gloria manifesta [onipresença] dEles… II Pd 1:17.

PERGUNTA: Este ESPÍRITO é em carne e osso? Não, mas o ETERNO também não é em carne e osso cf. Jo 4:24. Somente o Messias que antes era um ser espiritual (Miguel/Mika’ul), passou a ter um corpo como o nosso quando aqui veio pela primeira vez (Hb 10:5). Porém subiu aos céus com o Seu corpo humano revestido de toda a divindade para todo o sempre (At 1:11 [Ap 1:7]). E assim, o esperamos de volta!!! Jo 20:19, 26e27; Lc 24:37, 41-43. At 1:11. Leia At 20:28.

Mas pouco antes de Sua ascensão o Messias dissera: Fiquem certos de que estou sempre convosco até ao fim dos tempos. Mt 28:20 (Jo 14:21-23). Pois o Messias/hol’Mehushkyah também afirmara que: Não, não vos abandonarei nem vos deixarei na orfandade; antes virei até vocês. Jo 14:18. E então veio a condição: leia Jo 16:7.

E sobre Este Consolador Ele disse: …Se eu for, poderei voltar a vocês (em espírito onipresente). E quando voltar, poderei convencer o mundo do pecado, de que tens de contar com a justiça de UL’HIM, e de que haverá um juízo – Jo 16:8. E concluiu: leia Jo 16:13. E quem é este Consolador? Leia Jo 14:23; Fl 1:19.

O Messias/hol’Mehushkyah sempre falava de Si próprio na terceira pessoa (Lc 9:56 – o ‘Filho do Homem’… Portanto, o Consolador é Ele mesmo, agora em espírito vivificado, advogando em nossa causa!!! I Jo 2:1.

Veja agora a unidade divina: I Co 8:6; Mt 11:27; Jo 10:30; 17:1. Sha’ul também nos disse que somos o Seu templo: Não aprenderam já que o vosso corpo é a morada do RUKHA HOL-KOD’SHUA (YAOHUH, o Santo) que UL vos deu e que vive portanto em vocês. Por isso o vosso corpo não vos pertence. I Co 6:19) e João/Yao’khanan nos diz quem é este Espírito: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e tomaremos juntos uma refeição, em íntima companhia. Ap 3:20. E João/Yao’khanan mesmo já tinha dito isto em Jo 14:21, 23.

E foi no Pentecostes – 10 dias depois da ascensão – que o espírito Santo (o Messias/hol’Me-hushkyah, em espírito agora Glorificado) veio sobre os apóstolos: At 2:1-4 (vs. 6-8, 11). Cumpriu-se Jl 2:28e29.

Desde então o espírito Santo (YAOHUSHUA onipresente – Mt 18:20; 28:19) capacitou e ainda capacita homens santos (At 2:38) para a edificação da Igreja/Kehiláh, o Corpo do Messias – Ef 4:11e12. Em outra carta Sha’ul complementa: I Co 12:28 (leia vs. 7-10). Mas como o espírito Santo é toda a manifestação divina, cabe ao Criador “escolher” as pessoas que Ele julga ser digno de receber tais dons; não somos nós que o solicitamos ou “compramos” tais dons (veja At 8:18-24).

OBS: Nos dias de hoje é dado muito valor ao dom de língua (Veja em At 2:5-11 o VERDADEIRO Dom de Língua) e ao dom de profetizar. Mas veja que a igreja de Corintos era uma igreja “problema” para Sha’ul – queriam a todo custo receber o dom do espírito, achando que só os “verdadeiramente” salvos falavam em línguas – como muitos ainda hoje, crêem – por isso ele precisou intervir amorosamente impondo uma certa ordem: I Co 14:27e28, 32.

E então como o Messias/hol’Mehushkyah habitará em nós? Como vimos, Ap 3:20 responde [Jo 14:21, 23]. Portanto, o Criador pede permissão, Ele não entra sem o nosso consentimento, pois temos o Livre Arbítrio!

Mas, CUIDADO! Não peques contra o Santo espírito [aqui, YAOHUH UL’HIM, o Pai – Jo 4:24]… Mt 12:18, 24, 31e32. (Mt 12:22-24, 28). Veja então que rejeitar completamente o poder do Messias/hol’Mehushkyah, que provem do Pai, e ATRIBUÍ-LO a ha’satan (ou a outrem ou mesmo à “um terceiro deus”), é cometer o pecado imperdoável contra aquEle que O enviou… Jo 14:12, 13.

Saiba que o santo espírito (Yaohushua At 20:28) tem testificado, instruído, convertido e concedido dons aos seres humanos (I Co 12:8, 10) e intercedido por nós, perante o Pai (Hb 7:25 cf I Tm 2:5). No entanto, muitos lendo Rm 8:26 dizem que existe um terceiro deus intercedendo por nós perante o Pai… Mas, ignoram o contexto de Romanos/Lateínus 8 e não lêem o vs 34 que diz: Quem, pois é que nos condenaria? Ninguém o poderia fazer visto que foi mesmo hol’Mehushkyah quem morreu e ressuscitou por nós, e se encontra sentado no mais honroso lugar junto de YAOHUH, ali intercedendo em nosso favor; cf At 20:28.

Minha Decisão: CREIO EM YAOHUH UL’HIM, O PAI; EM SEU FILHO, YAOHUSHUA – O NOSSO HOL’MEHUSHKYAH – E EM SUAS MANIFESTAÇÕES EM GLÓRIA E EM ESPÍRITO. PROMETO AMÁ-LOS!

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4

 

 

  1. A ORIGEM DO MAL – I JO 4:8

E foi assim que aconteceu. UL’HIM viu que tudo quanto tinha sido feito era excelente. Assim passou o sexto dia. Gn 1:31 (Gn 1:27-31). Toda a Sua obra criadora terminou no sexto dia? Não! Então o que Ele criou no sétimo dia? O santo Sábado! E, então descansou, dando-nos o exemplo…

Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino [que vem] dos shuan-maym é como um lavrador que semeou boa semente no seu campo. Mas, uma noite, enquanto os trabalhadores dormiam, veio o seu inimigo e semeou joio entre o trigo. Quando a seara começou a crescer, o joio cresceu também. Os homens daquele lavrador vieram dizer-lhe: ‘Messias/hol’Mehushkyah, o campo onde semeaste aquela semente escolhida está cheio de joio! ‘Foi obra de algum inimigo, explicou ele. ‘Queres que arranquemos o joio, perguntaram os homens. Mt 13:24-28. Os versos seguintes (‘Não. Se fizerem isso, arrancam o trigo. Deixem ambos crescer juntos até à colheita, e eu direi aos ceifeiros que tirem primeiro o joio e o queimem, e que coloquem o trigo no celeiro’ – vs. 29e30) ilustram muito bem a posição do CRIADOR em relação ao pecado… Note que em primeiro lugar, é o JOIO que será ARREBATADO e isto explica o que Ele disse em Mt 24:40 – Dois homens estarão trabalhando juntos nos campos; um será levado, e ficará o outro

ERRO!!! Muitas pessoas aprendem que antes da Grande Tribulação [as 7 últimas grandes Pragas de Ap 16] que antecederá a Volta do Messias/hol’Mehushkyah, os salvos serão arrebatados secretamente… Mas analisando as Escrituras vemos que os ARREBATADOS serão queimados (Joio) e o Trigo será reunido [foram deixados… amém/amnao!] pelos Seus anjos (Mt 24:29-31).

Mas como o pecado entrou num mundo feito à perfeição divina? E deu-se uma guerra no céu; Mikha’ul e os anjos sob a sua responsabilidade lutaram contra o dragão e contra o seu exército de anjos. O dragão perdeu a batalha e foi expulso do céu. Ele é a antiga serpente, conhecida sob o Nome de diabo, ou ha’satan, aquele que engana o mundo inteiro; e foi assim lançado para a terra, mais os seus demônios. Ap 12:7-9. (Lc 10:18). Observe que ha’satan sempre esteve por aqui tentando a raça humana: Primeiro tentou o casal no Éden e o auge da sua obra maligna foi tentar o Messias/hol’Mehushkyah após a Sua imersão! (Lc 4:1-13). Somente após a cruz (graças ao sangue derramado pelo Cordeiro; Ap 12, vs. 11) é que finalmente o santuário celestial foi purificado da sua nefasta presença!

Agora vou ler Ezequiel/Kozoq’ul 28:14-19 e ver o que ele nos diz sobre o ORIGINADOR do PECADO: Eras a perfeição em sabedoria e em beleza. Moravas no Éden, o jardim de UL; cobrias-te de toda a espécie de pedras preciosas – rubis, topázios, diamantes, turquesas, ônix, jaspes, safiras, carbúnculos, esmeraldas – e ainda te cobrias de ouro. Tudo te foi dado quando foste criado. Nomeei-te serafim com a missão de proteger. Tinhas acesso ao monte santo de UL. Deslocavas-te por entre pedras reluzentes como fogo. Eras perfeito em tudo o que fazias, desde o dia em que foste criado até à altura em que foi encontrado o mal em ti. A tua grande riqueza encheu-te o interior de violência, e pecaste. Por isso te expulsei da montanha de UL, como qualquer pecador comum. Destruí-te, ó serafim protetor; tirei-te fora das pedras de fogo. O teu coração estava cheio de orgulho por causa da tua beleza; deixaste que a tua sabedoria se corrompesse com o esplendor que tinhas

Agora veja o que Isaías/Yashua’yah tem a nos falar sobre o grande pecador: Como caíste do céu, ó Lúcifer – ‘cocáv’ (estrela) matinal! Como foste lançado por terra, tu que te atiravas com força contra as nações do mundo. Dizias no teu íntimo: Hei de subir aos shuan’maym e mandar nos anjos. Ascenderei ao mais alto trono. Governarei a partir do monte da congregação, lá para as bandas do norte. Subirei aos mais altos shuan’maym e serei semelhante ao Altíssimo. Is 14:12-14. No paraíso terrestre estavam Adão/Adan e Eva/Khavyah: Como o CRIADOR os orientou sobre as Suas leis protetoras? O Criador pôs o homem no jardim do Éden para que o guardasse, o cultivasse e cuidasse dele. E deu-lhe o seguinte aviso: Podes comer de toda a árvore que está no jardim exceto da árvore da consciência; porque o seu fruto é o do conhecimento do bem e do mal. Se comeres desse fruto ficas condenado a morrer – Gn 2:15-17. Enquanto ha’satan ainda não havia sido expulso do céu – o que ocorreu após a cruz – com os seus anjos para a Terra, vamos ver o que ha’satan fez com os nossos pais originais lendo Gn 3:1-7. As terríveis consequências do pecado em Is 59:1e2; Rm 6:23 e Jr 17:9.

PERGUNTAS: 1 – Mas, afinal o que é o pecado? I Jo 3:4. 2 – A quem estará se submetendo o pecador? I Jo 3:8. 3 – E qual é o resultado final do pecado? Rm 8:37 (Rm 5:12; 6:16). A resposta do CRIADOR: Hb 2:14-17 (Hb 4:15); Rm 5:17-19 (Rm 3:24e25). 4 – Qual é a promessa do CRIADOR para que possamos vencer o pecado? Is 41:13. 5 – Qual será o fim do grande inquiridor? Ez 28:17e18. 6 – E para nós, qual será a recompensa pela nossa perseverança? Ap 21:1-5.

7 – E como teremos certeza de que o pecado nunca mais atormentará o ser humano? Leia o que diz Naum 1:9 – Que pensais vós contra o Criador? Ele mesmo vos consumirá de todo; não se levantará por duas vezes a angústia (Ap 22:3).

Que devo fazer: 1 – Resistir a ha’satan, com a graça do CRIADOR (Tg 4:7). 2 – Não ceder ao pecado (Rm 6:12). 3 – Vencer com a ajuda do CRIADOR (Rm 8:37).

Veja: O homem foi criado perfeito; dotado pelo Criador de inteligência, raciocínio e capacidade para escolher livremente o seu destino (Dt 30:19). Ao enfrentar ha’satan e ao cair em tentação, cometeu o pecado da desobediência a uma Lei (vontade) do CRIADOR… Exerceu erradamente o seu poder de escolha. Acreditou em ha’satan e desconfiou do CRIADOR. Desta maneira, desprezou ao CRIADOR e colocou-se sob a tutela do diabo, a antiga serpente (Ap 12:9; Lc 4:6, 7).

Minha Decisão: PROCURAREI, COM A AJUDA DO CRIADOR, AFASTAR O PECADO DE MINHA VIDA, VOLTANDO-ME INTEIRAMENTE A CRISTO, MEU CRIADOR…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5

 

 

  1. A CONFISSÃO E O PERDÃO – I TM 1:15

No paraíso o homem vivia em comunhão com o CRIADOR… Escolheu pecar! Imediatamente o próprio UL os procurou… Então se esconderam por entre o arvoredo. UL chamou por Adan: Onde estás? (Gn 3:9). Porém, o homem se escondeu e procurou ocultar do CRIADOR a sua transgressão (Mas, foi a mulher que me deste por companheira que me trouxe um pedaço para provar, e eu comi. O Criador perguntou à mulher: Porque é que fizeste isso? Foi a serpente que me enganou. Gn 3:12e13).

Como é difícil admitir e confessar nossas faltas! O CRIADOR sendo onisciente (tudo sabe) procurou pelo jovem casal e deu-lhes a chance de confessarem. E, após muitas justificativas, vieram as consequências do seu ato de desobediência: Agora que o homem adquiriu a mesma capacidade que nós, de conhecer o bem e o mal, é preciso que não venha a tomar também o fruto da árvore da vida e viva eternamente. Por isso o baniu do jardim do Éden, e o mandou cultivar a terra, a própria terra donde tinha sido tirado. E depois de tê-lo tirado dali, pôs querubins a oriente do jardim, os quais com uma espada chamejante guardavam o caminho de acesso à árvore da vida… Gn 3:22-24.

O ETERNO em Sua infinita bondade e onisciência (sabia que o homem um dia pecaria) já havia criado, como primeira obra [através de Seu Filho, a Palavra – Jo 1:1-3; Hb 1:2], o tempo para que o pecado não perdurasse por toda a eternidade e após a queda, lançou mão do Seu plano de Resgate da humanidade caída, nos enviando o Seu próprio Filho para morrer por mim e por você – Jo 3:16.

Mas afinal, o que é pecado? I Jo 3:4. Toda injustiça é pecado. Cada ato de rebelião contra o CRIADOR e Seus mandamentos é pecado.

Qual é o resultado da entrada do pecado no mundo? Rm 5:12 (Rm 3:23). E, portanto o salário do pecado é a morte; porém, através de nossa confissão, receberemos a salvação! Rm 6:23 (Ap 20:14e15).

Diariamente, antes de dormirmos, devemos nos ajoelhar perante o ETERNO, confessar-Lhe os nossos pecados e pedir ao Messias/hol’Mehushkyah que interceda por nós perante o Pai (Meus filhinhos, digo-vos isto para que se mantenham longe do pecado; mas, se pecarem, existe um Advogado a nosso favor junto de YAOHU’ABI. É Yaohushua hol’Mehushkyah, o justo. I Jo 2:1) para que Ele nos perdoe (I Jo 1:9). Só assim poderemos ter um sono reconciliador com o ETERNO e com o Seu Filho.

Responda: 1 – Como o ETERNO planejou eliminar o pecado do mundo? Jo 1:29 (I Pd 2:24; I Jo 1:7). 2 – Quanto pagarei por esta salvação? I Pd 1:18 (Rm 3:24). 3 – Quando sentimos a necessidade de perdão, o que devemos fazer? At 2:36-38 (Sl 32:5). 4 – Que duas coisas nos levarão ao verdadeiro arrependimento? Pv 28:13. 5 – E qual é a promessa divina? Is 1:18. 6 – Serei plenamente perdoado? Hb 8:12. 7 – Este sentimento de que sou um ser indigno é somente meu? Veja o apóstolo Sha’ul falando sobre ele mesmo: Eis uma verdade inegável e que todo o mundo deve aceitar: …que hol’Mehushkyah Yaohushua veio ao mundo para salvar os pecadores; e eu considero-me o pior de todos. (I Tm 1:15).

Leia: Pela metade da noite, quando Sha’ul e Siloáhn oravam e cantavam hinos a YAOHUH, escutados pelos outros presos, houve de súbito um grande terremoto; a prisão foi abalada até aos alicerces, as portas abriram-se, e tombaram por terra as cadeias de todos os presos! O carcereiro acordou, viu as portas da prisão abertas e, julgando que os presos tinham escapado, puxou da espada para pôr fim à vida. Mas, Sha’ul gritou-lhe: Não faças isso! Estamos todos aqui! Tremendo de terror, o carcereiro mandou vir luzes e, correndo à cela, lançou-se por terra diante de Sha’ul e Siloáhn. Trazendo-os para fora, perguntou-lhes: Meus chefes, que devo fazer para ser salvo? Eles responderam: Crê no Maoro’hé Yaohushua e serás salvo, tu e a tua casa. Anunciaram-lhe então, a ele e a todos os seus familiares, a Mensagem do Nome de UL Naquela mesma momento, o carcereiro lavou-lhes os ferimentos e, com toda a sua família, foi imerso. At 16:22-33.

Mas agora veja a certeza de Sha’ul, ao aproximar-se do fim da vida: Combati o bom combate; acabei a carreira da minha vida; guardei a fé. Está já preparada por YAOHUH a coroa de justa recompensa que UL, justo juiz, me dará naquele dia que há de vir. E não somente a mim, mas, também a todos os que amarem a sua vinda. II Tm 4:7-8. (Is 43:25).

Isto implica em que, desde a cruz, todos nós estamos salvos e Yaohushua jamais precisará INVESTIGAR os livros para saber quem são os Seus! Jo 10:14; cf. Jo 3:18. Leia Mq 7:18e19; Is 44:22; 55:7; Sl 32:1; 103:3; Ne 9:17; Cl 1:14; Lc 7:47; Ef 4:32; II Co 2:7,9; I Jo 4:20.

Que devo fazer? 1 – Arrepender-me de todo o coração. At 3:19. 2 – Confessar todos os pecados. I Jo 1:9. 3 – Experimentar a verdadeira conversão. Ez 36:25-27.

Minha Decisão: HUMILDEMENTE PEÇO PERDÃO PELOS MEUS PECADOS. CREIO QUE O CRIADOR ME PERDOOU NA CRUZ. QUERO VIVER UMA VIDA SANTA NO MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH.

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6

 

 

  1. A SALVAÇÃO – MC 16:16

Vamos ver como Yaohushua fez o homem: O Criador [UL] criou então o homem semelhante ao Seu UL’HIM; assim o Criador criou o homem. Homem e mulher – foi assim que os fez. O Criador os abençoou, e disse-lhes: Multipliquem-se, encham a terra, dominem-na e também toda a vida animal da terra, dos mares e dos ares; dou-vos toda a vida vegetal, toda a espécie de frutos para alimento. A todos os animais dou igualmente como alimento a vida vegetal. E foi assim que aconteceu. UL’HIM viu que tudo quanto tinha sido feito era excelente. Assim passou o sexto dia. Gn 1:27-31. Mas em Gn 3:8 temos: Ao cair a tarde daquele dia ouviram UL a passar através do jardim. Então se esconderam por entre o arvoredo…

Vamos primeiro conhecer a consequência do pecado: Quando Adan pecou, o pecado transmitiu-se a toda a raça humana, e trouxe como consequência a morte a todos; e todos foram contados como pecadores. Rm 5:12 (6:23; 3:23). Agora pergunto: Pode o homem resolver o problema do pecado? Não há sabão ou detergente que chegue para vos lavar. Vocês estão sujos com uma culpa que não sai assim. Vejo-a continuamente perante os meus olhos, diz UL. Jr 2:22. Portanto, de onde pode vir a salvação? YAOHUH amou tanto o mundo que deu o seu único ha-BOR para que todo aquele que nEle crê. Jo 3:16 (I Jo 4:8, 9; Rm 5:18, 19). O Messias assim falou de Sua missão: …e foi pessoas assim que eu, ha’BOR HOMEM, vim buscar e salvar. Lc 19:10 (Gl 3:13). Mas, Ele estava apto a nos salvar? Este nosso Cóhan ha-Gaold’ul [sumo-sacerdote] não é um simples homem que não possa compreender as nossas fraquezas. Pelo contrário, Ele passou por todas as mesmas, provas que nós, mas, sem ter caído. Hb 4:15 (2:8, 9).

Nota do Caminho: Observe que o Messias era TOTALMENTE humano [Gl 4:4 cf. Hb 10:5] e por isto pode ser o nosso exemplo (Jo 16:33; 13:15)… Se Ele fosse diferente, não poderia servir de exemplo!!!

Leia Isaías/Yashua’yah 53:3-9 – Despreza-mo-lo e rejeita-mo-lo. Era um homem de sofrimentos experimentado nas mais amargas provações. Voltávamos-lhe as costas e olhávamos para o outro lado quando passava perto. Era desprezado e não lhe ligávamos importância nenhuma. Contudo ele tomou verdadeiramente sobre si as nossas enfermidades; e os nossos sofrimentos pesaram sobre ele. Pensamos que era afligido, castigado por YAOHUH; humilhado! Mas, ele foi ferido pelas nossas transgressões, e esmagado pelas nossas culpas! Foi castigado para que pudéssemos ter paz; pelas suas feridas fomos sarados. Perdemo-nos como ovelhas tresmalhadas!

Deixamos o Caminho certo para seguir a nossa própria rota. Contudo UL fez cair sobre ele os pecados e a culpa de cada um de nós. Foi oprimido e afligido; mas, nunca disse uma palavra de revolta ou lamento. Foi levado como um cordeiro para o matadouro; e tal como a ovelha está muda perante os que a tosquiam, assim ele se manteve em silêncio na frente dos que o condenavam. Após a prisão e o julgamento levaram-no então para a morte. Mas, afinal, quem de entre o povo, naquele dia, se deu conta de que era pelos pecados deles que ia morrer, que estava sofrendo o castigo que deviam eles ter suportado? Foi sepultado como um criminoso; puseram-no no túmulo de um rico. A verdade é que ele nunca cometeu pecado, e nunca enganou…

E nós, como estaremos aptos a sermos salvos? Mas, se lhe confessarmos os nossos pecados, podemos confiar que Ele nos perdoa e nos purifica de toda a injustiça – I Jo 1:9 (Rm 8:1); II Co 5:21; Jo 1:12; I Jo 5:11-13. Lemos em Efésios 2:8 – Porque pela Sua graça é que somos salvos, por meio da fé que temos em hol’Mehushkyah. Portanto a salvação não é algo que se possa adquirir pelos nossos próprios meios: é uma dádiva de UL. Note que a graça é o dom e não a fé! (Leia Hb 11:1). O Messias/ hol’Mehushkyah disse: Dou-lhes a vida eterna e jamais perecerão. Ninguém, me as arrancará, porque meu YAOHU’ABI é quem, me as deu (Jo 10:28).

PERIGO! O CRIADOR criou-nos com Livre Arbítrio [Dt 30:19]… O homem no Éden escolheu pecar… Portanto: Uma vez salvo não é salvo para sempre… pois, ao longo de nossa vida poderemos escolher pecar novamente! Por isso o Messias afirmou: Mas, quem resistir até ao fim será salvo. Mt 24:13. (I Co 15:1, 2).

É sempre possível regressarmos à velha vida e termos o nosso nome riscado do Livro da Vida: Prometem liberdade enquanto que eles mesmos são escravos da corrupção. Porque uma pessoa é escrava daquilo que a domina. E, quando alguém escapa dos caminhos de maldade deste mundo através do conhecimento que teve acerca de nosso Maoro’hé e Míhushuayao (Salvador) Yaohushua hol’Mehushkyah e se deixa depois novamente envolver e vencer pelo pecado, fica pior do que antes. Teria sido melhor não ter conhecido o Caminho da Justiça, do que conhecendo-o desviar-se do santo mandamento que lhe foi entregue. É como o velho ditado: O cão volta ao que vomitou, e a porca, depois de lavada, à lama em que se lameia. II Pd 2:19-22; Ap 3:5; I Co 9:27 (Jr 6:30).

No entanto devemos ter certeza que o sacrifício do Messias/hol’Mehushkyah na cruz, salvou TODA a humanidade. Nascemos salvos, no entanto, pouco a pouco vamos nos contaminando com o pecado, até que um dia só nos resta a “conversão” ao Messias/hol’Mehushkyah. Isto, tornar-se-á publico através da imersão (At 2:38).

Que devo fazer? 1 – Crer no Messias/hol’Mehushkyah: At 16:30, 31. 2 – Aceitá-Lo como único salvador: At 4:12. 3 – Abrir-Lhe a porta do coração: Ap 3:20.

Minha Decisão: CREIO QUE YAOHUSHUA MORREU POR MIM. EU O ACEITO COMO MEU ÚNICO SALVADOR. ENTREGO-LHE MINHA VIDA E MEU CORAÇÃO…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

7

 

 

  1. O ESTADO DO HOMEM NA MORTE – GN 2:7

No princípio, o Criador fez o homem imortal para reinar sobre a terra e pôs ao seu dispor todos os animais e a toda a natureza vegetal. Gn 1:28-31. Mas os alertou que se não fossem obedientes à Sua vontade divina (Gn 2:16e17) perderiam esta imortalidade que, portanto, era condicional ao amor, símbolo maior da obediência…

Nota de o Caminho: A Árvore no centro do Jardim representava a Lei Moral do ETERNO, cuja transgressão levaria o homem à morte [principalmente a morte espiritual – a segunda morte (Ap 20:6)].

No livro mais antigo das Escrituras podemos ver com que clareza Jó entendia a morte: Sei que as tuas intenções a meu respeito são de morte e serei levado à casa destinada a todo ser vivo. Jó 30:23. Se morrer, a sepultura será a minha casa, na escuridão terei a minha cama… Jó 17:13.

RESPONDA:

1 – Mas afinal, o que é morrer? Ec 12:7.

2 – A que compara o Messias/hol’Mehushkyah a morte? Jo 11:11, 13.

3 – Como o CRIADOR criou a vida humana? Veja: Então o Criador formou o corpo do homem com o pó da terra e insuflou nele um sopro de vida; e o homem tornou-se uma “alma vivente”. (Gn 2:7).

4 – Que acontece ao corpo na morte? Gn 3:19.

5 – E ao fôlego de vida? Ec 12:7 (Jó 27:3).

Percebeu? A união do pó (corpo) com o fôlego de vida (Espírito do CRIADOR) resultam em uma ‘alma vivente’ (ALMA = Vida – Hb 13:17; I Pd 4:19; Mt 10:28; Corpo ou Povos – Rm 13:1; Ez 18:4; At 27:37). Portanto, o que diz as Escrituras sobre a Vida/Alma após a morte? Ez 18:4.

Nada de Alma Imortal! Nas Escrituras temos mais de 1.600 citações sobre a ‘alma’ e nenhuma vez sobre ‘alma imortal’. Ao pecarem (Adão/Adan e Eva/Khavyah) o CRIADOR tomou providencias para que o homem não mais comesse da árvore da vida – que lhes dava a imortalidade condicional. Assim, tirou-os do paraíso e pôs anjos para guardarem a sua entrada: E disse então o Criador: Agora que o homem adquiriu a mesma capacidade que nós, de conhecer o bem e o mal, é preciso que não venha a tomar também o fruto da árvore da vida e viva eternamente. Por isso o baniu do jardim do Éden, e o mandou cultivar a terra, a própria terra donde tinha sido tirado... Gn 3:22e23. Veja que o efeito residual do fruto da árvore da vida ainda prolongou a vida dos nossos pais por quase mil anos… Gn 5:5, 8, 11, 14, 17, 27; 9:27.

Mais Perguntas: 6 – Devemos consultar os mortos? Dt 18:10e11. 7 – Quanto à faculdade mental (pensamento ou consciência) do homem, quando morre, o que acontece? Sl 146:3e4. 8 – Portanto, durante a morte do homem, ele tem consciência de alguma coisa? Ec 9:5e6. 9 – E quanto aos seus conhecimentos (sabedoria)? Ec 9:10. 10 – Os mortos continuam louvando ao CRIADOR? Sl 115:17 (Sl 6:5). A promessa divina é a de que todos os mortos hão de ressuscitar. Quando Ele foi até Lázaro/Ul’ozor, já morto, sua irmã demonstrou que já sabia sobre a ressurreição: Jo 11:24.

Responda: 11 – E, se não houvesse a ressurreição o que aconteceria a todos os mortos? I Co 15:16-18. 12 – Portanto, se cremos na ressurreição do Messias, quando podemos esperar a ressurreição de nossos mortos? I Co 15:22e23. 13 – Mas afinal quantos serão ressuscitados pelo CRIADOR? Jo 5:28e29. O Apóstolo Sha’ul fala-nos sobre os justos mortos e a nós, vivos! Veja: Antes, UL descerá do céu, acompanhado de um potente clamor, com o brado do arcanjo e com o toque da trombeta de UL. Então os crentes em hol’Mehushkyah ressuscitarão nessa altura. Depois, aqueles que estiverem vivos serão levados juntamente com eles nas nuvens, ao encontro de UL, nos ares. E assim ficaremos unidos a Ele, para sempre. I Ts 4:16e17.

Continuando: 14 – Como será esta transformação? I Co 15:42-44, 51-56 (Fl 3:20e21). 15 – O que devemos ter para alcançar a imortalidade? I Jo 5:12.

Que devo fazer? 1 – Consolar-me com a esperança da ressurreição (I Ts 4:13-18). 2 – Crer em o Messias/hol’Mehushkyah (Jo 11:25). 3 – Perseverar até alcançar a imortalidade… (Rm 2:7).

A Morte é um sono. Assim como depois de um árduo dia de trabalho vem o sono reparador, depois de uma vida cheia de trabalhos e tribulações, UL nos concede um merecido descanso (Jo 11:11-14) até acordarmos para a Vida (Hb 11:39-40).

Minha Decisão: CONFIO NAS MARAVILHOSAS PROMESSAS DO ETERNO. ENTREGO MINHA VIDA AO MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH PARA RECEBER A VIDA ETERNA!

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8

 

 

  1. SINAIS DOS TEMPOS – MT 16:3

O CRIADOR sempre teve um plano de Salvação para o homem caído (Gn 3:15) e posteriormente deu aos Seus profetas, sinais de como poderiam reconhecer o Messias/hol’Mehushkyah. Is 7:14 cf. Mt 1:22e23.

Nota do Caminho: Isaías/Yashua’yah não disse “uma virgem”, mas sim “uma jovem” [no hebraico existem palavras distintas para virgem e jovem]… A tradução para uma virgem [no NT] é mais uma deturpação (ventos de doutrinas; advindo do paganismo grego) de que Sha’ul fala (Ef 4:14).

Além de que o nome Imanu’ul JAMAIS foi usado, pois tal Nome representaria apenas a condição temporária da presença do filho do ETERNO. O próprio ANJO disse que o Nome do FILHO a nascer em Maria/Maoro’hem seria YAOHUSHUA (vs 21), pois dá a explicação do porque daquele nome (a Salvação que vem de YAOHUH)!

Nota do Caminho: Observe que quando os corruptores “traduziram” este Sagrado Nome para o grego, este nome cultuado pelas nações [Ap 13:8] perdeu TOTALMENTE o seu significado, alem da presença do Nome do próprio ETERNO, anexado à Ele – Jo 17:11-12. Leia também Mq 5:2 cf. Mt 2:1.

Sobre a entrada triunfal do Messias: Zacarias/Zochar’yaohuh 9:9 cf. Mt 21:4e5. Até aqui as Escrituras nos revelou que aqueles que conheciam as profecias sabiam da primeira vinda de Yaohushua… Também havia uma profecia revelada a Daniel/Dayan’ul, sobre as Setenta Semanas, que apontava para a vinda do Messias/hol’Mehushkyah para salvar os judaicos, Seu povo (Rm 11:1-5) e, para que isto acontecesse – a redenção dos judaicos – certas condições seriam necessárias. Dn 9:24-27.

Lemos:

UL decretou um período de 490 anos, nos quais Yah’shua-oleym, a sua santa cidade, e o seu povo devem cessar a transgressão contra YAOHUH, cessar o pecado, pagar a sua culpa e promover a justiça; confirmando assim, a profecia e a visão para consagrar o Santo dos Santos. Agora ouve bem! Haverá 49 anos mais 434 anos a partir do momento em que for dada ordem para a reconstrução de Yah’shua-oleym até à vinda do hol’Mehushkyah (o Messias), o príncipe! As ruas e os muros de Yah’shua-oleym serão reconstruídos a despeito dos tempos difíceis que hão de passar. Depois deste período de 434 anos, hol’Mehushkyah (o Messias) será morto sem ter realizado o seu reinado. Levantar-se-á um rei cujos exércitos destruirão a cidade e o Templo. Mas, serão vencidos por uma tempestade; até ao fim [dos tempos] haverá guerras, com suas desgraças. Ele [o Messias/hol’Mehushkyah] fará um acordo com o Seu povo, de sete anos; mas, depois de decorrer metade desse tempo, os sacrifícios e as ofertas de manjares serão tirados; posteriormente, com o acúmulo das suas terríveis ações, o inimigo profanará completamente o Templo de UL. Mas, quando chegar o tempo determinado nos planos de YAOHUH, o julgamento de UL será derramado sobre esse assolador. ESN/EUC – Escrituras Sagradas segundo o Nome, Edição Unitariana Corrigida by CYC.

Foi para eles que o Messias/hol’Mehushkyah viera (Mt 10:6), no entanto, não O aceitaram e então, conforme diz Sha’ul, podemos ser enxertados à Arvore também! Rm 11.

Nota do Caminho: Esta classificação de que existe uma igreja gentílica e que nós (nas Escrituras – gregos ou nações) somos os tais yaoshorul’itas, não é bíblica. Gentios são os descendentes das dez tribos do norte (Israel/Yaoshor’ul) que se apostataram do único ETERNO. Yaohushua, como um Galileu por adoção, era um gentio – Is 9:1…

Observe, em suas Escrituras, como Sha’ul fazia distinção entre yaoshorul’itas e gregos (Rm 1:16). E, sempre que falava de yaoshorul’itas (Israel/Yaoshor’ul), incluía os judaicos (Judá/Yaohu’dah) – Rm 3:29. Profeticamente, veremos ainda a união das duas Casas… Jr 33:7; Is 49:6.

Sobre a Sua segunda vinda, os discípulos criam, mas perguntaram o que? E quando é que vai acontecer semelhante coisa, quiseram saber, os discípulos mais tarde, estando Ele sentado na encosta do Monte das Oliveiras. Que acontecimentos anunciarão o teu regresso e o fim dos tempos? Mt 24:3.

E, em Lucas/Luka vemos o Messias respondendo: Haverá então estranhos acontecimentos em shuan’maym (céus) e avisos no sol, lua e ‘cocavím’ (estrelas); e aqui na terra as nações andarão perturbadas e perplexas com o rugir dos mares e com estranhas marés. A coragem de muitos ficará enfraquecida ao verem o destino terrível que se aproxima da terra, porque a própria estabilidade dos shuan’maym será abalada. E então os povos da terra verão ha’BOR HOMEM chegar numa nuvem com poder e grande glória. Assim, quando todas estas coisas estiverem acontecendo, ergam o olhar e levantem a cabeça! Porque a vossa salvação está próxima. ESN/EUC – Lc 21:25-28; Mt 24:6e7.

Mas, é importante notar que as perguntas foram duas: da Sua Vinda e do Fim do Mundo e como resposta final o Messias/hol’Mehushkyah disse que o Evangelho do Reino seria pregado por todas as nações e Isaías/Yashua’yah nos mostra que isto ocorre após a Segunda Vinda do Messias/hol’Mehushkyah – Is 66:19 – quando Ele, o Messias/hol’Mehushkyah estiver reinando sobre a Terra [At 15:16]; e, tem mais, o Apocalipse 20 nos diz que somente após o governo milenar do Messias/hol’Mehushkyah (um período de transição em direção à Nova Terra) é que virá o Fim do qual Mt 24 trata! II Pd 3:10.

AGORA VEJA:

A promessa: Jo 14:1-3; Tt 2:13; Como Ele voltará? Mt 24:30; Quantos O verão? Ap 1:7. At 1:9-11; Nada SECRETO! Mt 24:25e26. Quanto aos sinais dito pelo Messias/hol’Mehushkyah sobre o sol, a lua e as Estrelas em Mt 24:29 (Ap 6:12e13), eram desconhecidos dos discípulos? Jl 2:30e31; 3:15; Is 13:10; Am 8:9.

Estes Sinais já ocorreram ou ainda é futuro? Veja que está registrado nos livros de História da Humanidade que em: 19 de maio de 1780 – O sol não deu a sua luz por 8 horas seguidas e a lua, só apareceu muito tarde, naquela noite e quando o fez, parecia uma bola de sangue… 13 de novembro de 1833 – A maior queda de estrelas (meteoritos) jamais vista… Milhares e milhares, por várias horas em TODO o hemisfério norte!!! Mais recentemente, terremotos e tsunamis [observe como o clima do Brasil, esta mudado]! Por isto, observe a natureza que, como as dores do parto, está reagindo cada vez mais com violência e constância, sobre os povos idólatras [onde tem ocorrido tais fenômenos] e isto inclui os “evangélicos” que continuam presos às doutrinas da “mãe” (Ap 17:5)! Leia Ap 11:18.

Hoje vivemos: Tempos de Angustias e Perplexidades. Homens desmaiando de terror. Bramido do Mar e das Ondas… Lc 21:25; Mc 13:12,13. Em Dn 12:4 – A ciência e o Saber (conhecimento) está se multiplicando! II Tm 3:1-5 (Tg 5:1-4) – Imoralidade! E pior ainda: II Pd 3:3e4 – Descrença!

Atenção ao vs. 14 de Ap 6. Compare com Mt 24 e 25. Hoje estamos sob o Sexto Selo do Apocalipse (em Ap 7, o selamento) – as mudanças climáticas.

Perguntamos:

1 – Mas, por que Ele virá? Mt 16:27.

2 – O que ocorrerá com os justos que já estiverem Mortos? E quanto aos justos Vivos naquele Dia? I Ts 4:16e17.

3 – Como poderemos vê-lO face a face? I Co 15:50-53.

4 – Quem ajudará o Messias naquela ocasião? Mt 24:30e31.

5 – E, o que ocorrerá com os ímpios que estiverem vivos naquele Dia? Ap 6:16e17.

Leia com atenção a parábola do Trigo e do Joio (Mt 13:24-30; 36-43; Mt 24:30, 31; Zc 14:4) e veja “quem” é que será levado (muitos confundem este levar como arrebatamento) e “quem” será deixado! Mas, podemos adiantar que ha’satan tem imposto sobre os menos avisados que os arrebatados vão para o “céu” (mais uma doutrina advinda do paganismo), indo de encontro com o que Está Escrito que é ‘ímpios sendo levados (para o fogo eterno) e salvos, deixados para habitarem com o Messias/hol’Mehushkyah’. Esta é a interpretação correta!

Nota do Caminho: Em Mt 24:29 vemos a “igreja” presente durante a Grande Tribulação para ser resgatada somente na Volta do Messias/hol’Mehushkyah [vs 30-31]…

O Messias nos alerta: Mt 24:44 (vs.42); Lc 21:28, 36; Mt 24:37-40; Veja também: Mt 24:50e51; Lc 21:28-31.

Que devo fazer?

1 – Preparar-me: I Jo 3:23.

2 – Ajudar na pregação: Mt 24:37-40.

3 – Veja que sobre as profecias o Messias falou: Digo-vos isto agora para que, quando acontecer, possam crer que Eu sou quem sou. Jo 13:19. Am 3:7.

Irmãos, o cumprimento exato dos sinais anunciados pelo Messias/hol’Mehushkyah e pelos profetas, nos indicam que a agonizante noite de dor e morte está para terminar.

Minha decisão: CREIO QUE YAOHUSHUA VIRÁ EM BREVE. DECIDO PREPARAR-ME PARA ESTE ENCONTRO.

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

9

 

 

  1. O JUÍZO DO CRIADOR – JO 5:22

O Criador criou então o homem semelhante ao Seu UL’HIM; assim o Criador criou o homem. Homem e mulher – foi assim que os fez. (Gn 1:27). Porém, veio a serpente e convenceu Eva/Khavyah dizendo: Não morrem nada, retorquiu-lhe a serpente.

O Criador sabe muito bem que no mesmo momento em que comerem esse fruto os vossos olhos se hão de abrir, e serão capazes de distinguir o bem do mal! (Gn 3:5). E Eva/Khavyah convenceu ao seu esposo, Adão/Adan…

O Criador, imediatamente veio perante o casal e emitiu o seu pré-julgamento: …E depois de tê-lo tirado dali, pôs querubins a oriente do jardim, os quais com uma espada chamejante guardavam o caminho de acesso à árvore da vida. (Gn 3:24).

O homem, com o seu livre arbítrio, escolheu pecar transgredindo a Lei do CRIADOR (vontade). Desde então, uns escolhem seguir ao Messias/hol’Mehushkyah e outros escolhem seguir à serpente (Ap 12:9). Daí a necessidade que tem o CRIADOR de fazer um julgamento de toda a humanidade: …uns para a vida eterna, outros para a vergonha e desprezo eternos. Dn 12:2 [cf Ap 20:4-6, 11-15]. II Co 5:10; Rm 14:12; At 17:31; Ap 14:6-7. At 24:25.

Daniel/Dayan’ul, quando em visão, relatou: A certa altura, foram colocados uns tronos e um ANCIÃO de DIAS [idade avançada] sentou-se para julgar… (Dn 7:10) …e, novamente no último livro das Escrituras temos: E vi um grande trono branco; nele estava sentado alguém diante do qual a terra e o céu fugiram; e nem deixaram vestígios. Os mortos compareceram todos diante do trono, grandes e pequenos. E abriram-se os livros, incluindo também o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com as coisas que estavam escritas nesses livros, cada um segundo as suas obras. (Ap 20:11-12).

Pergunto: 1 – Quanto do que tivermos feito se tornará conhecido naquele dia? Ec 12:13e14. 2 – Veja o que disse o Messias a respeito de nossas palavras: …E garanto-vos: no dia do juízo hão de dar conta de cada palavra leviana que tiverem dito. O que agora dizem aponta para o vosso destino final; pelas vossas palavras serão aprovados ou condenados. (Mt 12:36-37). 3 – Mas, nós um dia aceitamos ao Messias! Veja aonde foi registrado o nosso nome: Fl 4:3. 4 – Conheça agora, o destino daquele que não teve o seu nome registrado neste livro: Ap 20:15.

Portanto, basta que aceitemos ao Messias e estaremos salvos para sempre? Não! O grande julgamento será justamente para aqueles que um dia conheceram ao Messias e não perseveraram nos Seus Caminhos (os demais irão diretamente para a perdição eterna, pois estes não precisaram ser julgados – I Co 11:2). Ex 32:31-33. I Pd 4:17. Mt 13:24-30, 36-43. Jo 5:22; Mt 18:10; I Jo 2:1e2.

Mais perguntas: 5 – Mas, quais são as bases para este Julgamento? Tg 2:10-12. 6 – E qual será a sentença? Mt 25:46. 7 – Qual será o destino dos salvos? Mt 5:5.

VEJA A SEQUÊNCIA DOS EVENTOS: Jo 14:3; Is 24:6; Mt 24:31; Mq 4:8; Is 35:3-6; Fl 3:21 (I Co 15:20-28, 50-54); Is 65:20; 66:19, 21; Ap 20:7-10; II Pd 3:10-13; Is 65:17 (promessa cumprida em Ap 21:1-5 – atenção ao vs. 3). Porém para os ímpios as consequências serão eternas, ou seja: seus efeitos “durarão” para sempre – Ml 4:1-3; Sl 37:10, 20, 36.

Observe que Sedoma e Amorá foram destruídas com o Fogo ETERNO, porém não continuam a queimar até os dias de hoje, não é? Também Sedoma e Amorá e as cidades vizinhas se corromperam como eles e se entregaram a perversões carnais. Essas cidades foram destruídas pelo fogo do CRIADOR, e são um aviso do fogo que há de punir todos os maus – Jd 7 (II Pd 2:6; I Sm 1:22, 28).

Veja também que os anjos e todos os ímpios estão “reservados” para o lago de fogo – …e lhes direi: ‘Saiam daqui, malditos, para o fogo eterno preparado para ha’satan e seus demônios. Mt 25:41. Neste dia, até mesmo o inferno (sepultura) deixará de existir (Ap 20:14)!

Lemos: Porque o Criador não poupou até os anjos que pecaram, mas, lançou-os no tach’ti [traduzido como inferno], acorrentados em um mundo de trevas, até o dia do juízo. II Pd 2:4 – não estão a arder, agora; não é? E o próprio ha’satan será consumido por esse fogo: Ap 20:10, 14; 21:4, 8.

Compreendemos este tormento quando lemos: …deixaste que a tua sabedoria se corrompesse com o esplendor que tinhas. Em razão disso te lancei e te expus à curiosidade dos reis. Sujaste a tua santidade com a luxúria e a ganância; então fiz sair fogo das tuas ações que te consumiu a ti próprio e te reduziu a cinzas, à vista de todas as pessoas. Ez 28:17e18.

Que devo fazer? 1 – Crer no Messias/hol’Mehushkyah e obedecer-Lhe (Jo 5:24). 2 – Temer ao ETERNO e guardar os Seus mandamentos (Ec 12:31; Jo 14:15, 21; 15:10). 3 – Confiar nEle (Mt 16:27; Ap 2:10; 3:5). 4 – Entregar a nossa causa ao nosso Advogado, Yaohushua (I Jo 1:9; 2:1).

Minha Decisão: ACEITO A YAOHUSHUA HOL’MEHUSHKYAH COMO MEU ADVOGADO. RESPEITAREI OS SEUS MANDAMENTOS!

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10

 

 

  1. UM DIA PARA O MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH – EX 16:25

Criou o ETERNO, através do Messias, os céus e a terra e tudo que nela há, em seis dias literais… Crê, o irmão, que o ETERNO tem poder para tal ou acha que Ele precisaria de milhares de anos para fazer isto (Ap 14:7)? Aqui não se aplica o princípio dia/ano por não se tratar de uma profecia envolvendo tempo! Veja que o ETERNO juntamente com o Seu Filho, um dia – a mais ou menos 6.000 anos atrás – vieram à esta parte do Universo tão infinito quanto Eles e o organizaram; e, criou a vida neste planeta azul.

No primeiro dia veio e trouxe a Sua luz… Veja: …Ao tempo durante o qual a luz brilhou chamou-lhe dia, e à escuridão noite. Essa sequência formou o primeiro dia. (Gn 1:5). Como no princípio havia trevas (tarde = noite; a parte escura de um dia de 24 horas) e, ao criar a luz, fez o CRIADOR o dia (manhã = a parte clara de um dia de 24 horas). Desde então os dias começam ao pôr-do-sol, ou seja: vai de um pôr-do-sol ao outro – cf. Lv 23:32. A ICAR é que introduziu o “meia noite”!!!

No segundo dia fez este céu que nós enxergamos, ou seja: a atmosfera que nos envolve; no terceiro dia criou as árvores e só no quarto dia fez o sol e a lua. Vale a pena lembrar de um fato natural e científico: as plantas não sobrevivem ou produzem frutos sem a luz do sol (na presença da luz solar realizam a fotossíntese, convertendo assim, luz em alimento) e, portanto não sobreviveriam num dia de mil anos (como querem alguns de certa denominação – diga-se TJs) sem a luz solar. Já, no quinto dia criou toda a vida marinha e no sexto dia toda a vida animal, inclusive o ser humano, a razão de ser da criação divina!

E no Sétimo Dia? Yaohushua não fez nada? Fez! Criou o Sábado [shabbós]… E descansou, dando-nos o exemplo. Pois fizera o sábado para o nosso refrigério!

Pergunto:

1 – Qual é o Dia de Descanso dado pelo CRIADOR? Ex 20:8-11.

2 – Para benefício de quem foi dado o Sábado? Mc 2:27 (Assim como as Escrituras foi feita por causa do homem; a Santa Ceia; o Casamento; a Mulher; etc). Como vimos, foi na criação que o CRIADOR instituiu o Sábado – Gn 2:1-3. E, desde então o Seu povo respeitou este dia.

3 – Qual era o dia que o Messias guardava? Lc 4:16. E, mesmo na dor, a Sua mãe Maria/Mao-ro’hém, também continuou a guardar este dia – Lc 23:56.

4 – Os apóstolos também continuaram a guardar este dia Sagrado? Como era seu costume, Sha’ul entrou na sinagoga, e durante três Shábbos seguidos expôs as Tanakh ao povo, explicando as profecias acerca dos sofrimentos do hol’Mehushkyah (o Messias), da sua ressurreição, e provando que hol’Mehushkyah era, justamente, Yaohushua. (At 17:2-3; leia 18:3e4).

Isto, mais de 30 anos depois da cruz e ressurreição do Messias (a qual crêem certos evangélicos que aboliu o sábado em função do domingo, o dia do sol)! Este dia de Descanso foi, e ainda é, e será eternamente o dia do Messias/hol’Mehushkyah (Mt 5:18)! A Base de toda a adoração é o fato de que o Criador nos criou – Ap 4:11; e a Sua mensagem final à humanidade – Ap 14:6e7 – é um chamado à adoração do Criador.

Observe que o Sábado foi instituído como um memorial à criação. Note que durante o governo messiânico sobre a Terra, continuaremos a guardar este santo dia, na presença do próprio Messias/hol’Mehushkyah! Is 66:22e23. Ap 1:10; Mt 12:8; Jr 17:27; Mt 24:20; I Jo 5:1-3; 2:6.

Como sabemos, o Messias/hol’Mehushkyah subiu aos céus para preparar-nos lugar na Nova Yah’shua-oleym! (Quando tudo estiver pronto, então virei para vos [não diz: virei e votarei…  As Escrituras não contempla uma terceira vinda], para que possam estar sempre comigo onde Eu estiver – Jo 14:3). Leia Fl 3:20. Por isto, em Sua segunda vinda, Ele nos resgatará para Si e então iremos morar com Ele em Seu reino terreal (I Ts 4:16; Is 65, 66 cf At 15:16).

Após 1.000 anos, ha’satan será liberto e tentará às nações que se formaram durante o milênio e que não conheceram tentações… Irão contra a Yah’shua-oleym terreal (trono de Davi/Da’oud) e então cumprir-se-á II Pd 3:10 …Mas, o dia de UL virá inesperadamente como um ladrão. Então os shuan’mayao desaparecerão com grande estrondo, os corpos celestes se desfarão em fogo e a terra e tudo o que nela existe se queimará. Após toda a purificação, os mortos ímpios de todos os tempos, ressuscitam para o horror eterno.

Uma vez a Terra ser feita NOVA, a cidade Santa descerá dos céus e suas portas se abrirão e então iremos conhecer a Nova Yah’shua-oleym onde o próprio UL’HIM (YAOHUH, o Pai do Messias/hol’Mehushkyah) habitará conosco! Neste dia a Terra estará totalmente restaurada pelo Criador (Ap 21:1-3 – como era o Seu plano desde a criação; I Co 15:24-28)!

Que devo fazer: 1 – Ter cuidado para não profanar o Sábado – Is 56:2.

2 – Santificar o Sábado, fazendo a vontade do CRIADOR – Is 58:13e14.

3 – Obedecer ao CRIADOR, antes que aos homens – At 5:29.

4 – Neste dia devemos nos abster das tarefas do dia a dia e as que são remuneradas e nos dedicarmos ao Messias/hol’Mehushkyah, orando, indo à Sua igreja e fazendo trabalhos missionários – At 16:13.

Minha Decisão: CREIO QUE O SÁBADO É O DIA DO CRIADOR. PROMETO RESPEITÁ-LO…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11

 

 

  1. A IGREJA DO MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH – JO 10:16

No princípio criou UL [o Criador] o homem no paraíso e instituiu a família – Gn 2:24. A família é a pequena igreja, onde o homem é o sacerdote do lar… Para ser o sacerdote, os primogênitos eram criados – Caim não estava preparado para este sacerdócio, pois não compreendera o sagrado significado dos holocaustos onde o cordeiro representava o Messias – Gn 4:3-4; lembre-se que, também foi desta primogenitura que Esaú/Essáv (os atuais palestinos – Jr 49:10, Ob 1:18) abriu mão (Gn 25:34).

Mas, de qualquer maneira, o messianismo foi instituído no paraíso e durante séculos a humanidade aguardou o Redentor. Quando aqui esteve, orientou-nos sobre a Sua verdadeira igreja (Mt 16:18; At 2:42-47; 4:32-35), e percebendo que o homem ainda estava sendo enganado por ha’satan, em sua última revelação, nos deixou o livro do Apocalipse/Gilyahna – Revelação que fala-nos deste conflito envolvendo a igreja de Caim (ha’satan) com a Igreja de Abel/Ab’ul (o Messias) – Ap 12,17,18.

Mas, por que há, em nossos dias, esta pluralidade de religiões denominadas “igrejas cristãs”? Foi na verdade isto que o Messias/hol’Mehushkyah criou? É correto promover divisões e fundar novas denominações? Existiria um fundamento escriturístico para tudo isto?

RESPONDA: 1 – Mas, afinal quem é o verdadeiro fundamento da Igreja? Ef 2:20. 2 – Quando o Messias perguntou a Kafos o que este pensava sobre Ele, qual foi sua resposta? Mt 16:16-18.

Esta resposta, trás muita confusão nos dias de hoje, inclusive citando a Pedro/Kafos como sendo o primeiro “papa” da igreja do Messias. Mas veja que o Messias usou duas palavras diferentes para caracterizar a resposta de Kafos: a primeira: petrus – Pedra: tu és Pedro/Kafos e a segunda: petra – Rocha: sobre esta petra… (Verdade) edificarei a Minha Igreja! Portanto, perceba que pedra é um pedaço menor da rocha que é o Messias cf. Dn 2:35. E, sobre a Verdade proferida por Pedro/Kafos (de que Ele era o Filho do ETERNO e não mais um “deus” – vs 16), o Messias disse que edificaria a Sua Igreja/Kehiláh… 3 – E quem são os dirigentes da Igreja? Ef 4:11e12. 4 – Qual é a tríplice missão da Igreja? Mt 4:23. 5 – Como deve governar-se a Igreja? At 6:1-4. No Apocalipse 12 temos presente a simbologia da Igreja, ou seja: Mulher… (II Co 11:2). E, neste capítulo temos o grande “dragão vermelho”.

Mais perguntas:  6 – Quem é este poder e como puderam vencer? Ap 12:7-9. 7 – Quem é o filho do homem ao qual o diabo tentou destruir? Ap 12:5. 8 – E, como tentou o diabo destruir ao Messias logo após o seu nascimento? Ap 12:3e4 (Mt 2:1-16). 9 – Quando o diabo se deu conta de que estava confinado à Terra e que os seus dias estavam contados, que fez ele à mulher (Igreja)? Ap 12:13e14.

10 – Para onde foi a mulher (Igreja) para fugir da perseguição que durou 1260 anos? Ap 12:6, 14. O tempo profético aqui apresentado são os 1.260 anos da repressão papal que teve início em 538 d.C (primeiro papa) e foi até 1798 d.C (ano em que caiu a supremacia papal nas mãos de Napoleão – observe que este tempo foi abreviado pela Reforma Protestante com Lutero – Mt 24:22). 11 – Contra que parte da Igreja Verdadeira do Messias/hol’Mehushkyah, irou-se ha’satan? Ap 12:17. 12 – Quais serão as duas características da Igreja do Messias? Ap 12:17. Em Ap 19:10 temos que “o testemunho do Messias/hol’Mehushkyah é o Espírito da Profecia”. Ap 22.9. 13 – E o que é este Espírito da Profecia? Resposta: São as Escrituras, a Sua Palavra revelada através dos profetas! (Jo 5:39). Você precisa de outros livros,escritos por falsos profetas/isas?

E para ser a Verdadeira Igreja do Messias/hol’Mehushkyah na Terra ela tem que guardar os mandamentos dEle, inclusive o Sábado; além de ter as Escrituras como o seu Livro doutrinal e… para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito. Ef 5:27 (não “morna” como querem alguns e JAMAIS “colher o joio”, como fazem outros). E muito mais sério é o chamado de UL àqueles que pertencem a igrejas que não respeitam ou guardam Seus Mandamentos ou seguem falsas doutrinas trinas – Ap 18:1-4.

Também, ao estudarmos Ap 14:6-12 poderemos compreender a mensagem da verdadeira Igreja/Kehiláh. No vs.6 a verdadeira Igreja do Messias/hol’Mehushkyah prega o evangelho (Ef 2:8; I Jo 1:7; Jo 1:12) e que é um movimento mundial missionário (Mc 16:15). No vs. 7 a verdadeira Igreja apela aos homens para glorificarem ao CRIADOR no seu estilo de vida (I Co 6:19e20; 10:31); anuncia que é chegada a hora do juízo do CRIADOR (Mt 12:33, 37; At 24:25; Dn 7:9-14) e apela para que todos adorem somente ao Criador (não uma trindade de deuses – observe o vs 12)…

Por isto, vemos no vs. 11, que a base da adoração é o fato de Yaohushua nos ter criado e cujo símbolo da criação (memorial) é o sábado (Ex 20:8-11). Pode uma pessoa, sem vínculo com a verdadeira Igreja, ou ligado a outros movimentos, considerar-se um salvo e esperar confiante pelo Messias/hol’Mehushkyah? Em conformidade com as Escrituras, quantas Igrejas existem? Todos os que haviam de salvar-se, eram acrescentados à Igreja (At 2:37,47). Aconteceu com o oficial da rainha, com Paulo/Sha’ul e inclusive com Cornélio (At 8:38; 9:11; 11:13, 14). Nestes dias foram colhidas as primícias – os 144.000… A Igreja é o Corpo do Messias/hol’Mehushkyah. Fora deste Corpo, não há como estar ligado na Cabeça (Rm 12:5; I Co 12:12, 20, 27).

Escriturísticamente, o ETERNO só tem uma única Igreja e nunca admitiu divisões (Cl 1:18,24; I Co 1:10; 3:3). Assim como o ramo, fora da videira morre e seca, assim sucede com o crente, fora da Igreja do Messias.

Mas, poderíamos perguntar: Teria a verdadeira Igreja do hol’Mehushkyah desaparecido na era negra? Que destino tomou esta durante os 1260 dias proféticos de perseguição?

A Igreja jamais foi destruída, pois o próprio Mestre assegurou:

  1. a) Que as portas do hades (inferno, sepultura, destruição) não prevaleceriam contra ela (Mt 16:18);
  2. b) Que Ele mesmo estaria com ela todos os dias, até fim dos séculos (Mt 28:20);
  3. c) Que ela seria protegida da perseguição dos 1260 anos; do poder do anticristo (Ap 12:6,14);
  4. d) Que ela voltaria a profetizar a povos, nações e línguas (Ap 10:11).

As sete lâmpadas do castiçal [Verdadeiro símbolo de Israel/Yaoshor’ul], permanentemente acesas (Ap 1:20), são as sete igrejas ou sete eras da Igreja, desde os dias apostólicos até a vinda do Messias/hol’Mehushkyah. Como a mulher de Apocalipse 12, a Igreja não foi destruída na era negra e nunca deixou de existir. Vencido o período de perseguição da ponta pequena (o papado ou anticristo), a Igreja saiu do deserto e voltou a anunciar o Reino do ETERNO (Ap 10:11). Portanto, a verdadeira Igreja do Messias/hol’Mehushkyah conduz os homens à fé no Messias/hol’Mehushkyah e à obediência à Sua Santa Lei.

Ap 14:8 alerta-nos contra as doutrinas e erros da babilônia espiritual, ou seja: a igreja prostituída de Ap 17 [a ICAR com suas filhas, evangélicas]. E, finalmente (vs. 9-11) a verdadeira Igreja/Kehiláh ensina a Verdade a respeito dos mortos (Jo 11:11-14; Ec 9:5; Sl 146:3e4). Portanto, se a sua atual denominação insiste nas falsas doutrinas [imortalidade da ‘alma’, dons de línguas, céu & inferno, arrebatamento secreto (veja o estudo 16); e, principalmente a trindade], aplique em sua vida Ap18:4.

Isto posto, reafirmamos como identificar e discernir as falsas “igrejas” da legítima Igreja do ETERNO? Pela mensagem e princípios de fé é possível conhecer-se os movimentos com origem na religião papal e principalmente por professarem o credo na doutrina pagã da trindade… A maioria destas [filhas] crê e ensina a imortalidade da “alma”; defende idêntica posição quanto à divindade do Messias/hol’Mehushkyah com O ETERNO (crendo em uma tríade de deuses); acredita que vai morar no Céu e defende a maior divindade do paganismo, o deus-sol, prestando-lhe uma indiscutível homenagem ao honrá-lo num culto semanal (o domingo) e santificando-lhe um dia no ano, dedicado ao seu nascimento (o natal, o domingo dos domingos). Portanto, ainda que um ou outro grupo diga ter origem apostólica, seus ensinos é que vai realmente revelar sua procedência.

Nota de o Caminho: Caro irmão existe um sinal sobrenatural que indica que você está na igreja Verdadeira: Cada vez que você entrar [pela primeira vez] em uma igreja onde a Verdade está sendo pregada, prepare-se que nos próximos dias ALGO de RUIM vai lhe acontecer! É o inimigo procurando tirá-lo de lá… No entanto, se nada RUIM acontecer [somente coisas boas] é porque o inimigo quer mantê-lo DENTRO do Erro [II Ts 2:7-13]; ali não existe a Verdade!

Que devo fazer: 1 – Unir-me à Igreja Verdadeira (At 2:38, 41). 2 – Permanecer fiel e firme (II Pd 1:10-12). NOTA: Hoje, TODAS as denominações são concorrentes à igreja que o hol’Mehushkyah fundou, pois ou é a mãe ou é uma de suas filhas – Ap 17:5. Is 4:1 descreve tais igrejas…

Que tipos de erros estão incorrendo os fundadores de “igrejas”, diante dos claros ensinos das Escrituras? Ao fundar igrejas, estão comprovando que não acreditam na existência da Igreja original. Se cressem que ela não foi extinta, não estariam montando concorrência. Com isto, chamam o hol’Mehushkyah de mentiroso. A Igreja fundada pelo hol’Mehushkyah foi e é um elo com o judaísmo em seus costumes bíblicos e crenças fundamentais… Pela imersão em Nome do hol’Mehushkyah [no fim deste curso temos um exemplo de Votos para a Imersão] nos ligamos ao Messias e à Comunidade de Yaoshor’ul (não à atual nação yaoshorul’ita, que jamais aceitou ao Messias, mas sim ao Povo Yaoshorul’ita), nos tornamos membros da Família do ETERNO.

Dizer que a Igreja acabou ou foi substituída é legitimar a religião romana. Quem imergiu e deu um ministério aos reformadores protestantes vindos da religião papal? Se os aceitarmos, teremos que reconhecer o clero da ICAR. Ademais, teremos que admitir que as cruzadas, a inquisição e toda perseguição tiveram a aprovação do ETERNO e a presença do hol’Mehushkyah (“… estou convosco todos os dias” – Mt 28:20).

OBS: Para saber se a congregação/oholyáo que você frequenta é a igreja/Kehiláh que Yaohushua hol’Mehushkyah fundou, veja se as suas doutrinas fundamentais são embasadas nas Escrituras [no fim deste compêndio, temos a exposição das nossas Crenças Fundamentais] …

Minha decisão: DESEJO UNIR-ME À IGREJA DO MESSIAS QUE ELE MESMO FUNDOU E SER FIEL ATÉ O FIM…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

12

 

  1. O MILÊNIO – IS 65:9

UL criou o homem imortal. Se bem que era uma imortalidade condicional, pois no Éden o CRIADOR colocou a árvore do conhecimento – discernimento – do bem e do mal (Gn 2:17) para certificar-Se da fidelidade do ser recém criado para com a Sua vontade – Lei! Porém o homem quebrou esta Lei e perdeu a sua imortalidade. Leia: Agora que o homem adquiriu a mesma capacidade que nós, de conhecer o bem e o mal, é preciso que não venha a tomar também o fruto da árvore da vida e viva eternamente (Gn 3:22). Desde então, a grande esperança do povo de Israel/Yaoshor’ul é pelo Messias/hol’Mehushkyah e por uma era de paz e justiça na Terra.

Exatamente esta é a mensagem que anunciamos ao mundo, ao testemunharmos do Evangelho do Reino do ETERNO. A instauração deste reino é certa e tudo indica que estamos próximos deste grande evento (At 15:16). Vivemos a parte final da estátua vista por Nabucodonossor/ Nebuchadnezar e é nos dias destes reis que o Messias/hol’Mehushkyah levantará um reino que jamais será destruído. Não haverá nenhum outro governo intermediário!

Nos lembramos que, mesmo “punindo”, o ETERNO tinha um plano de salvação: o MESSIAS, o Cordeiro do ETERNO… que tira o pecado do mundo (Jo 1:29). Porém, desde a queda do homem, o diabo tem estado na mais absoluta atividade e nunca esteve tão ativo como nos nossos dias. Crimes, assaltos, sequestros relâmpagos, etc. Acidentes de carros, barcos, aviões ou trem sempre deixam inúmeras vítimas… Vítimas inocentes! As doenças estão cada vez mais mortais… As curas, cada vez mais distantes!

E o homem continua brincando de ser o Criador… Mas as Escrituras Sagradas nos mostram que esta atividade satânica não se perpetuará para sempre. Haverá um fim para o pecado, para a morte e para o diabo… Mais especificamente haverá um período de mil anos – um milênio – em que ha’satan estará totalmente “amarrado”; ficará impossibilitado de tentar, atormentar ou destruir qualquer dos filhos do ETERNO. A grande esperança do povo de Israel/Yaoshor’ul é pelo Messias/hol’Mehushkyah e por uma era de paz e justiça na Terra.

Exatamente esta é a mensagem que anunciamos ao mundo, ao testemunharmos do Evangelho do Reino do ETERNO. A instauração deste reino é certa e tudo indica que estamos próximos deste grande evento. Vivemos a parte final da estátua vista por Nabucodonossor e é nos dias destes reis que o Messias/hol’Mehushkyah levantará um reino que jamais será destruído. Não haverá nenhum outro governo intermediário!

Nota do Caminho: A Volta do Messias é justamente para dar fim ao Armagedom (6ª praga; uma guerra literal contra Israel/Yaoshor’ul, a nação escolhida pelo CRIADOR – Zc 14:1-3) e a Sua Vinda representa uma praga (a 7ª) para os ímpios envolvidos no Armagedom… Porém, nem todos da Terra serão eliminados (Is 24:6; cf. Ap 6:16 – Mt 27:25).

OBS: O critério para que restem nações será o mesmo usado em Apocalipse 13; a grande maioria irá contra Israel/Yaoshor’ul conscientemente (marcados na testa/mente), porém, outros (poucos) vão contra a sua própria vontade [ou plena ignorância] e merecerão uma nova oportunidade; marcados na mão serão aqueles que dirão: “Tanto faz… se é preciso exterminá-los, faremos isto”! Para estes e os primeiros, não haverá misericórdia!

Finalmente chegará a tão almejada paz. Yah’shua-oleym gozará de segurança e de lá o Messias/hol’Mehushkyah ordenara a bênção (Sl 133:3). Será exaltada e a ela concorrerão os povos (Is 24:23; 2:3; Mq 4:2; Jr 33:16; Jl 3:20,21; Zc 2:10-13; 8:22). Conforme predito, a Casa de Yaohu’kaf terá seu Rei, o trono de Davi/Da’oud ocupado e o Reino não terá mais fim.

A mensagem do anjo à Maria/Maoro’hem encontra o seu pleno cumprimento: “E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o Nome de Yaohushua. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e O ETERNO lhe dará o trono de Davi/Da’oud, seu pai…” (Lc 1:31-33).

O Seu governo será regido com vara de ferro, pois uma vez aprisionado o príncipe das trevas e suas hostes, o pecado desaparecerá, dando lugar ao desenvolvimento de nações que servirão ao Messias/hol’Mehushkyah segundo as Suas leis…

Vejamos como e quando isto ocorrerá:

1 – Em que duas ressurreições disse o Messias que os mortos ressuscitariam? Jo 5:28e29.

2 – Quando ressurgirão os mortos justos? I Ts 4:16e17.

3 – Como chama as Escrituras a esta ressurreição? Ap 20:6.

4 – Que acontecerá aos justos que estiverem vivos quando o Messias vir estabelecer o Seu governo Messiânico, no princípio do milênio? I Ts 4:17.

5 – Que diz as Escrituras, que indica que os justos mortos hão de ser ressuscitados no princípio do milênio? Ap 20:4e6.

6 – Que efeito terá a segunda vinda do Messias, sobre os ímpios que estiverem vivos? Jr 25:31-33 (O homem pecador não resiste perante a glória do Messias/hol’Mehushkyah – II Ts 2:7e8 – cf Ap 19:15).

7 – Como indica as Escrituras que a segunda vinda do Messias não terá nenhum efeito sobre os ímpios mortos, naquela ocasião? Ap 20:5.

8 – O que acontecerá com ha’satan no início do milênio? Ap 20:1-3. Visto que ha’satan estará “preso”, o que ele não poderá fazer durante o milênio? Ap 20:3.

9 – As nações que não sofreram as tentações são as que se formaram durante o milênio (Leia atentamente Is 65 e 66, pois fala do milênio sobre a Terra).

Muitos crêem que a Terra estará deserta neste período e que os justos estarão nos céus… Usam a parábola do trigo e do joio para comprovar este arrebatamento (secreto); mas leia atentamente a parábola e verá que quem é arrebatado (tirado) é o ímpio. O salvo é reunido no celeiro (a Terra durante o milênio – Sl 115:16).

Mas, passava pela mente dos discípulos do Messias o estabelecimento de um reino nos céus? Pedro/Kafos estava preocupado em como ir ao Céu com Ele? Jamais foi ensinado ou crido pelos Yaoshorul’itas e pelos apóstolos um reino ou morada nos céus. Os discípulos, sempre que lhes parecia oportuno, indagavam se era o momento do Messias assumir o comando em Yah’shua-oleym e instaurar o Seu reino (Lc 19:11,12; Jo 6:14,15; 12:14,15; At 1:68; Lc 1:68-74; 24:21; Jo 13:36,37; 14:3). Infelizmente, não puderam entender que o reino seria mundial e sobre todas as nações…

Portanto, a “Morada nos Céus” não vem dos profetas nem dos apóstolos (Jo 13:36); o Messias/ hol’Mehushkyah vai assentar-se no trono de Davi/Da’oud, em Yah’shua-oleym (Mt 25:31; At 2:30 cf At 15:16). Veja que a pedra que feriu a estátua não voltou para o Céu. Ao contrário, se fez um grande monte e encheu TODA a terra (Dn 2:35).

Quando o Messias vier, após o encontro com os salvos nas nuvens [de anjos cf. Mt 24:31], Ele descerá sobre o Monte das Oliveiras (I Ts 4:17; Zc 14:4). Dará livramento a Yah’shua-oleym; converterá a Israel/Yaoshor’ul e se assentará no trono de Davi/Da’oud (Zc 12:8-10; 14:9; Mt 25:31; At 2:30). Não haverá retorno dEle ao Céu, para um reinado lá! Sob o governo do Messias, os inimigos serão subjugados (I Co 15:24-28); e a Yah’shua-oleym terrena será a capital do Reino Milenar (Is 2:3; Mq 4:2).

Outros usam Jeremias/Yarmi’yah 4 para falar de uma Terra deserta, inclusive fazendo uma analogia com o bode azazel como sendo o próprio ha’satan. Mas isto é uma blasfêmia, pois os dois bodes da expiação representam as fases do sacrifício do Messias/hol’Mehushkyah (julgamento dentro da cidade e execução fora da cidade) além de que, ambos os bodes tinham que ser sem mácula (ha’satan sem mácula?).

Note também que Jr 4:23-27 não é uma profecia para este tempo de mil anos, pois o contexto nos mostra que se cumpriu na Yah’shua-oleym dos dias do cativeiro babilônico; além de que o próprio profeta é um dos sobreviventes e mais alguns sobrevivem (…não a consumirei de todo – fim do vs 27).

Deserto é uma referencia à desolação em que se encontrava a sua terra! Por isto, não haverá uma extinção total de homens e animais, no Armagedom! O ETERNO não criou a Terra para que fosse vazia (Is 45:18), nem para ser lugar de habitação dos ímpios (Mt 13:41; 15:13). Com o dilúvio e a grande arca de Noé/Nokh, O ETERNO puniu seus habitantes, sem todavia extinguir a criação (II Pd 2:5).

Ali, fez uma promessa de não mais ferir todo o vivente (Gn 8:21). Se na vinda do Messias/hol’Mehushkyah tudo fosse destruído, então esta palavra não seria cumprida, nem tampouco, haveria homens e animais no Milênio (Is 11:6-9). O ETERNO preservará homens e animais (Sl 36:6)!

Continuando:

10 – Onde estarão os santos durante o milênio? Ap 20:4, 6 (NA TERRA, REINANDO COM O MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH cf Is 66:19, 21 [Leia Is 65:20 e responda: haverá morte nos Novos Céus?]).

11 – Que descerá dos Céus após o milênio? Ap 21:2 cf. Zc 14:4e5.

12 – Quando voltarão a viver os ímpios e por quanto tempo? Ap 20:11-15.

Como vimos, no fim do Milênio, a Terra estará novamente povoada. Os restantes das nações (Is 24:6) darão continuidade à vida humana no planeta, todavia, seus descendentes não conhecerão o mal. Não serão provados, pois ha’satan e suas hastes estarão aprisionados para não os enganarem. Findo os mil anos, este adversário será solto por um pouco de tempo, e buscará recrutar discípulos [última tentação] entre as nações que se formaram durante o milênio, para a última tentativa de aniquilar o Messias/hol’Mehushkyah. Sitiará a cidade querida (Yah’shua-oleym terrena), mas fogo descerá do Céu e os consumirá (Ap 20:1-10; II Pd 3:10).

Os homens que não aderirem à este levante, terão a oportunidade de adentrarem o reino eterno, pois a morte, o último inimigo, será eliminada (Ap 20. 14; 21:24-26; 22:2).

OBS: Muitos dizem que as nações que serão seduzidas por ha’satan (vs 7-10) são os ímpios ressurretos, no entanto, isto não corresponde ao contexto escriturístico, pois foge da ordem cronológica do próprio texto sagrado. Esta ressurreição [de ímpios] só acontece quando ha’satan já tiver sido destruído; vs 11-15!

Veja:

13 – Quando ha’satan for solto que fará ele? Ap 20:7e8.

14 – Qual será o resultado desta tentativa satânica? Ap 20:9; II Pd 3:10.

Vamos recapitular os acontecimentos destes tempos:

No princípio do milênio – o Messias volta (e com Ele, os 144.000 e a grande multidão), os justos são ressuscitados para irem de encontro com Ele, levados pelas nuvens de anjos até a cidade de Yah’shua-oleym onde estará o Seu trono! (I Ts 4:16e17); estes justos vivos serão transformados – veja que transformação não é trocar por outro corpo e sim que toda a marca do pecado será erradicada, para podermos olhar face a face, ao Messias (I Co 15:51e52); Morte dos ímpios vivos (II Ts 2:7e8) e ha’satan é “preso” por mil anos (Ap 20:2).

Durante o milênio – Os santos reinam com o Messias na Terra e julgam os seres que nascem durante o milênio (serão reis e sacerdotes – Ap 5:10; I Co 6:2e3; Ap 20:4) e a terra estará sendo restaurada (Is 65:17, 20-25).

Após o milênio: ha’satan é solto (Ap 20:7e8) e vai tentar as nações que se formaram durante o milênio. O CRIADOR intervém destruído, com fogo vindo dos céus (II Pd 3:10), estes que tentam ir contra a cidade querida (Ap 20:9 – Note que a Yah’shua-oleym celestial só desce após tudo estar devidamente purificado, Ap 21:1-3), a velha Yah’shua-oleym, onde esteve por mil anos o trono do Messias/hol’Mehushkyah.

Estes novos ímpios são lançados no lago de fogo – juntamente com ha’satan e seus anjos – e só então os ímpios de todas as épocas ressuscitam para serem julgados (vs 11-15); e, então a morte (e o inferno, isto é, a sepultura) também é destruída!

Depois destas coisas a Santa Cidade desce sobre o Monte das Oliveiras (Zc 14:4e5) e o próprio ETERNO vem habitar com os salvos!

Vencidos todos os inimigos, como será o planeta e o que ocorrerá de especial? A terra estará totalmente nova quando já não existirem os inimigos. A morte é o último inimigo, pois tem que existir para dar fim aos ímpios (inclusive durante o milênio continuará a possibilidade de se morrer – Is 65:20).

Uma vez extinta a morte, os participantes das nações que não se deixaram seduzir pelo inimigo e não atacaram a Yah’shua-oleym, automaticamente não morrem mais e passam para o reino eterno como homens; mas imortais. Serão exatamente como seria Adan, se não tivesse pecado e a Terra estará seguindo seu curso exatamente como o ETERNO planejou, desde o princípio.

A Terra volta ao estado pleno de perfeição, com seus habitantes (homens e animais); tudo como era para ser se o pecado não tivesse interferido (Ap 20:14; 21. 1-5, 24-26).

OBS: Aqui, continuará o princípio divino de “crescei e multipliqueis…” (Gn 1:28), pois foi assim que O CRIADOR criou o homem e assim será – Tg 1:17, pois o ETERNO não erra! Não errou na criação, não errará na consumação do pecado. Amém/Amnao!

Minha Decisão: COMPREENDO O PLANO DA SALVAÇÃO E QUERO PARTICIPAR DO SEU REINO, TERREAL!

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13

 

 

  1. A IMERSÃO – AT 22:16

Criou Yaohushua hol’Mehushkyah o homem e logo depois a mulher… E estes eram com o CRIADOR! Gn 21:28. Porém ao escolherem o pecado foram expulsos de Sua presença! Gn 3:23. E a raça humana chegou a tal ponto de perversão que o CRIADOR sentiu em Seu coração de refazer a sua obra, purificando-a nas águas do dilúvio. Gn 6:11; 7:4. Desde então, a água tem sido sinônimo de purificação…

Responda: 1 – Quais foram as instruções finais dadas pelo Messias aos Seus discípulos? Mc 16:15, 16. 2 – E quem deu origem à forma moderna de imersão? Mt 3:1-6.

Observe que hoje, o mundo segue uma formula “batismal” (segundo Mt 28:19) que não é a que foi usada pelos discípulos (At 2:38) apenas dez dias depois desta pretensa ordem… Você nunca se perguntou por que isto aconteceu (desobedecerem ao Mestre)? A resposta é simples: Mt 28:19 é apócrifo (veja o rodapé da BJ); e isto para poder provar-se a existência da trindade, como também usam I Jo 5:7-8 (entre colchetes na sua Bíblia)! Jo 1:18 é outra passagem manipulada onde a maioria das “Bíblias” trinitarianas escrevem ‘deus unigênito’ em vez de “Filho Unigênito”! MAIS: 3 – Por que disse hol’Mehushkyah que Lhe era necessário ser imerso por Yao’khanan? Mt 3:13-15. 4 – Como foi o Messias imerso por Yao’khanan? Mc 1:9-10. 5 – Quantas espécies de imersão são reconhecidas nas Escrituras? Ef 4:5.

Nota do Caminho: O que será que Sha’ul quis dizer com “uma só imersão”? Isto significa que não poderemos ser imersos novamente? Muitos pensam que sim, mas, no entanto, Sha’ul estava dizendo que só existe um único TIPO de imersão. Veja em At 19:5 Sha’ul REBATIZANDO… Na realidade se a nossa imersão não foi na forma correta (em nome de Yaohushua), deveremos solicitar a nossa “verdadeira” imersão; a única Verdadeira, em Seu Nome Verdadeiro! Medite em Pv 30:4 e diga “qual é o Seu Nome”! Certamente este Nome não deve ser “jesus”, um nome traduzido!!!

6 – De que maneira, disse Kafos ao povo no Dia de Pentecostes, deviam demonstrar seu arrependimento? At 2:38. 7 – No caso do tesoureiro etíope, como o emergiu, Felipe? At 8:26-39. 8 – Quão essencial que a pessoa seja imersa em água? Jo 3:5.

Caro irmão, após lermos estes textos, pode ter-nos surgidas certas dúvidas acalentadas por diversas denominações cristãs… Por exemplo: O “batismo” tem que ser por imersão ou por aspersão? Veja que a palavra batismo vem do grego baptizo ou bapto que significa imergir, mergulhar, afundar em água e jamais “aspergir” – no português temos palavras que delas derivam tais como batiscafo e batisfera, ambos equipamentos de mergulho para grandes profundidades.

Muitas destas denominações adotam a imersão por aspersão (derramar água sobre a cabeça) por simples comodismo, apesar dos textos bíblicos não apoiarem esta forma batismal. Chegam mesmo a usarem textos bíblicos para se oporem ao batismo por imersão tais como o de Sha’ul quando diz: Porque não esqueçamos, irmãos, o que aconteceu aos nossos antepassados yaoshorul’itas, no deserto, onde YAOHUH os guiou, enviando uma Nuvem que se movia à frente deles; e assim os conduziu com segurança através do Mar Vermelho. Isto podia considerar-se a sua imersão – uma imersão tanto na água como na nuvem – na qualidade de seguidores de Moisés/Mehu’shua (I Co 10:1-2). Como é dito nas Sagradas Escrituras que eles atravessaram o mar de pés enxutos (Ex 14:15-22,29) isto significa que não foram mergulhados… É claro que não; foi uma forma de imersão espiritual tanto no mar – símbolo da ressurreição – como na nuvem – símbolo do Messias/hol’Mehushkyah, presente em espírito. E, ademais, também não saíram com as cabeças molhadas, não é?

E tem mais, querem substituir palavras (sinônimos) em textos escritos em línguas diferentes – lembre-se que o Novo Testamento foi escrito parcialmente em grego (Mateus/Matt’yaohuh e Hebreus/Yaohudins foram escrito em hebraico e possivelmente Luka e Marcos em aramaico) enquanto que o Antigo Testamento foi escrito em hebraico e aramaico; línguas não tão prolixas quanto o grego…

9 – Quanto às crianças, podem ser imersas? Usar textos como o de Mc 16:16 para alegar que as crianças podem e devem ser imersas é um pouco prematuro, pois um outro texto no evangelho correspondente nos diz com mais clareza quais são as condições essenciais para se receber a imersão, veja: Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, imergindo-os… (*); ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado… (Mt 28:19-20). Percebeu?

Como ensinar as crianças que ainda não tem discernimento para aprender, entender ou escolher!?! E, alem do mais, supor que as famílias, no Novo Testamento, que foram imersas tinham crianças e que, portanto, teriam sido imersas, como eu disse é mera suposição (inferência) sem falar que supor é humano e não divino! Os que aceitam este tipo de imersão precoce [mesmo que por imersão], na realidade querem sim é aumentar o número de membros em suas denominações (visando o dízimo), não é? Será que é isto que o Messias quer?

Mas, nas Escrituras temos uma outra situação que estas denominações sequer tocam: a outra ordenança do Messias – O lava-pés fazendo parte da Santa Ceia. Jo 13:4-17. Perceba o quanto é essencial este pequeno ato de rebatismo – que a princípio não foi compreendido por Pedro/Kafos (vs. 6-10), mas o Messias lhes disse: …quem já se banhou – a imersão – não necessita de lavar senão os pés – que continuam a pisar este mundo de pecados. Este ato de humilhação (ato próprio dos servos) o Messias fez para que todos se esvaziassem do seu orgulho para só então participarem da Sua Ceia [única e anual]. Por isso Ele concluiu dizendo: …bem aventurados sois se as praticardes. (vs. 17). At 8:36-38; 2:38; Pv 28:13; Mt 28:20; 7:21.

Minha Decisão: CREIO NO MESTRE YAOHUSHUA E NO SANTO BATISMO POR IMERSÃO, DESEJO SER IMERSO(A) SEGUINDO O EXEMPLO DO MESSIAS; EM SEU NOME!

ÍNDICE

*Segundo Bíblia de Jerusalém (BJ), a formula trinitariana de imersão (Mt 28:19) é um acréscimo feito em 196 d.Y (por Tertuliano) e isto explica as imersões somente em Nome do Messias/hol’Mehushkyah, de Atos!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

14

 

 

  1. COMO NOS CONDUZIR PERANTE O CRIADOR (TEMPERANÇA) – JO 8:29

O ETERNO, através de Seu Filho, o Messias/hol’Mehushkyah, criou o mundo e todas as coisas que nela há e deu ao homem a mais saudável alimentação (Gn 1:29; 2:9, 16…). Porém o homem, induzido por ha’satan, pecou e foi expulso do Paraíso.

Mas como um carro que vem com o seu manual de como melhor usufruir as suas qualidades e comodidades, o dono inteligente estudará atentamente as instruções do manual e as seguirá. Acontece que por diversas vezes uma pessoa vai ao médico e recebe notícias desagradáveis sobre a sua saúde: está gravemente enferma… 80% das doenças, excluindo os acidentes e as infecções, são devidos a hábitos errôneos de alimentação. Milhões estão literalmente “cavando” a sua sepultura com os dentes…

O Criador escreveu um manual de instruções. Poderíamos dar-lhe o nome de manual do usuário… Este manual é as Escrituras. Neste maravilhoso livro, o CRIADOR nos diz como devemos cuidar do nosso corpo, o que lhe dar e o que é mais importante: o que não devemos usar!

Porém são muitas poucas pessoas que tem permitido ao CRIADOR mostrar-lhe, através das Escrituras, a melhor maneira de vida. E como consequência, muitos sofrem dores desnecessárias ou morte prematura.

RESPONDA:

1 – Que espécie de vida o CRIADOR dará a Seus filhos? Jo 10:10.

2 – Qual é o desejo de nosso Pai celestial com respeito a nosso bem-estar físico? III Jo 2.

3 – Qual deve ser a atitude do messiânico quanto ao uso do seu corpo? I Co 10:31. Por que deve ser cuidadoso, o messiânico, na maneira em que trata o corpo? I Co 3:16e17.

4 – Quais são algumas das maneiras em que podemos profanar nosso corpo? Dn 1:8.

5 – Mesmo após o pecado qual foi o regime alimentar que o CRIADOR deu ao homem? Gn 3:18. Após o dilúvio, numa condição de emergência, o CRIADOR permitiu ao homem que comesse certas carnes de animais… (Gn 9:1-3, At 15:20). Estes animais que foram permitidos, ao homem, para se alimentar foi chamado de animais limpos.

Vamos estudar agora o cap. 14 de Deuteronômio:

1 – Que animais, diz UL, serem limpos e apropriados para se comer? Dt 14:2-6.

2 – Que peixes são, pelo CRIADOR, considerados limpos? Dt 14:9e10.

3 – Que animais especificamente são citados como impróprios para a alimentação do homem? Dt 14:7e8.

4 – Qual será a sorte dos que continuam a desprezar as instruções do CRIADOR, comendo alimentos imundos? Is 66:15-17.

LEIA Lv 11:3-20. Interessante notar que os animais limpos têm um intestino muitas vezes maior do que os imundos… Sua digestão é 10 vezes mais demorada e isto resulta em que estes não acumulam gordura saturada e ou toxinas. Sua carne é “magra” ao contrário dos porcos que foram criados como “lixeiros” (alimentam-se da morte) assim como os abutres e os peixes de couro e demais crustáceos [frutos do mar]… Hoje a ciência sabe disto, mas naqueles dias como lhes explicar? Então a solução divina era “tornar proibido” ou dizer literalmente “imundo”!

Muitos, para não deixar de comer carne de porco ou mesmo seguir as doutrinas de seus líderes que dizem animais imundos é coisa para “judaico” [cravado na cruz, segundo eles], apelam inclusive para vs. FORA do seu contexto (Cl 2:16); para assim agirem… Porém, o conceito de animais limpos e imundos vem de antes do dilúvio! Releia e Responda: Quantos de cada tipo de animal entrou na arca? Já respondeu? Agora confira a resposta em Gn 7:1-2… Portanto, ao contrário do que muitos pensam, estes animais já eram conhecidos antes do dilúvio. Veja: Disse o Criador: Entra na arca, tu e toda a tua casa… De todo animal limpo levarás contigo sete pares: o macho e sua fêmea; mas dos animais imundos, um par: o macho e sua fêmea. (Gn 7:1-2).

Nota do Caminho: Pense e responda: Como você poderá se alimentar de alimentos carneos, na Nova Terra, se lá não existirá a morte?

Responda: 5 – Que diz Salomão a respeito dos que usam a bebida alcoólica, nas Escrituras caracterizada como bebida forte? Pv 20:1. 6 – Segundo ensina as Escrituras, quais será o resultado de se usar bebida forte? Pv 23:29-35. 7 – Quanto ao uso do fumo e outros produtos danosos (café, cha’mate, coca-cola, etc) qual mandamento do CRIADOR os condenam? Ex 20:13. Leia: I Co 6:19e20; I Jo 3:1-3.

OBS: Café e chás são estimulantes e por isto devem ser consumidos com moderação e, portanto, não devem ser comparados com as drogas ilícitas ou mesmo com o fumo e o álcool que são ‘lícitos’ mas extremamente danosos á nossa saúde!

LIBERTE-SE: …Posso todas as coisas naquele que me fortalece [mas nem TUDO me convém (I Co 6:12)]. Fl 4:13. E assim, irmãos, peço-vos, através do amor de UL, que dêem as vossas vidas a YAOHUH. Que elas sejam como que um sacrifício vivo, santo, para YAOHUH – o tipo de sacrifício que ele aceitará. (Rm 12:1-2). Isto é uma analogia aos sacrifícios que eram feitos com animais sem manchas ou defeitos…

8 – Quanto à aparência pessoal, como é o proceder que agrada ao CRIADOR? I Tm 2:9e10. 9 – Por que não assistimos espetáculos inconvenientes ou mundanos? I Pd 2:21. Devemos ser Suas testemunhas!

Que devo fazer: 1 – Procurar viver uma vida cristã perfeita (Mt 5:48). 2 – Seguir em tudo o exemplo do Messias/hol’Mehushkyah (I Jo 2:6). 3 – Seguir os Seus Mandamentos (Jo 14:15).

Minha Decisão: SEI QUE O MEU CORPO É O TEMPLO DE YAOHUSHUA. POR ISSO, ABSTER-ME-EI DE TODO ALIMENTO E BEBIDA PREJUDICIAL, ASSIM COMO DOS VÍCIOS QUE EU POSSA TER…

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15

 

 

  1. MORDOMOS DO MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH – SL 24:1

Yaohushua criou o mundo e nele colocou o homem para dele cuidar: O Criador os abençoou, e disse-lhes: Multipliquem-se, encham a terra, dominem-na e também toda a vida animal da terra, dos mares e dos ares; dou-vos toda a vida vegetal, toda a espécie de frutos para alimento. A todos os animais dou igualmente como alimento a vida vegetal. (Gn 1:28). Ao o homem, pecar e ser expulsos do paraíso e da presença do CRIADOR veio o plano da Salvação e junto com este surgiu a Igreja do Messias/hol’Mehushkyah, a Verdadeira… Porém, ela precisaria ser “sustentada” pelos homens e para isto o CRIADOR também tinha um plano: o dízimo. Quando o CRIADOR instituiu os levitas para serem os Seus sacerdotes, destinou-lhes o dízimo para o seu sustento, já que eles dedicariam o seu tempo integralmente ao Seu serviço… Nm 18:21e24.

Responda:

1 – Qual é o plano do CRIADOR para a provisão de fundos para a Sua obra, atualmente? II Co 9:7-10

2 – Que benção promete o CRIADOR aos que são fiéis nas ofertas? II Co 9:8-10.

3 – Como mostrou Abraão/Abrul’an que reconhecia o primeiro sistema [o dízimo]? Gn 14:18-20 (cf. Hb 7:1e2).

4 – Que porção de suas rendas prometeu Jacó/Yaohu’kaf ao CRIADOR pelas bênçãos recebidas? Gn 28:20-22.

5 – A quem pertencia o dízimo? LV 27:30e32.

NOTA: O sistema de dízimo levítico foi cravado junto à cruz, pois o sacerdócio levita (que apontava para o Messias) cumpriu-se naquele dia… Portanto usar Ml 3:10 demonstra no mínimo falta de conhecimento escriturístico ou pior, más intenções (Malaquias/Malaokhí está repreendendo os sacerdotes que ROUBAVAM o Criador, dando um mau uso aos dízimos. Em At 4:36-37 temos um levita que se arrepende – tinha até mesmo uma propriedade; coisa estranha à um levita).

Hoje, ofertar é uma demonstração de fé e reconhecimento de que os homens precisam de meios para levar a Verdade para outros! Querendo, você pode fazer um pacto [aliança] e dizimar, pois este também é um sistema inspirado. Mas, cuide para que suas ofertas [ou dízimo pactual] fiquem na própria comunidade… O melhor sistema de igreja é o congregacional onde todo o dízimo [VOLUNTÁRIO] e ofertas ficam na própria congregação, não indo para um caixa comum (sem fundo)…

Tudo pertence ao ETERNO: 6 – A quem pertence o Universo? Sl 24:1. 7 – Que enormes riquezas possuem o ETERNO? Ageu 2:8. 8 – Graças a quem obtemos nossos bens? Dt. 8:17e18.

A parte do ETERNO: 9 – Em que deve ser empregado estas ofertas [ou dízimos pactuados]? I Co 9:13e14. 10 – Quando devemos pensar no ETERNO e em nossa obrigação para com Ele? Mt 6:33. 11 – Como recompensará o doador liberal? Lc 6:38. 12 – Onde aconselha o ETERNO que depositemos os nossos tesouros? Mt 6:19-21. 13 – Que disse o Messias/hol’Mehushkyah sobre a fidelidade dos judaicos quanto ao dar dízimos? Mt 23:23.

Veja que embora Ele assinalasse os seus erros, o Messias aprovou os dízimos, pois, naqueles dias este sistema sustentava o sacerdócio levita e ainda hoje, pode sustentar o Seu ministério! Porem, o ETERNO “mede” melhor o coração do doador, através das ofertas – Mc 12:44.

Que devo fazer: 1 – Ser um fiel administrador dos bens do ETERNO. I Pd 4:10. 2 – Ser sócio do ETERNO. Pv 11:24e25. 3 – Dar com alegria. II Co 9:6-7.

ORGANIZANDO O TEMPO QUE O CRIADOR NOS DEU: Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. (Ex 20:9) – O tempo foi criado pelo CRIADOR como um fator delimitador da vigência do pecado e nos foi dado para que pudéssemos dele usufruir com as nossas atividades do dia a dia; e, para podermos ter controle sobre ele, o CRIADOR criou os astros para definir e marcar o tempo… Gn 1:14.

Apesar disto muitos dizem: Não tenho tempo; o tempo passa muito depressa! Porém, o CRIADOR definiu parâmetros em Sua palavra para que pudéssemos organizá-lo e dele usufruir… Leia Ec 3:1-8; Sl 104:19-23.

Calvino, um líder protestante disse: ‘Nenhum trabalho será tão sórdido ou degradante, que não venha a brilhar e ser considerado como muito precioso à vista do CRIADOR’…

Sobre isto Sha’ul nos falou: Quem não trabalha, não coma – II Ts 3:10.

E, mesmo no Velho Testamento encontramos palavras semelhantes (Pv 6:6-11); mas, outra passagem nos mostra justamente o que muitos, principalmente nos dias de hoje fazem: endeusando (idolatrando) o trabalho, esquecendo do Criador que nos deu o tempo para que adquiríssemos as bênçãos materiais a nós destinadas por sermos fiéis a Ele – Sl 127. Por tudo isto é que o CRIADOR criou o Sétimo Dia! O Santo Sábado (Ex 20:9).

Minha Decisão: PROMETO DAR COM ALEGRIA O QUE PERTENCE AO ETERNO, O MEU SÓCIO, E, SABER USUFRUIR DO TEMPO DADO A MIM POR ELE.

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16

 

 

  1. REALMENTE SEREMOS ARREBATADOS? – I TS 4:14-17

Ao criar nosso planeta, o plano original do ETERNO determinava que este fosse habitado por homens que O servissem [Sl 115:16]. Os animais vieram para complementar a alegria dos homens e viverem em plena harmonia. A rebelião de lúcifer veio a transtornar, ainda que transitoriamente, a paz aqui reinante. Como tudo tem um tempo, nestes seis mil anos de história o efeito do pecado tem trazido muito sofrimento a todos os habitantes da Terra; mas, em breve tudo estará em seus devidos lugares e funcionando exatamente conforme o projeto original do nosso sábio Criador. Nada irá alterar a vontade do ETERNO e o mal ficará para trás.

Responda:

  1. De acordo com a exposição do Messias/hol’Mehushkyah, na parábola do trigo & joio, para que tipo de semente foi preparado o campo e que aconteceu quando esta cresceu e frutificou? O campo foi trabalhado para receber o trigo e não o joio, todavia este apareceu mais tarde (Mt 13:24-26).
  2. Como reagiram os servos do Pai de família, diante do surgimento do joio e quem semeou esta má semente? Os servos do Pai de família, ao constatarem o joio no meio do trigo, quiseram arrancá-lo, todavia foram aconselhados, para assim, não prejudicar o trigo e aguardar o tempo da colheita (Mt 13:30).
  3. De acordo com a orientação do Messias/hol’Mehushkyah, como se processará a colheita final? Os ceifeiros devem primeiro, colher o joio, atá-lo em molhos para o queimar e depois sim, ajuntar o trigo no celeiro (Mt 13:30).
  4. Qual é a real interpretação da parábola? Que definições você conhece e por que muitos não conseguem entendê-la? O entendimento da Palavra do Criador é reservado aos que verdadeiramente são sinceros. Não está ao alcance de todos (Mt 13:11-15; Pv 2:6-7). A razão dos religiosos não darem a verdadeira explicação é porque eles não a aceitam como é, e assim ficam sem chance da revelação do Espírito (Yaohushua), que é santo! Esta parábola é muito profunda em seus objetivos e responde a muitas de nossas indagações, revelando os planos do ETERNO para o planeta e a humanidade:
  5. a) 24 e 37. A pessoa que semeou a boa semente é o Filho do Homem, ou seja, o Messias/hol’Mehushkyah. Ele é a Palavra, o Verbo. (Jo 1:1,3,10; Sl 33:6; Cl 1:16; Hb 1:2; 11:3).
  6. b) 25-28, 38, 39. O campo: É o mundo, o planeta Terra. E, os homens dormiram… Houve um tempo em que lúcifer tratou de promover sua rebelião e conseguiu seduzir uma parte dos anjos (Ap 12:4, 7-11). Aqui na Terra o homem não vigiou e pecou, desobedecendo a ordem divina (Gn 3:1-6). A boa semente, o trigo: representa os filhos do reino, os justos. O joio: Os filhos do maligno, os ímpios. O inimigo que semeou o joio: É o diabo que, fazendo o homem pecar, quem deu origem aos pecadores e ímpios (Rm 5:12). O ETERNO providenciou a salvação, todavia, nem todos a receberam. O Pai de família: O Criador. Os servos do Pai de família, que quiseram arrancar o joio: os anjos do Criador (não o homem)!
  7. c) 29,30,40-43. Ceifa – tempo para arrancar o joio: O Criador não permitiu que os anjos arrancassem os ímpios da face da Terra, pois poderiam prejudicar aos filhos do reino com tal destruição, e ademais, o campo não estava pronto para a colheita. Ficou claro que a Terra não é o lugar de habitação dos ímpios. A ceifa deve se dar no Fim dos Tempos (a volta de Yaohushua – cf Mt 24:30-31). Os ceifeiros: são os anjos que serão enviados pelo Messias/hol’Mehushkyah (Mt 24:31; 13:41,49,50) para arrancar o joio do campo; isto é, para destruir os ímpios, queimando-os no fogo do Armagedom. O campo é o reino do Messias/hol’Mehushkyah: Com a colheita do joio (destruição dos ímpios) a terra estará limpa dele. Os poucos sobreviventes dentre as nações e os judaicos remanescentes, servirão ao Messias/hol’Mehushkyah e darão continuidade à espécie humana e aos povos/nações (Gn 9:15). Isto prova definitivamente que aqui é o Reino do Messias/hol’Mehushkyah e que, portanto, aqui estará o Seu trono (cumprindo Jo 14:3 – …para que onde Eu estiver estejais vós também.)
  8. Na vinda do Messias/hol’Mehushkyah, os anjos virão na frente para uma dupla missão: Separar e destruir os ímpios (tirando-os do Seu Reino) e ajuntar o trigo (os filhos do reino) no celeiro. Em que ordem se dará estes eventos? Diferentemente do que se tem pregado, os santos não serão removidos da Terra, mas estarão divinamente protegidos e verão a destruição dos ímpios (Ap 1:7 cf. Mt 24:29). Na sequência, ou seja, após a destruição [Grande Tribulação], aí sim, se dará o arrebatamento (ajuntamento), quando os santos serão reunidos nas nuvens [de Anjos] para recepcionar o Messias/hol’Mehushkyah que vem estabelecer o Seu Reino terreal; cuja sede será a Jerusalém/Yah’shua-oleym terreal (a cidade querida de Ap 20:9). Veja, numa grande lavoura, o celeiro não fica longe da plantação, mas num lugar dentro da propriedade. Os santos, reunidos nos ares, não irão para o Céu (Sl 115:16); descerão com o Messias/hol’Mehushkyah na Palestina para a Sua entronização e permanecerão na Terra.
  9. A que conclusão chegamos com a explicação da parábola? A Terra é o Reino do Messias/ hol’Mehushkyah e está atualmente ocupada pelos filhos do reino (os santos) e os filhos do maligno (os ímpios). Os anjos, ao virem o estrago causado pelo pecado, quiseram vir e destruir os ímpios, mas o Criador mandou que esperassem o tempo da colheita, ou seja, a consumação dos séculos. A terra, portanto, é o lar dos santos e não é lugar de ímpios. Estes serão desarraigados (Pv 2:21-22; Sl 11:6). Os justos não serão removidos do planeta!

Os anjos, como águias, consumirão a todos os causadores de escândalo e de iniquidade que estão atualmente contaminando o Reino. Finalmente, os reinos serão entregues ao Messias/hol’Mehushkyah e Ele ocupará o Seu trono (tema de Is 65-66). A Terra e a obra da criação do Criador seguirão, conforme os Seus planos. Respondeu-lhes Ele: Toda planta que Meu Pai celestial não plantou será arrancada. Mt 15:13.

Minha decisão: PRETENDO PREPARAR-ME PARA TORNAR-ME UM TRIGO E ASSIM PODER ESTAR PRESENTE NO REINO MILENIAL A SER ESTABELECIDO PELO MEU MESSIAS/HOL’MEHUSHKYAH, AQUI NA TERRA.

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

17

 

 

  1. O NOME DO ETERNO – Jeová, Javé ou Yahweh? Ex 3:15.

[Atenção: aqui não pretendemos nos aprofundar no hebraico; tão somente informar]

Até agora nada pedistes em Meu Nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo seja completo.

Jo 16:24

Verso áureo: E não há salvação em nenhum outro, porque debaixo dos céus nenhum outro NOME nos foi dado, pelo qual importa que sejamos salvos. Atos 4:12.

 

INTRODUÇÃO: O que é um nome?

Um nome é um conjunto de sons, ou fonemas, os quais pronunciamos. Estes sons, ou fonemas, podem ser representados graficamente por diferentes caracteres, dependendo do idioma em que os representemos, desde que tais sons ou fonemas, não sofram alteração de um idioma para outro. O processo de transpor som a som de um idioma para outro chama-se transliteração. Como nomes próprios não possuem tradução, o correto a se fazer é transliterá-los, e não traduzi-los.

Assim, jamais devemos buscar uma tradução para o Nome do Ungido, e nem mesmo supostos nomes correspondentes em outros idiomas. A única atitude correta é transliterá-lo, de modo a que possamos saber sua pronúncia original.

  1. O Nome do Ungido é único para a salvação.

O Verso áureo nos ensina: E não há salvação em nenhum outro, porque debaixo dos céus nenhum outro nome nos foi dado, pelo qual importa que sejamos salvos. Nenhum outro nome significa exatamente o que as palavras dizem: Nenhum outro nome! Portanto vemos que o Nome do Ungido para a nossa salvação é único, e de extrema relevância que o conheçamos e creiamos, porque somente neste Nome há salvação, porquanto este único Nome identifica o Ungido com exatidão. É muito claro que, sendo a identificação única do verdadeiro Ungido, o seu Nome, nenhum outro nome o poderia identificar corretamente e como não há salvação em nenhum outro, torna-se impossível a salvação de quem não o identificar corretamente pelo seu único Nome…

Jo 1:12 nos diz: Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos do Altíssimo, sabendo: aos que crêem no seu Nome. Este verso da Preciosa Mensagem de Yao’khanan (corrompido como ‘João’) nos ensina que aqueles que O receberam lhes foi dado o poder de serem feitos filhos do ETERNO, e diz mais: o verso especifica quem são estes que são feitos filhos do Criador. São aqueles que crêem no Seu Nome. Crer no único e verdadeiro Nome do Ungido é crer nEle, pois o Seu Nome é a única e exata identificação de sua Pessoa.

Jo 3:18 nos fala: Quem crê não é julgado; quem, porém, não crê, já está julgado, porquanto não crê no Nome do Unigênito Filho do Altíssimo ETERNO. Aqui, do mesmo modo, vemos que não crer no único e verdadeiro Nome do Ungido é o mesmo que não crer nEle; em Sua Pessoa, porque o Seu Nome é a única forma de O identificarmos entre muitos falsos ungidos e impostores. Há um único salvador da humanidade, e este único salvador possui um Nome que O identifica. Outros nomes identificam outras pessoas ou outros espíritos, mas, não o verdadeiro Ungido.

Pv 30:4 nos faz algumas, perguntas para as quais devemos ter respostas. Certamente as Escrituras não nos fariam perguntas para apenas deixarmos de lado e não nos tornássemos aptos a respondê-las. As perguntas feitas neste verso são extremamente importantes para a questão que estamos tratando e demonstram com clareza a importância e prioridade que o assunto possui.

Vejamos: Quem subiu aos céus e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas na sua roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu Nome, e qual é o Nome de Seu Filho, se é que o sabes? Este verso escritural é talvez o maior desafio a que identifiquemos, não somente o Ungido por seu Nome, mas, também ao ETERNO Pai, igualmente por Seu Nome.

 

  1. Bem, agora são dois Nomes que precisamos conhecer…

Existe uma íntima relação, como não poderia deixar de ser, entre o Nome do ETERNO PAI e o Nome do Seu Filho, o Ungido. O Nome do ETERNO PAI (ABI) faz parte do Nome do Filho, o Ungido. Assim, é melhor começarmos pelo Nome do ETERNO para em seguida chegarmos ao Nome do Filho, o Ungido. Senão vejamos:

Jo 17:11 nos ensina: Pai Santo, guarda-os em Teu Nome que Me deste…. O Nome do ETERNO foi dado ao Ungido como parte integrante do Nome do Ungido. Este é um sinal de filiação e de vínculo familiar. O Filho recebe em Seu Nome o próprio Nome do ETERNO PAI [Ex 23:21].

  1. Então falemos primeiramente sobre o Nome do ETERNO PAI (Abi).

A primeira ocorrência escritural do Nome do ETERNO PAI está no capítulo 2 de Bereshyit (Gênesis). Este preciosíssimo, maravilhoso e soberano Nome é representado por quatro letras consoantes hebraicas chamadas:

Tente localizar na figura a seguir, o Nome do ETERNO em sua primeira ocorrência no capítulo 2 verso 4 de Bereshyit (Gênesis):

Gênesis/Bereshyit 2:4 – Esta é a história dos céus e da terra na criação, no dia em que YAOHUH ordenou que se fizesse…

Aqui, pela primeira vez, o ETERNO é mencionado nominalmente nas escrituras. Antes desse verso, somente o título ULHIM foi utilizado. A partir de 2:4 o ETERNO passa a ser mencionado pelo Seu Nome. Em todo o Antigo Testamento, o Tanakh, o Nome do ETERNO aparece quase 7000 vezes. Se você não conhece hebraico, certamente ficará difícil reconhecer numa frase onde se encontra o Nome do ETERNO. Afinal, você só sabe até agora que este maravilhoso Nome é composto de quatro letras consoantes, e é denominado Tetragrama. Contudo, você já pode tentar localizar este precioso Nome na frase acima, já sabendo que a leitura é da direita para a esquerda, e que a segunda letra é igual à quarta. Tente localizá-lo!!!

Bem, se você não conseguiu, não tem importância, porque talvez este seja seu primeiro contato com o idioma hebraico, que é o idioma original das Escrituras Sagradas. Por isso, atente para a figura abaixo para poder reconhecer este precioso Nome com mais facilidade.

A primeira letra (na direita) parece uma apóstrofe, mas é a letra YOD que corresponde à letra Y em nosso alfabeto ocidental. Ela tem o som de I. A segunda e a quarta letras são iguais, e se chamam HÊ (se pronuncia RÊ). Esta letra corresponde ao H ocidental; quando no meio de uma palavra é gutural, ou seja, é pronunciada com a garganta, tendo assim um som de duplo R, como na palavra carro, ou como na palavra house em inglês. No final da palavra esta letra não tem som e é considerada como a letra H ocidental sem nenhum som, como em homem… A terceira letra chama-se VAV. Esta letra, em hebraico, pode ter som de V, de O ou de U, dependendo da palavra em que se encontra. No Nome do ETERNO, e também no do Ungido, como falaremos adiante, esta letra tem o som de U. Assim até agora, temos YHUH, mas, ainda não chegamos ao Nome do ETERNO, só estamos chegando perto.

  1. Por quê?

Porque no idioma hebraico não há vogais, mas, somente consoantes. Na escrita hebraica somente consoantes são escritas, e as vogais das palavras são inseridas na hora da leitura de cada palavra. Como a escrita hebraica não registrava nenhuma vogal, mas, apenas as consoantes, algumas, pessoas temeram que o idioma, depois de muitos anos, pudesse perder suas pronúncias originais, devido à ausência das vogais na escrita. Por isso, reuniu-se um grupo de pessoas que foram denominadas, massoretas, os quais criaram uma série de sinais gráficos para representar as vogais inexistentes na escrita original. Estes sinais passaram então a ser chamados de sinais, massoréticos, embora não façam parte da escrita original hebraica. Nos manuscritos mais antigos, ninguém encontrará sinais, massoréticos, mas, apenas nos documentos e escrituras mais recentes.

Acima nós já vimos que a letra VAV pode ter som de V, de O ou de U. A ausência de um sinal, massorético nesta letra indicará que ela deve ter som de V mesmo. Há dois sinais, massoréticos para indicar os sons de O e de U. Isso veremos adiante ao apresentarmos o Nome do ETERNO com os sinais, massoréticos corretos para a sua pronúncia.

Na figura ao lado vemos as mesmas, quatro letras da figura anterior, porém com dois sinais, massoréticos para indicar a pronúncia correta.

O primeiro, massorético que percebemos, que tem a forma de um pequeno T, chama-se qametz qaton, e seu som é de AO. Na realidade ele corresponde ao som de duas vogais juntas em português. O outro sinal, massorético que observamos é um pontinho que fica na linha média do VAV. Esse massorético chama-se shureq e é ele que determina que o VAV deve ser pronunciado como U. Então agora temos: o Y que corresponde ao YOD, o AO que corresponde ao qametz qaton, já formando a primeira sílaba YAO. Temos o HÊ que possui som de duplo R no meio da palavra, e que é transliterado como H para o alfabeto ocidental. Este HÊ, seguido do VAV com shureq faz HU que deve ser pronunciado RU, como na palavra RUA. Juntando a primeira sílaba com a segunda, ficamos com YAOHU, e não esquecendo o H final que não tem som ficaria completo assim: YAOHUH. A pronúncia correta para este preciosíssimo Nome é YAOHUH (leia como se estivesse escrito assim: IAORRÚ). Atente para a tônica na sílaba final…

Assim, a transliteração literal do Nome do ETERNO PAI é YAOHUH, enquanto a transliteração fonética desse maravilhoso Nome é IAORRÚ. Sempre que houver necessidade de nos referirmos ao ETERNO PAI em nossos textos, seu Nome será representado desta forma: YAOHUH (IAORRÚ), com a transliteração literal seguida pela transliteração fonética entre parêntesis, quando necessário. Note que o H final da transliteração literal não é necessário na transliteração fonética em português, uma vez que ele não possui som a ser pronunciado.

A importância de identificação com relação ao Ungido não é em nada diferente da necessidade que temos de identificar o ETERNO, o Pai, o que por semelhante modo o fazemos, por meio do Seu Nome. Esta importância está muito bem definida escrituralmente e podemos observar que isso partiu do próprio ETERNO. O ETERNO mesmo nos passou escrituralmente tal importância, e que muito bem podemos perceber no texto escritural que se segue.

O termo ULHIM (Corrompido para Elohim – que também pode ser usado no singular UL) significa originalmente em hebraico O Ser Soberano ETERNO CRIADOR. Como ao longo destes estudos poderemos compreender que é incorreto o uso do termo DEUS, genericamente, fica aqui a explicação para a utilização do título original quando citando algum texto escritural. Vejamos:

  1. Êxodo 3:15 nos ensina: Sim, diz-lhes: YAOHUH, o ULHIM dos nossos antepassados Abrul’han, Yah’tzkaq e Yaohu’kaf mandou-me ter convosco. Porque este é o Shuam (Nome), a ser lembrado através de todas as gerações!

Não é difícil percebermos o quão sérias são as palavras do CRIADOR ao apresentar nominalmente a Mehu’shua (corrompido como ‘Moisés’) o Nome do Seu Pai.

Ele não só afirmou que o Nome é eterno, como também determinou que assim seria lembrado de geração a geração. Não somente para aquela geração, mas, para todas as futuras gerações, eternamente. Note que a quinta palavra desse texto hebraico – acima –  original (da direita para a esquerda) é, explicitamente, o Nome do ETERNO, o qual simplesmente desapareceu nas traduções das Escrituras.

Veja como está em nossas traduções corrompidas pela doutrina da trindade: E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é o meu nome eternamente, e este é o meu memorial de geração em geração. Jo 1:18 já nos mostra que esta tradução [mostrando que Quem fala com Moisés/Mehu’shua é o Pai] não deve estar correta…

Aqui devemos parar um pouco para meditar e compreender fatos de grande importância quanto ao assunto. Se lermos as escrituras desde o verso 13, anterior a este acima citado, veremos que Mehu’shua (corrompido como ‘Moisés’) foi quem perguntou ao Criador sobre o Nome que deveria ser usado para consolidificar suas palavras. Seria esta uma pergunta relevante, ou seria algo sem importância? Ora, o Criador não responde a perguntas tolas e que não sejam relevantes, uma vez que tudo o que Ele faz, o faz com exatidão e com um propósito muito bem definido e sábio.

Só o fato do Criador ter respondido à pergunta de Mehu’shua, respondendo inclusive de uma forma bem completa e objetiva, já nos mostra que o assunto é muito relevante, tendo nele incluída a determinação do próprio Criador acerca de como o Nome deveria ser lembrado de geração a geração. Aqui não houve algo como ‘O chamem como quiserem’ ou ‘como O chamarem estará bom’; ou ainda, ‘do modo como O chamarem Ele aceita e ouve’!

O que houve aqui foi uma clara e simples revelação do Nome do ETERNO, acompanhada de uma séria determinação acerca de como nos referirmos a ele, eternamente. Não uma sugestão, nem uma possibilidade entre muitas, mas, apenas uma clara determinação objetiva e sem margem a desvios de interpretação.

Até aqui vimos como é importante identificar o Ungido adequadamente pelo Seu Nome. Sabemos também que o Nome do ETERNO está contido no Nome do Ungido [Jo 17:11-12], e como tal, foi preciso igualmente identificar o ETERNO pelo Seu Nome. Aprendemos a escrita e a pronúncia do Nome do ETERNO; e, o mais importante, vimos que o CRIADOR determinou que ele [o Nome] fosse lembrado, eternamente, de geração a geração.

A figura a cima mostra o Nome YAOHUH (IAORRÚ) em caracteres hebraicos modernos, com os respectivos sinais massoréticos de modo a representar a correta pronúncia do Nome do ETERNO.

  1. Corrupções acerca do Nome do ETERNO

Alguns pontos são de extrema importância quanto ao cuidado que devemos ter para não cairmos em enganos ou sermos levados por falsas teorias acerca do Nome do ETERNO, uma vez que há muita corrupção envolvida nesse assunto. Existe muita falta de conhecimento sobre o assunto, de modo geral, do mesmo modo que existe muita ação voluntária e involuntária para ocultar a Verdade sobre o Nome. Há os que, não tendo conhecimento, fazem suposições e as divulgam como se verdadeiras fossem. Há também os que pensam alcançar a verdade por meio de lógicas humanas e deduções pouco fundamentadas. Aqui nós procuramos mostrar alguns destes pontos, de modo que o leitor possa conhecer, fundamentar-se e concluir de forma sólida acerca do assunto.

  1. Primeiro ponto – O comportamento judaico em relação ao Nome.

Muitas conversas já foram ouvidas acerca da pronúncia do Nome ter sido totalmente esquecida, a ponto de ninguém mais o conhecer nos dias atuais. Para estes que assim pensam e falam, é certo mesmo que o Nome do ETERNO seja completamente desconhecido. Como eles não conhecem, eles generalizam, afirmando que ninguém conhece. Esta afirmativa é, em primeiro lugar, uma séria acusação contra o próprio Criador, chamando-o de mentiroso, pois Ele próprio afirmou: Assim será lembrado de geração a geração. Como o Criador não mente nunca, é certo que o Nome não foi esquecido, como é certo que de geração a geração ele [o Nome] é lembrado…

Existem, sim, duas situações que influenciaram muito o comportamento judaico em relação ao Nome do ETERNO. A primeira delas é o aspecto legal no qual deveria ser apedrejado aquele que pronunciasse o Nome do ETERNO, YAOHUH (IAORRÚ), desrespeitosamente ou com blasfêmia (confirmado nas Dez Palavras – Ex 20:7). Este aspecto legal judaico certamente os levou a um temor muito grande; e a nem sequer pronunciarem mais o Nome, uma vez que as interpretações de suas palavras poderiam facilmente conduzi-los à morte por apedrejamento. A segunda situação que os yaohu’dins (judaicos) enfrentaram foi o desejo de ocultar o Nome do ETERNO para que os de outras nações (estrangeiros), não O conhecendo, não fossem capazes de blasfemar do Nome. O que é fato, contudo, é que nos dias atuais existem muitos yaohu’dins (judaicos) que não sendo muito fiéis à sua própria religião e tradição, realmente não conhecem o Nome do ETERNO, enquanto outros, mais tradicionais em sua religião, conhecem perfeitamente bem o Nome, embora não o divulguem.

Note que não estamos aqui, de forma alguma, atribuindo qualquer espécie de culpa ao povo judaico, uma vez que ser zeloso do Nome do ETERNO é uma qualidade louvável; e, além disso, quem realmente considerar o Nome do ETERNO com verdadeira adoração e honra, com determinação de conhecê-lo, irá conhecê-lo, independente de qualquer ocultação. Nossa intenção aqui é explicar os fatos, e não julgá-los.

Destas duas situações surgiram várias artimanhas que acabaram por provocar versões falsas do Nome do ETERNO, embora tenham se tornado muito popular. Vejamos:

  1. Segundo ponto – O uso errado dos massoréticos.

Duas principais artimanhas foram utilizadas para evitar que o Nome do ETERNO fosse pronunciado durante a leitura de textos das Sagradas Escrituras. Uma delas foi a transposição dos, massoréticos da palavra adonay [advindo da palavra Adonis (baal, para os siríacos) e traduzido como senhor] para as consoantes do Tetragrama. Fazendo isso, eles estariam lembrando ao leitor que em lugar de pronunciar o Nome ele deveria pronunciar adonay, e não o Nome. Outra artimanha semelhante foi usada com a expressão ha’shem, que no hebraico moderno significa o nome.

Transpuseram os massoréticos da expressão ha’shem para as consoantes do Tetragrama, de modo a que o leitor dissesse ha’shem, em vez de pronunciar o próprio Nome do ETERNO. Ao transpor os massoréticos da palavra adonay, qualquer um que não conhecesse o Nome do ETERNO pensaria que o Nome era yehovah (popularmente chamado hoje de Jeová). Essa é a leitura resultante das consoantes do Tetragrama com os massoréticos da palavra adonay. Os próprios jeovistas reconhecem isto…

Do mesmo modo, ao transpor os massoréticos da expressão ha’shem, qualquer um que não conhecesse o Nome do ETERNO pensaria que o Nome era yahweh (popularmente chamado de Javé). Essa é a leitura resultante das consoantes do Tetragrama com os, massoréticos da expressão ha’shem. É importante notar também que ao transpor o massorético chamado shevau-patakh, formado por um tracinho horizontal e dois pontos na vertical, presente na palavra adonay, somente os dois pontos foram transpostos, sem o tracinho. Isso se deve ao fato de que o shevau-patakh só é usado sob consoantes guturais. Como o YOD do Nome do ETERNO não é consoante gutural, somente o shevau simples poderia ser usado, de acordo com a ortografia do hebraico moderno. Fica evidenciado que a preocupação deles com a ortografia foi maior do que o cuidado deles para com o Nome do ETERNO. E, como isto vem desde tempos imemoráveis, muitos escritos estão nestas formas, e assim, cada um defende a sua tese quanto ao Nome, conforme este ou aquele “documento arqueológico”…

Com estes artifícios eles ocultaram a pronúncia correta dos olhos de leitores indesejados, ao mesmo tempo que se preservavam de pronunciar, eles mesmos, o Nome. É muito bom esclarecermos aqui que o ETERNO YAOHUH (IAORRÚ) jamais proibiu que seu Nome fosse pronunciado, desde que com todo o respeito e seriedade. O Criador nos revelou o Nome para que conhecêssemos e o invocássemos; mas, não para que o ocultássemos.

Como já estudamos, o Nome do ETERNO é fundamental para sua identificação, e igualmente fundamental para nossa invocação, porque precisamos deixar claro com quem estamos falando, a quem estamos cultuando, a quem estamos nos dirigindo, a quem estamos pedindo, etc.

  1. Seguindo as pistas

Se considerarmos que os yaohu’dins (judaicos), não conhecem o Nome e não nos podem informá-lo, e que, os que conhecem não nos informam, além do fato de que praticamente todas as ocorrências do Nome nas Sagradas Escrituras Hebraicas receberam sinais massoréticos “errados” a primeira conclusão, embora errada, seria de que não temos mais como saber a pronúncia correta do Nome. Contudo, conforme disse, isso seria uma conclusão precipitada. Há outras formas simples de chegarmos à pronúncia do Nome sem que precisemos ler o próprio Nome ou ouvir Sua pronúncia da boca de algum yaohuhdim (judaico). É suficiente seguirmos as pistas que nos levam até a Verdade. Que pistas são essas?

Pista 1 – O Nome do ETERNO é parte do nome de profetas

Sempre foi uma prática judaica colocar nas pessoas deste povo nomes compostos com o Nome do ETERNO. No seu culto e adoração ao verdadeiro ETERNO que escolheu esta nação entre todas as nações da terra para ser um povo exclusivo de sua propriedade, os yaohuhdim (judaicos) colocavam, em seus filhos nomes que representavam louvores ao ETERNO, esperança no ETERNO ou até mesmo súplicas ao ETERNO. Esses nomes tinham, cada um, seu próprio significado sendo todos eles compostos pelo próprio Nome do ETERNO e mais alguma palavra para representar um louvor, esperança, súplica, etc., podendo até mesmo representar, profeticamente (sob inspiração), uma missão ou obra à qual o ETERNO já tivesse destinado tal pessoa.

Na figura abaixo vemos a primeira parte do verso 1 capítulo 1 do livro do profeta que ficou conhecido por um nome corrompido, qual seja: Jeremias, embora a pronúncia original de seu nome nunca tenha sido esta. Neste mesmo verso vemos também o nome do pai do profeta, o qual também é sufixado pelo Nome do ETERNO. Em ambos os nomes, tanto do profeta como de seu pai, a presença do Nome do ETERNO é inequívoca, apontando com clareza a pronúncia IAORRÚ (segundo a transliteração fonética). O nome deste profeta, em hebraico, tem o significado de Exaltado é YAH. Note que nos nomes dos profetas o último HÊ (H) do Nome do ETERNO não aparece, pois ele não possui som no final da palavra e daí, os tradutores criaram a palavra YAH.

Na transliteração literal (transposição letra a letra, em vez de som a som) o Nome do ETERNO é representado pelas quatro consoantes e as vogais só são inseridas na leitura. Assim, em maiúsculas estão as quatro letras do Nome do ETERNO e em minúsculas as vogais que não constam da escrita, mas, que são pronunciadas ao ler o Nome Sagrado: YaoHUH. Note que o U no Nome do ETERNO é formado pela consoante VAV (V) que também assume som de O ou de U, dependendo da palavra. No caso do Nome do ETERNO, o VAV assume som de U.

Na figura abaixo vemos uma parte do verso 1 capítulo 1 do livro de outro profeta que ficou igualmente conhecido por um nome corrompido, qual seja: Isaías, embora a pronúncia original de seu nome nunca tenha sido esta. Neste mesmo verso vemos mencionadas também outras pessoas, cujos nomes são compostos de forma que a presença do Nome do ETERNO é inequívoca, apontando com clareza a pronúncia YAOHUH (IAORRÚ). O nome deste profeta, em hebraico, Yashua’yaohuh, tem o significado de Yah é a Salvação de Yaohuh.

OBS: Os judaicos não aceitam o nosso Criador e Redentor (Yaohu’shua) e por isso, criam esta confusão (duplicidade no nome deste profeta). Porém, pelo contexto, onde a “abreviação” YAH aparece, aponta sempre para o Filho, o Verbo – Jo 1:3; Hb 1:2.

De modo geral, os nomes escriturais terminados por ias são nomes compostos, onde o Nome do ETERNO aparece como sufixo [devido a ausência do H final, traduzido como YAH]. Há, porém, diversos nomes escriturais onde o Nome do ETERNO aparece no prefixo. Em sua maioria eles foram corrompidos, passando a ser escrito com a letra J que nem sequer existe no idioma hebraico. Um exemplo disso é o nome João, que em sua forma original é Yao’khanan (Iaorrurránan), e significa YAOHUH (IAORRÚ) é Gracioso. É curioso quando observamos os nomes corrompidos João e Ananias. Embora não haja nenhuma semelhança aparente entre eles, o fato é que eles são apenas compostos em ordem inversa. João nós já vimos que o original é Yao’khanan, e que significa YAOHUH (IAORRÚ) é Gracioso, e agora vemos Ananias cujo original é Khananyaohuh, cujo significado é Gracioso é UL (IAORRÚ). Temos assim a palavra khanan (ránan), que significa gracioso e o Nome do ETERNO, YAOHUH (IAORRÚ), compostas em ordens diferentes, possuindo, porém, o mesmo significado.

Veja aqui abaixo alguns nomes escriturais que possuem o Nome do ETERNO como parte deles, como era hábito entre os yaohu’dins (judaicos). Veja também a correta pronúncia original destes nomes, bem como o significado que eles traziam. Ao corromper os nomes escriturais, os tradutores roubaram não somente a verdade como também roubaram os significados e louvores ao ETERNO que estes nomes trazem em si (teofania).

Pista 2 – O Nome do ETERNO é parte do nome de judaicos até os dias de hoje…

Há os que afirmam que a pronúncia correta do Nome do ETERNO se perdeu no tempo e que, nos dias atuais, ninguém mais a conhece. É claro que isso não é verdade. As pistas dos nomes dos profetas [gramaticalmente] já seria, em si mesma, uma evidência sólida acerca do assunto. Contudo, as evidências mais atuais estão nos nomes de pessoas judaicas do tempo presente, o que é uma prova de que até hoje os judaicos ainda conhecem o Nome do ETERNO e ainda dão nomes aos seus filhos compostos com o Nome do ETERNO.

O próprio CRIADOR disse claramente: …assim será lembrado de geração a geração. Como é impossível que o CRIADOR minta, fica muito claro que até os dias de hoje, e até o último dos dias, o Nome do ETERNO será lembrado de geração a geração. O fato dos judaicos dos dias atuais ainda utilizarem o Nome do ETERNO para compor nomes para seus próprios filhos é prova disso.

O primeiro ministro de Yaoshorul (Israel), e peço atenção para o seu nome, é Benyamin Nethanyaohuh. Seu nome é amplamente divulgado e falado em todas as mídias, em jornais, revistas, televisão, rádio, internet, etc. Para os que têm olhos para ver e ouvidos para ouvir, lá está o Nome do ETERNO sendo pronunciado amplamente, na composição do nome deste yaohuhdi (judaico) que ocupa o cargo de primeiro ministro da nação judaica.

O significado de Nethanyaohuh (ou mais precisamente Nathanyaohuh) poderia ser: Dado/Dedicado a YAOHUH (IAORRÚ) ou Entregue a YAOHUH (IAORRÚ). O verbo nathan admite ainda a interpretação de Nomeado ou Chamado por YAOHUH (IAORRÚ).

Outros nomes judaicos do tempo presente ainda refletem a presença do Nome do ETERNO, como por exemplo Uziyaohuh, Khananyaohuh, Ulyaohuh e outros…

  1. Os crimes contra o Nome do ETERNO

Como sabemos, à luz das Escrituras, a identificação pelo Nome é fundamental para nossa invocação e nossa consequente salvação [Atos 2:21]. Se não identificarmos e invocarmos corretamente, não podemos esperar salvação, pois em nenhum outro há salvação, e o único que nos pode realmente salvar precisa ser identificado por nós com exatidão, uma vez que seres espirituais invisíveis só podem ser identificados pelos seus nomes e nada mais.

Assim, é fácil entendermos a grande preocupação e trabalho que os seres espirituais malignos empreenderam num grande esforço para ocultar, corromper e fazer todo o possível para que o Nome do ETERNO e do Seu Ungido não fossem mais cogitados ou sequer conhecidos. Para isso, o alvo deles se tornou as Sagradas Escrituras. Só o Tanakh (Antigo Testamento) possui originalmente perto de 7000 ocorrências do Nome do ETERNO. Este foi o primeiro grande alvo das hostes malignas: fazer sumir das Sagradas Escrituras todas as quase 7000 ocorrências do Nome do ETERNO. Conseguiram em parte este objetivo por meio dos tradutores corruptos. Muitos utilizaram a forma corrompida Yahweh ou Javé, outros utilizaram a forma corrompida Yehovah ou Jeová, e a maioria [os trinitarianos para quem TUDO é deus] simplesmente substituiu todas as ocorrências do Nome pela palavra SENHOR, com todas as letras maiúsculas…

  1. A entrada dos impostores

Ora, qual é o trabalho iníquo do impostor? É simplesmente colocar-se no lugar do verdadeiro, e fazer-se passar pelo verdadeiro, de modo a receber as honras do verdadeiro e ser cultuado como se verdadeiro fosse. Qualquer que se faz passar por outro, está, de fato, desejando usufruir de algo que o outro possua ou mereça, ainda que o impostor não possua e não mereça nada (Jo 8:44).

Com relação a seres espirituais invisíveis, o trabalho do impostor fica extremamente facilitado. Como a única identificação existente para seres espirituais são os seus nomes, é simples entendermos que ao substituir o Nome verdadeiro pelo nome de um ser maligno, fica o impostor estabelecido diante de todos os que forem enganados por tal substituição. Esteja certo o leitor que nenhum dos nomes substitutos do verdadeiro é apenas um nome inventado ao acaso, mas, representa sempre o nome ou referência a um ser maligno impostor que ali se colocou com o intuito de ocupar aquela posição, por usurpação; e, receber indevidamente aquilo que pertence ao verdadeiro detentor do Nome. Afinal, desde o princípio, o que as hostes malignas sempre desejaram foi serem como o ETERNO (Is 14:13), pela soberba de seus interiores.

No reino espiritual, identificamos os seres espirituais pelos seus nomes, e fica muito claro que ao invocarmos um nome diferente, estaremos invocando um outro ser espiritual [neste caso, todos os seus seguidores tomam o cuidado de dizer o nome correto e não um nome qualquer], pois cada nome se refere a um ser espiritual. Por isso, ficou muito simples para os seres malignos se colocarem como impostores, apenas usando os tradutores corruptos das Sagradas Escrituras para corromper, ocultar ou substituir os Nomes verdadeiros.

  1. Nomes e títulos onde os impostores entraram
  2. SENHOR – O mais comum de todos é o título SENHOR, escrito com todas as letras maiúsculas, no Antigo Testamento, ou Senhor, escrito apenas com a primeira maiúscula no Novo Testamento. Ora, a palavra Senhor, seja escrita da forma que for, é a tradução literal do hebraico baal [nome hebraico de um ídolo babilônico cultuado como sendo o criador de tudo], que é o nome do ídolo com o qual o povo judaico mais adulterava. Por meio dos tradutores corruptos, este ser maligno baal substituiu todas as ocorrências do Nome do ETERNO nas escrituras traduzidas, de modo a que as pessoas passassem a invocar senhor continuamente, em vez de invocar o Nome do ETERNO ou o Nome do Seu Filho.
  3. EL ou ELOHIM – Os cultos mitológicos pagãos primitivos possuíam um ídolo chamado EL, que também origina a forma corrompida ELOHIM. Afirmam os relatos mitológicos pagãos que EL era o pai de BAAL. Para os que já são de alguma forma familiarizados com as Escrituras, irão perceber que o nome Belzebu, um dos nomes malignos referidos nas escrituras, tem, na verdade, origem em Baal zebub cujo significado é senhor das moscas.

A forma correta do título escritural original que se refere ao ETERNO é ULHIM (UL-RIM), e não ELOHIM. A palavra original ULHIM (UL-RIM) possui o significado de O Ser Soberano ETERNO CRIADOR. A forma UL é a sua forma simples, pura. A forma ULHIM (UL-RIM) é uma forma que nos remete a um superlativo [não um plural, como querem os trinitarianos] e pelo contexto, sempre aponta para o Pai, YAOHUH. Já a forma simples, aponta sempre para o Filho, ou seja, o Verbo – o nosso Criador Yaohushua; assim como a abreviatura YAH! A forma original UL e ULHIM (UL-RIM) foi facilmente corrompida para EL e ELOHIM, de modo a introduzir o impostor EL nas invocações dos incautos, e receberem o impostor como se verdadeiro fosse.

  1. EL SHADDAY – Pelas razões já explicadas acima acerca de EL, essa forma muito popular em algumas, religiões é idolátrica, pela inserção de um nome de um ídolo, além de corrupção da forma original. A expressão correta hebraica é UL SHUAODDAY, que significa O Ser Criador e Suficiente Para Prover Salvação e aplica-se a Verbo. Muitos ouvem essas expressões – corrompidas – e as repetem, sem se preocuparem com seus reais significados e origem.
  2. YEHOVAH ou JEOVÁ – O real significado dessa palavra, em hebraico, é destruição, e é óbvio, corresponde a um ser espiritual maligno de destruição. Aqui este impostor passa a ocupar o lugar do verdadeiro ETERNO nas páginas das Escrituras traduzidas, valendo-se do fato já estudado do uso errado dos massoréticos, com o objetivo de ocultar a pronúncia do Nome. Já vimos isso na parte anterior deste estudo. Esta forma decorre apenas da concatenação do Tetragrama (quatro consoantes que compõem o Nome do ETERNO) com os sinais, massoréticos (vogais) da palavra adonay. Note que a própria palavra adonay é idolátrica, uma vez que se origina no ídolo Adonis, que é o ídolo da beleza e virilidade, masculina.
  3. YAHWEH – Esta forma nada mais é do que a concatenação do Tetragrama com as vogais (massoréticos) da expressão ha’shem. Aqui nota-se a presença do ídolo shemiramis. Alguns tentam explicar este falso nome recorrendo ao verso 14 de Êxodo 3, onde o Criador diz: Aquele que é o que é. Como o Nome do ETERNO, YAOHUH (IAORRÚ) foi removido do verso 15, muitos passam a interpretar erroneamente que esta expressão seria o Nome do ETERNO, quando, de fato, à luz da correta leitura e interpretação, o Criador está apenas apresentando o mais importante atributo do Pai, antes de apresentar o Seu Nome, no verso seguinte, o verso 15. Você não encontrará o Nome do ETERNO em Êxodo 3:15 a menos que procure numa Bíblia Hebraica e consiga perceber o engano ao qual os tradutores têm submetido você até o dia de hoje. Aquele que é o que é (e não Eu Sou o Que Sou, como está nas trinitarianas) é um atributo de YAOHUH UL’HIM (IAORRÚ) que é o Verdadeiro Nome do ETERNO… São coisas diferentes!

OBS: Muitos alegam que YAH é a forma abreviada do Nome do ETERNO [usam até o Sl 150:6 para justificarem isto, mas pelo contexto, ali temos a presença do Filho e não do Pai]… E, perguntamos, onde temos a autorização para abreviarmos um Nome tão Sagrado [Ex 20:7]?

  1. DEUS ou D’US – Este título é o mais usado de todos, sem dúvida, contudo, poucos se preocupam com seu significado ou origem, sendo assim enganados e iludidos pelo ser espiritual maligno que se coloca como impostor para usufruir indevidamente daquilo que pertence somente ao verdadeiro ETERNO YAOHUH (IAORRÚ). Esta palavra na língua portuguesa é proveniente direta do ídolo Zeus da mitologia pagã grega que assumiu tal nome do paganismo indiano [Deivus]. Os linguístas afirmam que é das evidências mais rudimentares a origem desta palavra em Zeus. Sendo Zeus, Théos e Deus, foneticamente, uma única palavra e um único nome de um ser maligno. As três começam com consoantes de mesma forma fonética, são seguidas de ditongos idênticos e terminam pela mesma letra. Em termos espirituais, invocar DEUS é o mesmo que invocar Zeus, porque a forma com que é escrito pouco importa, quando o que importa é o que pronunciamos com os nossos lábios. Lembre-se sempre de que nomes é um conjunto de sons ou fonemas, e não um conjunto de letras escritas! A forma original UL ou UL’HIM [CRIADOR] foi traduzida por esta palavra DEUS, em todas as suas ocorrências, introduzindo assim, dissimuladamente, o ídolo Zeus, como impostor do Verdadeiro ETERNO, YAOHUH (IAORRÚ); e de Seu Filho, YAOHU’SHUA.
  2. GOD – Em inglês, um outro ser espiritual entrou como impostor. A palavra GOD, em inglês, nada mais é do que a presença do impostor, o ídolo caveira. Sua origem é de GOT, do nome relatado nas escrituras como Gólgota. Gólgota, em hebraico, é Gol-got-ha, ou, como as próprias escrituras relatam, o lugar da caveira. Desta palavra got é que se originou a palavra GOD em inglês, também muito popular para os que a pronunciam, sem nem ao menos terem a menor noção do que estão invocando sobre si mesmos, sobre suas famílias e sobre seus amigos, tal ídolo.
  3. A santificação do Nome do ETERNO

Quando o Ungido (que ainda estudaremos com mais profundidade, mais adiante, sobre o Seu Nome) nos ensinou a orar, o primeiro pedido que nos ensinou a fazer foi pedirmos pela santificação do Nome do Pai [o segundo foi pela VINDA até nós do Seu Reino e não para nós fossemos LEVADOS para o Seu Reino]. Agora nos parece bem mais clara a razão desta primeira prioridade colocada pelo próprio Ungido em Sua oração. Fica muito claro que, se não houver uma plena santificação do Nome do ETERNO, nada mais importará em nossa oração, porque já de início estaremos nos dirigindo a um outro ser espiritual, em vez de invocarmos o Verdadeiro UL’HIM, YAOHUH (IAORRÚ). Santificar o Nome YAOHUH (IAORRÚ) é pronunciá-lo corretamente, usá-Lo com total reverência, divulgá-Lo a todos para que O conheçam, e defendê-Lo contra as ações corruptoras de homens que não têm qualquer compromisso com a verdade.

E será que todo aquele que invocar o Nome YAOHUH (IAORRÚ) será salvo; porque, no monte Tzion e em Yah’shua-oleym, estarão os que forem salvos, como UL (Criador) prometeu; e, entre os sobreviventes, aqueles que YAOHUH (IAORRÚ) chamar. Jl 2:32.

A passagem acima mostra a importância da invocação do Nome YAOHUH (IAORRÚ). Este é o texto do verso 32 do capítulo 2 do profeta Yao’ul, cujo nome corrompido é Joel. Nota-se aqui, mais uma vez, e de forma explícita, a salvação ligada de forma inseparável à invocação do Nome YAOHUH (IAORRÚ), e não a nenhum nome corrompido ou substituto; uma vez que a correta identificação de seres espirituais invisíveis é feita somente, de acordo com as Escrituras, pelo Nome.

Infelizmente muitos se encontram em engano, por causa das obras malignas de ocultar o Nome do ETERNO. Se formos ler este mesmo verso nas versões traduzidas o que leremos será: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo”… Com isso, além deles ocultarem o Nome que realmente deve ser invocado para a salvação, eles também apresentam o substituto impostor baal, que é a tradução (corrompida) para UL’HIM. Ao substituírem o santíssimo Nome YAOHUH (IAORRÚ) pela palavra SENHOR, com todas as letras maiúsculas, ou mesmo por qualquer outro nome (deus), os tradutores prestaram um grande serviço às hostes malignas, ocultando o Nome do Verdadeiro ETERNO e introduzindo um impostor em seu lugar. O original é sempre a base confiável para conhecermos a Verdade, e nunca as traduções. O original mostra claramente a invocação de ULHIM (YAOHUH) e nenhum outro.

Conforme o Ungido priorizou, assim nós devemos também priorizar em nossas vidas. Ele nos ensinou que devemos pedir em primeiro lugar: Santificado seja o Teu Nome, antes de qualquer outro pedido ou palavra de nossa boca. Lembre-se sempre: YAOHUH (IAORRÚ), este é o Nome eternamente, pelo qual será lembrado de geração a geração. – Ex 3:15.

Agora que já conhecemos o Nome do ETERNO, YAOHUH (IAORRÚ), reforçaremos o estudo sobre o Nome do Ungido, o Filho de YAOHUH UL’HIM (IAORRÚ UL-RIM).

OBS: As formas mais frequentes nas Sagradas Escrituras são o Nome do ETERNO seguido pelo título escritural ULHIM, que significam O Ser Soberano ou Supremo; ETERNO CRIADOR.

  1. O Nome do ungido [Cristo] YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) foi profetizado

Recebeste (laqakhetá) prata (kessef) e ouro (ve-zaokhav) e fizeste (ve-‘assíyta) coroas (‘atarot), e puzeste (ve-sametá) na cabeça (be-rosh) de Yaohushua, filho (ben) de Yaohutzaodoq, o sacerdote (ha-kohan) maior (ha-gadol) [sumo sacerdote].

Aqui acima está uma das profecias messiânicas, desta vez apresentando com clareza o Nome do Ungido vindouro. Ele é coroado, não com uma, mas, com várias coroas, sendo Ele também profeticamente apontado como Filho do UL’HIM da JUSTIÇA. A forma plural para coroas, em hebraico, traz também um significado de totalidade, sendo Ele Rei sobre todas as coisas, e em todos os aspectos. A associação prata-e-ouro, quando unidas por meio do sinal maqqef (traço de união hebraico) é também apresentada em alguns dicionários como metal precioso, uma vez que o maqqef une palavras formando uma unidade de expressão. Este é o texto de Zokhar’yaohuh ou Zokchar’yah –  Zc 6:11. Este profeta teve seu nome corrompido pelos tradutores para Zacarias.

  1. O Nome do Ungido foi anunciado

Quando lemos na preciosa mensagem registrada por Matt’yaohuh (cujo nome corrompido é Mateus), no capítulo 1, verso 21, percebemos o seguinte: Ela dará à luz um filho, e lhe porás o Nome . . . porque ele salvará o seu povo dos pecados deles. Ora, o Anjo que apareceu em sonhos a Yaohu’saf (corrompido para José) para anunciar o Nome que o Ungido receberia, não se limitou a informar o Nome em si, mas, também explicou a razão de ser daquele Nome que estava sendo informado. Ele explicou da seguinte forma: Porque ele salvará o seu povo dos pecados deles. Fica muito claro que o Nome do Ungido tem, obrigatoriamente, relação com salvação ou tem este significado.

Por outro lado, já estudamos que o Nome do Ungido contém o Nome do Pai. Assim, o seu Nome é composto por YAOHUH (Nome do Pai), e mais o sufixo SHUA que representa salvação, em hebraico. Este maravilhoso Nome é, assim, YAOHU’SHUA (IA-O-RRU-SHUA), conforme escrito e profetizado nas Sagradas Escrituras hebraicas.

Há diversas pessoas que tipificaram o Ungido YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) no Tanakh (Antigo Testamento). O tipo era exato quanto ao Nome do Ungido, porque esses tipos receberam o mesmo nome do Ungido, como tipos que eram. Um desses tipos foi o sucessor de Mehu’shua (corrompido como ‘Moisés’), o qual recebeu o nome Yaohushua (corrompido como ‘Josué’); mais comumente, Yaosh. O sumo sacerdote mencionado no livro de Zochar’yah (corrompido como ‘Zacarias’), também tinha o nome Yaohushua (corrompido como ‘Josué’). Isso faz com que o nome que aparece em letras hebraicas na figura acima ocorra mais de duzentas vezes no Tanakh.YAOHUSHUA = YAOHUH (Nome do ETERNO PAI) + SHUA (Salvação). O último HÊ (H) não sonoro, do Nome do Pai, não é presente na composição do Nome do Ungido, como pode ocorrer nos nomes dos profetas.

Veremos mais adiante as confirmações escriturísticas sobre este maravilhoso Nome, mas, agora já podemos completar corretamente o texto de Matt’yaohuh 1:21, ficando assim: Ela dará à luz um filho, e lhe porás o Nome YAOHUSHUA, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.

YAOHUSHUA significa YAOHUH SALVARÁ ou A Salvação vem de YAOHUH.

Em nossas traduções [corrompidas] lemos assim:… ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.

  1. O Nome do Ungido é fundamental para a salvação

O texto de Yao’khanan 1:12, discípulo este que teve seu nome corrompido para João, diz assim: Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos do Altíssimo, sabendo: aos que crêem no Seu Nome. Em palavras bem claras, crer no Nome YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) é o que nos dá o poder de sermos feitos filhos do Altíssimo. O mesmo discípulo Yao’khanan, no capítulo 3 verso 18 nos informa: Quem crê não é julgado; quem, porém, não crê, já está julgado, porquanto não crê no Nome do Unigênito filho de YAOHUH (IAORRÚ). Com a mesma clareza as Escrituras nos informam que não crer no Nome YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) é condição para condenação!

Lemos também em Atos 4:12 o seguinte: E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo dos céus não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos. Ora, se a identificação do verdadeiro Ungido é feita somente pelo Seu Nome, fica muito claro que nenhum outro nome irá identificar o verdadeiro Ungido, não havendo, pois, salvação em nenhum outro nome.

Neste ponto, torna-se de particular importância o entendimento de que nomes diferentes se referem a pessoas diferentes, em especial quando estamos lidando com seres espirituais invisíveis, cuja única forma de identificação são os seus nomes.

É muito importante lembrar que os impostores procuram sempre colocar seus nomes em substituição aos verdadeiros, de modo a se fazerem passar pelos verdadeiros e enganar os incautos.

  1. Outra entrada dos impostores

O que é o trabalho iníquo de um impostor? É simplesmente colocar-se no lugar do verdadeiro e fazer-se passar pelo verdadeiro, de modo a receber as honras do verdadeiro e ser cultuado como se verdadeiro fosse. Qualquer que se faz passar por outro, está de fato, desejando usufruir de algo que o outro possua ou mereça; ainda que o impostor não possua e não mereça nada.

Em relação ao Ungido YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) não foi diferente. Seres malignos cujo propósito é somente enganar e conduzir pessoas à condenação, operaram sobre os tradutores corruptos, de modo a retirarem das Escrituras traduzidas o verdadeiro Nome do Ungido, substituindo-o por diversos outros, dependendo somente de para qual região as Escrituras eram traduzidas – Vide Mt 1:21, acima…

  1. Nomes e títulos onde os impostores entraram em relação ao Ungido
  2. JESUS– Esta é a corrupção mais popular, mas, não é por ser popular que passará a ser verdadeira. O falso nome jesus é derivado [soa como] de dois ídolos pagãos: IO e ZEUS. IO é um ídolo de identidade feminina, originário da mitologia romana. ZEUS é o ídolo maior da mitologia grega. O falso nome jesus que se estabeleceu nas escrituras traduzidas, primeiramente pelo catolicismo romano e também pelas inúmeras religiões protestantes, traz a presença de dois seres espirituais malignos, os quais se aproveitaram de tradutores corruptos para se colocarem como impostores no lugar do verdadeiro Ungido YAOHUSHUA (IAORRUSHUA). Inadvertidamente milhões de pessoas invocam jesus pensando estarem invocando o Ungido [Ap 13:8], e esta é justamente o que os impostores mais desejam, que é serem tidos pelo verdadeiro, e receberem tudo que pertence ao verdadeiro. Os ídolos dos povos são demônios, e seus nomes são utilizados em substituição aos Nomes verdadeiros com o objetivo de se tornarem impostores, enganando os incautos e recebendo o que é devido a outrem. Isto é, verdadeiramente pecar contra UL’HIM, que é Santo [‘RUKHA HOL-KOD’SHUA (YAOHUH, o Santo)’ – pronunciado ru-rra rol rod-shu-a, com tônicas na primeira sílaba ru da primeira palavra e na silaba shu da última palavra]. Mt 12:32 – Leia Jo 4:24.

O falso nome JESUS não poderia nunca ser o verdadeiro Nome do Ungido, por diversas razões:

  • Não existe letra J em hebraico [nem tampouco no grego ou no latim], portanto nenhum nome que contenha a letra J poderia jamais ser um nome de origem hebraica.
  • O Nome do Pai está contido no Nome do Ungido, o Filho [Jo 12:11-12; Ex 23:21]; e, obviamente, não está contido no falso nome jesus.
  • O falso nome jesus não tem o significado que foi dado ao Nome do Ungido pelo enviado, qual seja: …porque ele salvará o seu povo dos pecados deles. Este significado é exato e perfeito para o verdadeiro Nome YAOHUSHUA (IAORRUSHUA), mas, não possui relação alguma com o falso nome jesus.
  • A origem do falso nome jesus é greco-latina, que corresponde a ídolos mitológicos.
  • O falso nome jesus só apareceu após o século XIV, uma vez que a letra J só apareceu no século XIV, sendo impossível que no século primeiro se pudesse escrever um nome com uma letra inexistente. A letra J, com o som que lhe é característico, não faz parte nem do hebraico, nem do latim e nem do grego.
  • O falso nome jesus não aparece profetizado em nenhum lugar do Antigo Testamento, como aparece o verdadeiro Nome YAOHUSHUA (IAORRUSHUA), e nem poderia, uma vez que no idioma original do Antigo Testamento, a Tanakh, não há palavras escritas com a letra J.
  • Há no Antigo Testamento alguns homens que foram figuras ou tipos do Ungido, e que, assim, tinham o nome Yaohushua. Eram tipos simbólicos do Ungido que viria. É curioso notar a obra de corrupção dos tradutores quando no lugar destes tipos que tinham o nome Yaohushua, eles colocaram JOSUÉ, o que é uma sombra [Yaosh é uma abreviatura do Nome Yaohushua, e deve ser usado para o nome corrompido Josué]. Quanto ao Ungido, que recebeu o Nome YAOHUSHUA (IAORRUSHUA), eles substituíram pelo falso jesus; mudou a regra? Por que em um caso traduziram como josué e em outro, jesus? Nem na corrupção eles usaram de coerência, e é realmente esperar demais que corruptos sejam coerentes!
  1. Yehoshua – Este nome provém da errônea concepção de que o Nome do ETERNO fosse Yehovah. Conjeturas das mentes humanas mal informadas deduziram que se o Nome do ETERNO fosse Yehovah, o Nome do Ungido deveria ser Yehoshua. Contudo, como já conhecemos bem as razões pelas quais Yehovah é um nome falso para o ETERNO, obviamente Yehoshua é igualmente falso para o Ungido. É curioso notar que sempre que alguém começa a perceber a origem grega pagã do falso nome jesus, a primeira oferta maligna com um aspecto mais hebraico para manter tal pessoa no engano é este Yehoshua ou mesmo Yeshua [veja abaixo; mas, por quais regras de escrita que seja, está errado – quem autorizou abreviar o Nome do ETERNO? Para os seres malignos, o que importa é oferecerem qualquer nome, seja grego ou seja mais hebraizado, contanto que não seja o verdadeiro, porque só há salvação em um único Nome, e este Nome é YAOHUSHUA (IAORRUSHUA), e nenhum outro. Existem milhares de nomes de origem hebraica, mas, não é por ser de origem hebraica que será o verdadeiro Nome do Ungido. O Nome do Ungido é de origem hebraica, sim, mas, é um único e verdadeiro, a saber: YAOHUSHUA (IAORRUSHUA).
  2. Yashua – Este falso nome, que também traz alguns ares de hebraico, é o resultado de um costume judaico muito comum. Sempre que os judaicos consideram um nome blasfemo ou maldito, eles têm por costume suprimir uma letra do tal nome, de modo a que o tal nome não seja nem pronunciado, como muitos, hoje o fazem ao escrever a palavra D-us. Como o Ungido YAOHUSHUA (IAORRUSHUA) veio para os seus, mas, os seus não o receberam, para os judaicos aquele Nome se tornou maldito, e com isso suprimiram a letra VAV central do Nome do Ungido, resultando neste falso nome Yashua. Este falso nome se escreve com quatro letras hebraicas, enquanto o verdadeiro Nome se escreve com cinco letras.
  3. Yeshua – Para este falso nome, valem as mesmas, observações quanto ao falso nome Yashua, apresentando a diferença do YA para o YE, pelas razões que já explicamos quanto a formação do falso nome Yehovah. A palavra Yehovah em hebraico significa destruição. Este falso nome se escreve com três ou quatro letras hebraicas, enquanto o verdadeiro Nome se escreve com cinco letras hebraicas. Não se deixe enganar. Ame sempre a verdade e não aceito falsificações. Existem alguns Salmos/Tehillím [Exemplo: Sl 150:6] em que a forma abreviada (Yah) aparece, mas, no entanto, como os judaicos não reconhecem a Yaohushua como o Criador [Jo 1:3 – nem mesmo os evangélicos (pergunte à um crente: Quem criou o mundo ou mesmo o homem? E veja a sua resposta!] – não vêem que o contexto deste Salmos é sobre Yaohushua hol’Mehushkyah!
  4. Tupã – Este é talvez um dos maiores absurdos. Os missionários evangélicos-protestantes, talvez até auxiliados por sacerdotes católicos, entenderam em suas mentes corruptas que o Nome do Ungido que é santíssimo poderia ser adaptado à cultura indígena, em vez de apresentar aos índios a verdade exata e pura como ela é. Assim, foram feitas traduções das Escrituras para o idioma indígena [guarani], onde o Ungido é apresentado como Tupã.

Tupã nada mais é do que outro demônio impostor ocupando o lugar do verdadeiro Ungido, para enganar e receber das pessoas a adoração e culto que só é devido ao verdadeiro Ungido YAOHUSHUA (IAORRUSHUA).

  1. Olorum – Pelas mesmas, razões que levaram os missionários corruptos a apresentar aos índios brasileiros o nome falso Tupã, foi apresentado em tribos africanas o nome Olorum como o Ungido. É curioso que os evangélicos apresentam um Ungido na África com o nome Olorum, e o mesmo Olorum é expulso nas igrejas do Brasil como sendo um demônio. Isso é o auge da incoerência, como não podia deixar de ser. Também, para apresentar a idolatria a Maria usaram o nome da deusa Iemanjá!
  2. Isa – Este é o nome falso pelo qual os missionários evangélicos se referem ao Ungido nos países árabes. Eles estão sempre muito mais comprometidos com a cultura local do que com a verdade. Isa é um ídolo árabe do culto à lua, lua esta que aparece em diversas bandeiras de nações árabes.
  3. Jesucristo – Esta é a falsa forma espanhola, onde percebemos a junção do falso nome jesus com o título grego cristo ou do latim, cristus cujo significado é ungido. YAOHUSHUA é o verdadeiro Ungido.

Estas coisas não estão aqui escritas para que você simplesmente aceite, mas, principalmente para despertar em você, leitor, um forte interesse em buscar a Verdade, e não se permitir ser enganado e conduzido a cultuar falsos criadores e falsos Ungido, pensando estar cultuando o verdadeiro.

Busque, ame a verdade, procure conhecer a verdade, pesquise sobre tudo o que afirmamos aqui. Certamente você será abençoado, pois é para o seu benefício e vida eterna que estas coisas estão aqui escritas e registradas.

Amnao!

Nota do Editor: Para confirmar a “gramática” usada aqui, veja o Livro: “Gramática Hebraica –  Como Ler o Antigo Testamento na Língua Original”; Gordon Chown – CPAD, 2002.

ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tit

 

 

OS TÍTULOS PLURAIS DE YAOHUH; O QUE SIGNIFICAM?

Nas Escrituras Hebraicas temos alguns dos títulos que aparecem na forma de um superlativo, a despeito dos experts em hebraico [atual; extremamente paganizado desde Bavel] afirmarem que se trata de um plural como em ULHIM cujo singular seria UL…

Os seguidores da trindade vêem nisto a presença de três deuses; mas antes de analisar tais conceitos “plurais”, devemos ter em mente que no Hebraico, quando se usa um plural e não se especifica um numeral para acompanhar tais palavras, devemos entender que a referencia é apenas a dois ou duas (dois já é plural, não é?); e mais que isto, devemos especificar um numeral [trindade é três, não é?]. No entanto, após um estudo cuidadoso dos textos bíblicos e do uso de palavras plurais, demonstraremos tais conceitos.

SIGNIFICADO DO PLURAL:

Obviamente o idioma hebreu, como qualquer idioma, tem um plural numérico, ou seja, uma forma substantiva ou adjetiva que dá a entender a quantidade de um objeto em uma palavra. Como quando se diz enoshim, homens ou vários homens; isto é um plural. Também existe em hebreu, um plural universal, como as palavras máyim y shamáyim, que sempre aparecem no plural ainda que se trate de uma só água ou um só céu. Isto não é necessariamente um plural enfático, nem é um plural numeral, mas sim um numeral inclusivo que denota imensidade…

Logo, não temos um plural, mas sim um superlativo. O superlativo é uma forma de falar, em qualquer idioma, que se utiliza para dar ênfases ou maximizar um conceito. Como quando dizemos em português que isto é belo e aquilo é belíssimo. Belíssimo é mais que belo. Isto é um superlativo, e se usa uma só palavra para expressá-lo, só alterando a sua desinência (no português ou em palavras latinas). Assim, o idioma hebreu tem não uma só, senão várias formas de fazer o superlativo (para dar ênfase) de uma palavra. Estas formas de ênfases são as seguintes:

1 – Por meio de se repetir a palavra.

Por exemplo: ejád ejád (um um). Em espanhol se faz isto também: Dizemos que algo e “grande grande” para dar ênfases, e significa “grandíssimo”. Como, por exemplo, quando se quer realçar a “judeidade” de alguém se diz que ela é “judaico, judaico!”.

2 – Usando-se o plural da palavra em lugar do singular.

Por exemplo, em Gênesis/Bereshyit se usa a palavra damím (sangues), quando se fala do sangue de Ab’ul (Abel). Da mesma maneira se usa Elohim (uma palavra desvirtuada para se referir ao ETERNO), porém aqui tem a conotação não de numeral (dois ou mais), mas sim um plural majestático ou de excelência! Da mesma maneira encontramos adon (uma corrupção usada para senhor) e para se dar ênfases, usa-se adonai (seria o mesmo que senhoríssimo, se assim pudéssemos falar). Porém, como este não é um termo correto em nossas línguas latinas, poderíamos traduzir este plural como majestade que é mais que senhor

O mesmo se tem feito com as palavras corrompidas elohím, plural de elóah, e com eláh, plural de el. Isto não significa que Elohim seja um ser composto (trino como muitos querem) senão que é “poderosíssimo”.

Portanto, a palavra ULHIM [termo correto] tem sempre a conotação superlativa – não se trata de um plural, como ensinam os ‘sperts’ em línguas – e jamais uma referencia à uma possível triunidade da Divindade (ou Cúpula Criadora)!

Não confunda com palavras em nossa língua que tanto podem ser usada no singular quanto no plural, com a mesma grafia (Exemplo: Lápis); e, que somente o contexto poderá nos dizer se temos um plural ou não!!!

3 – Por meio de se juntar um pronome ao plural:

Por exemplo, o lugar santíssimo que em hebraico é qedósh qedoshím que literalmente significa “santo dos santos”.

4 – Juntando-se ao verbo a sua forma infinita:

Por exemplo, em Gênesis/Bereshyit 2:7 lê-se mot tamút, que literalmente seria morrer morrerás e que poderia traduzir-se “lhe asseguro que morrerás!” ou “certamente morrerás”…

Obviamente existe mais sobre o tema, porém, cremos que isto baste para demonstrar que quando vemos um plural no texto hebreu, nem sempre isto significa que se trate de um plural (na mais simples concepção). De fato, muitas vezes é incorreto traduzi-los como um plural, principalmente quando o termo se refere à um título do ETERNO [UL’HIM] ou do CRIADOR [UL]. YAOHU UL’HIM é único e um (Dt 6:4).

A propósito, tampouco é correto dizer que echad tenha um sentido plural como o ‘mundo’ a traduz. O contexto do uso escriturístico desta palavra nos demonstra que significa (estritamente) um; único. Assim temos que o Shemá, hoje tem o mesmo sentido que teve para Mehu’shua (corrompido para Moisés).

Amnao…

 ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cr

 

 

CREMOS

Cremos e ensinamos que:

  1. As Escrituras Sagradas é a infalível e inspirada Palavra de YAOHUH (O Ser Supremo e Criador) e é a Sua revelação escrita ao homem. Por isso, ela é a autoridade máxima em assuntos espirituais. II Tm 3:16.
  2. Há um só ULHIM (a Plenitude do Ser Criador Todo-Poderoso; Criador), e YAOHUH é o Seu NOME (Dt 6:4), e Pai (ABU) de YAOHUSHUA (Aquele que trás a Salvação de Ul), o Filho Unigênito, gerado pelo Seu Abi, antes da eternidade (antes da criação do tempo, um fator delimitador do pecado). Pv 8:22-30.
  3. Assim, pois, o RUKHA’YAOHUH não é uma outra pessoa (3ª) na Divindade, mas sim a manifestação, em rúkha (espírito) do próprio YAOHUH-ABU (Yao’khanan/João 4:24) ou do Seu Filho Yaohushua (Atos 20:28) que em Sua onipresença, habita em nós (Yao’khanan/Jo 14:17-23; Kanodgaluth/Revelação – Ap 3:20) pois, ambos são RUKHA [onipresente] que é ha’Kodesh (Santo)! I Co 8:5-6. Sabemos que ambos – Pai e Filho – fazem do nosso corpo, um templo espiritual cf Suas promessas em Yao’khanan/Jo 14:21,23. (Matt’yaohuh/Mt 18:20).
  4. Yaohushua hol-MEHUSHKYAH (o Messias) veio ao mundo nascido de Maria/Maor’em e José/Yaohu’saf da linhagem de Davi/Da’oud, através do poder de ‘RUKHA ha’Kodesh – YAOHUH UL’HIM, em espírito (Yao’khanan/João 4:24) que proveu um corpo para que o Rúkha-Yaohushua (o Messias, em espírito) pudesse habitar (Yaohu’dins/Hebreus 10:5), e assim, realizar uma obra de redenção através de Sua vida santa, Sua morte em lugar dos injustos em uma quarta-feira, e Sua ressurreição gloriosa três dias depois de Sua crucificação, cumprindo assim Sua palavra sobre o sinal de Jonas/Yao’nah (Matt’yaohuh/Mt 12:39-40), ressuscitando nos minutos finais do Shabbos ha’Kodesh.
  5. Todos os homens são pecadores e por isso estão debaixo da ira de YAOHUH UL’HIM. O ser humano só pode ser salvo se crer exclusivamente em YAOHUSHUA e demonstrar publicamente, através da Tevilah (batismo por imersão em águas), em Nome de Yaohushua conforme lemos em At 2:39, Rm 6:1-6; Cl 2:12.
  6. O Molkhi’ul (Rei) YAOHU’SHUA voltará em breve, trazendo consigo TODOS os salvos de todas as épocas que neste momento ressuscitarão e para levar [arrebatar] consigo até a Jerusalém (Yah’shua-oleym) terreal, através das nuvens [de anjos], todos aqueles que O receberam como hol-MEHUSHKYAH (Messias) e Mihushuayao (Salvador) pessoal (I Ts 4:15-17), e depois disso, estabelecer Seu reino milenial sobre toda a Terra. Atos 15:16 cf Daniel/Dayan’ul 2:35.
  7. Todos os seres humanos comparecerão ante o Tribunal de YAOHUH UL’HIM (Dayan’ul/Dn 12:2), para receber a recompensa dos seus feitos em favor da causa de Yaohushua ou não; (II Co 5:10) e isto por ocasião da primeira morte de cada um ou para os vivos, durante o governo milenar (I Co 6:2), na Terra.
  8. Ocorrerá um juízo vindouro, após o milênio e após a destruição final de ha’satan (Kanodgaluth/Ap 20:9), que condenará os infiéis e todos aqueles que nunca aceitaram o poder remidor do Sangue derramado na cruz por Yaohushua (Kanodgaluth/Ap 20:11-15). Depois disto, o inferno [sheol, sepultura, etc] e a morte serão lançados no Lago de Fogo (comprovando assim que não há tormento eterno), dando início à eternidade (fim da razão de existir o tempo)!
  9. Depois destas coisas… Novos Céus e Nova Terra; a Jerusalém (Yah’shua-oleym) prometida (Yao’khanan/Jo 14:1-3) desce para tomar lugar da Cidade Querida que por mil anos foi sede do Trono do MEHUSHKYAH (Messias). Juntamente com ela, o próprio YAOHUH-ABU-UL’HIM descerá para habitar com todos nós, os salvos, por toda a eternidade! Ap 21:1-3.
  10. Não há nenhum outro Nome sob os céus dado aos homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4:12), e este Nome é Yaohushua, ao qual todo joelho deve se dobrar e toda língua confessar que o Molki’ul YAOHU’SHUA é o Rei de todos (Rm 14:11), para a glória de YAOHUH UL’HIM, o Altíssimo. Amnao (amém)!

 ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Df

 

 

DEFESA DE NOSSA FÉ [Revisado em 2017]:

  1. Cremos que existe um só UL e que o Seu NOME é YAOHUH (Lê-se IAORRU) – O Ser Criador Todo-Poderoso e Criador (não em três pessoas), pessoal, um Ser Espiritual, o Originador de todas as coisas, Onipotente, Onisciente, único Criador; Infinito em conhecimento, santidade, justiça, bondade, verdade e misericórdia; imutável, e que Se faz presente em todos os lugares em RUKHA ha’Kodesh (Espírito, que é Santo). Tehillím/Salmo 139:7. I Tm 6:16.
  2. Cremos que existe um só Messias (hol’MEHUSHKYAH), Yaohushua (Lê-se IAORRUSHUA, corrompido para “jesus” – Ap 13:8), o Filho gerado do Criador Pai – ABU ou ABI (Pv 8:22-30 – A Sabedoria é Yaohushua que teve início no Pai, antes de existir o tempo e, por isto eterno com o Abi), o único por quem foram criadas todas as coisas, e por meio de quem elas existem (Jo 1:1-3); que Ele tomou a natureza da semente de Abraão/Abrul’han para a redenção de nossa raça caída; que Ele residiu entre os homens, cheio de graça e verdade, viveu nosso exemplo, morreu nosso sacrifício, foi ressuscitado pelo YAOHUH Abi para a nossa justificação, ascendeu ao alto – 40 dias depois da Ressurreição/Atos 1:6-9 – para ser nosso único mediador (e exemplo cf. Yao’khanan/Jo 16:33) – junto ao trono do ABU (Kanodgaluth/RevelaçãoAp 3:21) no santuário celestial, onde através dos méritos de Seu sangue derramado, assegurou o perdão e absolvição dos pecados de todos aqueles que persistentemente se achegam à Ele; e como o encerramento de parte do Seu trabalho de sacerdote, antes de assentar-Se em Seu trono como Rei (Molkhi’ul), Ele realizou na cruz a expiação por todos, e todos os pecados cometidos fora do santuário serão apagados (Atos 3:19), como mostrava-nos o serviço do sacerdócio levítico, o qual apontava e prefigurava o ministério de nosso MEHUSHKYAH/Messias. Veja Viyaokró/Lv 16; Yaohu’dins/Hb 8:4,5; 9:6,7.
  3. Cremos que as Festas Escriturísticas (Lv 23:1-28) foram dadas aos homens de todos os tempos como sombras e prenúncios da obra do nosso Messias – judaico (Yao’khanan – corrompido como Jo 4:22) – e que os principais fatos da obra terrena de Yaohushua deu-se ou se dará em uma Festa Escriturística… Nascimento, morte e volta! Na Festa dos Tabernáculo, seu nascimento [por volta de setembro/outubro]; morte na cruz em uma Páscoa como o nosso Cordeiro e a Sua volta dar-se-á em uma Festa das Trombetas! A própria manifestação em espírito se deu no Pentecostes que é a Festa da Colheita. Abominamos as festas pagãs tais como Natal em 25 de dezembro, o 1° dia do ano temporal e a páscoa em data não escriturística, seguindo a ICAR com seus coelhinhos! Até mesmo comemorar o nosso nascimento (aniversário natalício), vem do paganismo e nas Escrituras, as únicas comemorações foram de um Faraó e do rei Herodes…
  4. Cremos que as Santas Escrituras do Velho e do Novo Testamento – simbolizadas pelas velas do Shabbos – foram dadas pela inspiração de YAOHUH UL’HIM (o ABI de Yaohushua); possuem uma completa revelação de Sua vontade para o homem e são a única e infalível regra de fé e prática – II Tm 3:16. Entendemos também que as Escrituras representam em Sua totalidade o Espírito da Profecia (Kanodgaluth/Revelação – Ap 14:17; 19:10), pois apresentam toda a Verdade revelada – Yaohu’dins/Hb 1:1-2. No entanto, homens a serviço de ha’satan a tem corrompido e por isto a necessidade de resgatá-la à luz dos primeiros escritos, siríaco (hebraico arcaico), principalmente quanto à sua unitarianicidade e aos Nomes dos profetas que ao serem “traduzidos” perderam a sua teofania [sentido profético]!
  5. Cremos que o Batismo/Tevilah é uma ordenança da igreja cristã para acompanhar a fé e o arrependimento e que deve ser feita em o Nome de YAOHUSHUA (Atos 2:38) uma vez que consideramos Mateus 28:19 (Matt’yaohuh corrompido como Mateus) apócrifo já que não encontramos nas Escrituras nenhum batismo segundo esta pretensa formula batismal; uma ordenança na qual comemoramos a ressurreição de Yaohushua, que por este ato demonstramos nossa fé em Sua morte e ressurreição, e por meio da qual, na ressurreição de todos os santos dos últimos dias; e que, não existe outro meio mais adequado para representar estes fatos que as Escrituras prescrevem, denominado imersão. Sendo o sangue de Yaohushua o único meio de redenção, não podemos crer que homens santos estejam justificados por outros meios, que não o da cruz e por isto ficamos com as palavras de Hebreus (Yaohu’dins) onde nos diz que todos morreram (Enoque/Enoch, Elias/Uli’Yaohuh e Moisés/Mehu’shua) e continuam nas sepulturas aguardando aquele grande dia (Hb 11:39-40).

OBS: Veja no fim desta defesa, um modelo de voto para a Imersão em Nome de Yaohushua!

  1. Cremos que o novo nascimento compreende uma completa mudança necessária para nos preparar para o Reino de Yaohushua (na Terra), e que consiste de duas partes: Primeira, uma transformação moral moldado pela conversão e uma vida cristã (Yao’khanan/Jo 5:3); Segunda, uma mudança corporal por ocasião da segunda vinda de Yaohushua, segundo a qual, se morrermos, nós ressuscitaremos incorruptíveis; e, se estivermos vivos, seremos transformados para a imortalidade num momento, em um piscar de olhos. Lc 20:36; I Co 15:51, 52. E, os injustos participam na segunda ressurreição, que acontecerá após o milênio, para a sua final perdição. Kanodgaluth/Ap 20:4-6, 11-15. Nações se formarão durante o governo milenar de Yaohushua sobre a Terra (Is 65; 66) e estes serão julgados no fim do milênio… Kanodgaluth/Ap 20:4. Sabemos que o coração carnal ou natural é inimigo de YAOHUH UL’HIM e de Sua Lei e que este inimigo só pode ser subjugado através de uma transformação radical das afeições, e a substituição dos princípios não santificados por princípios santificados; que esta transformação compreende o arrependimento e a fé, e é uma obra especial realizada por Yaohushua, em rúkha (espírito), que constitui a conversão ou regeneração. Yao’khanan/Jo 6:39; Yaohu’dins/Hb 2:13.
  2. Cremos que a Profecia é uma parte da revelação de YAOHUH UL’HIM ao homem; que ela está inserida nas Escrituras, a qual é proveitosa para instrução (II Tm 3:16); que ela é designada para nós e para nossos filhos (Debarim/Dt 29:29); que, em grande parte, Sua existência está envolvida em impenetrável mistério, porém revelada aos simples (Lc 8:10); é ela que constitui especialmente a Palavra de YAOHUH UL’HIM numa Lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos Caminhos (Tehillím/Sl 119:105; II Kafos/Pd 1:19); que uma bênção é pronunciada sobre aqueles que a estudam (Kanodgaluth/Ap 1:3); e que, consequentemente; ela pode ser compreendida suficientemente pelo povo de YAOHUH UL’HIM para mostrar-lhes a sua posição na história do mundo e a especial responsabilidade colocada em suas mãos. Matt’yaohuh/Mt 11:25; 13:11; Yao’khanan/Jo 14:29.
  3. Cremos que o período de 2.300 dias de Daniel 8:14 (Dayan’ul) são dias literais (Bereshyit/Gn 1:5) e, portanto, não se pode tirar deles, 490 anos (70 semanas – Dayan’ul/Dn 9:24-27) uma vez que esta profecia (das Setenta Semanas) veio como explicação a Daniel (Dayan’ul) que não compreendera a  visão das tardes e manhãs (Dayan’ul/Dn 8:26-27). Portanto, em realidade, é das 490 semanas que tiramos as 2.300 tardes e manhãs, sendo esta a última semana dada ao povo judaico (Dayan’ul/Dn 9:26 à uma semana = sete anos = 2.520 dias. De 2.520 dias tiramos os dias em que Yaohushua não pregou, ou seja: 180 dias de diferença de idade entre Ele e João [Yao’khanan], o imersor, mais os 40 dias no deserto temos 220 dias… 2.520-220 = 2.300 dias para que o santuário celestial fosse purificado da presença de ha’satan – Kanodgaluth/Ap 12:7-9 – vencido na cruz; cf vs 11, 12) e, portanto, representa o ministério terreal do Messias… Isto implica na não existência de um juízo investigativo (Hb 10:14-18; Yao’khanan/Jo 5:24; Kanodgaluth/Ap 3:21; Yao’khanan/Jo 10:14; II Tm 2:19)!
  4. Cremos que a história mundial possui datas marcadas no passado, o surgimento e queda dos impérios, e a sucessão cronológica de eventos que servem de plano de fundo do Reino Criador de YAOHUH UL’HIM sobre a Terra, são delineadas numa grande corrente de profecias e Festas Bíblicas (que apontam para o Ministério de Yaohushua e por isto ainda comemoradas em nossos dias); e, que todas essas profecias estão agora cumprindo-se nas cenas finais. Aguardamos agora apenas o estabelecimento do último Reino terreal e mundial: a PEDRA – Yaohushua (Dayan’ul/Dan 2:44, 45) que ocorrerá em uma Festa de Sukot (Tabernáculo)!
  5. Cremos que a doutrina da conversão mundial do povo judaico (Rm 11:11-15, 20-23) e de um milênio temporal (terreal – Dayan’ul/Dn 2:44), são verdades destes últimos dias, mostrada para que tenhamos o necessário preparo e que assim não  sejamos surpreendidos pelo grande dia do MEHUSHKYAH/Messias que vem como o ladrão de noite (I Ts 5:3). Portanto, restando-lhes ainda a possibilidade de serem re-enxertado à árvore de sua origem, que um dia negaram (Rm 11:23); restaurando assim o Povo de YAOHUH UL’HIM (Rm 11:1 cf Yarmi’Yaohu/Jr 31:31-33); isto antes da porta da graça ser fechada (Kanodgaluth/Ap 16:17); que a Segunda Vinda de Yaohushua precede, não segue, o milênio; até o MEHUSHKYAH/Messias aparecer, o poder papal, com todas as suas abominações, continua (II Ts 2:8), a exemplo do trigo e do joio que crescem juntos, até aquele momento em que o MEHUSHKYAH/Messias envie os Seus anjos para atarem os ímpios (joio) e os consumam no fogo de Sua Glória (Matt’yaohuh/Mt 13:29, 30 e 39), e que o sedutor homem da iniquidade torna-se cada vez pior, como a Palavra de YAOHUH UL’HIM declara. II Tm 3:1 e 13. Portanto, as Escrituras ensinam a existência de um único Povo do Criador e que gentios não é a substituição deste Povo por outro, [igreja gentílica], pois nas Escrituras, gentios são os descendentes das 10 tribos [a Casa de Yaoshor’ul] espalhadas pelo mundo. Yaohushua veio para resgatá-los [Matt’yaohuh/Mt 10:6] e Sha’ul, o apostolo dos gentios, continuou neste resgate [Rm 11:1-5; 25]!
  6. Cremos que o Santuário da Renovada  Aliança (não Nova, como lemos em nossas Escrituras paganizadas) é o tabernáculo de YAOHUH UL’HIM no Céu, do qual fala-nos Yaohu’dins/Hb 8 e mais adiante, e do qual o nosso MEHUSHKYAH/Messias, como o Grande sumo-sacerdote, é Ministro; que este santuário é o antítipo do tabernáculo Mosaico, e que o ministério sacerdotal de nosso MEHUSHKYAH/Messias, associado a isso, é o antítipo do ministério dos sacerdotes levitas da antiga dispensação (Yaohu’dins/Hb 8:1-5;) e que começou imediatamente após a Sua ascensão (e não em 1844/1914) para sentar-se ao lado do Pai, no Santíssimo, lugar do Seu trono (I Kafos/Pd 3:22) e de lá, intercede como único intercessor [Yaohu’dins/Hb 7:25, Rm 8:26, 34]. Futuramente, na Nova/B’rit Yah’shua-oleym, entre os homens não haverá necessidade de um santuário, uma vez que  o ETERNO estará entre nós! Kanodgaluth/Ap 21:22.
  7. Cremos que os requisitos morais de  Yaohushua são os mesmos para todos os homens em todo os tempos, (sendo que o conceito das dispensações são anti-escriturísticos); que estes estão sumariamente contidos nos mandamentos proclamados por YAOHUH UL’HIM através de Yaohushua no Sinai [na Arábia, não no Egito, como o mundo crê – Gl 4:25], as Dez Palavras, gravados em tábuas de pedra, e colocados na Arca, a qual era chamada de “arca da aliança” ou  do “concerto” (Bamidbar/Nm 10:33; Yaohu’dins/Hb 9:4, etc); que esta Lei é imutável e perpétua (Matt’yaohuh/Mt 5:17-19), sendo uma transcrição das tábuas colocadas na arca no verdadeiro santuário que se encontra no céu, e que foi vista em seu santuário. Kanodgaluth/Ap 11:19; o qual é também, pela mesma razão, chamada a arca do concerto de YAOHUH UL’HIM; e que ao soar da sétima trombeta [Sukot] nós saberemos que “o Santuário de YAOHUH UL’HIM” foi aberto, no céu, para anunciar a Volta do nosso MEHUSHKYAH/Messias, conforme prometera – Yao’khanan/Jo 14:3.

Nota de o Caminho: Temos por bom tom, não considerar as leis da Toráh – 613 leis – em sua totalidade, pois devemos levar em consideração a decisão do concílio de Yah’shua-oleym [Atos 15] onde atos judaizantes – circuncisão, kipá e ou cobrir a cabeça com o talit, etc – não devem ser considerados; além de que muitas destas leis CUMPRIRAM-SE em Yaohushua tais como os sacrifícios de animais; e, leis que tinham o poder de preparar – moralmente – o Seu Povo, perderam sua utilidade e ou são impraticáveis nos dias de hoje tais como o pó da Vaca Vermelha ou o atirar pedras em execuções. Estas Leis tendem a manter o muro que separava dois povos – Judaicos  e Gregos/nações (não gentios como muitos dizem uma vez que verdadeiramente gentios são os judaicos apostatados [Casa de Israel]… Matt’yaohuh/Mt 10:6 cf  Yashua’yah/Is 9:1) – pois muitos ainda dizem que os judaicos sanguíneos são obrigados a segui-las enquanto que os demais, das nações, o podem fazer por opção, principalmente em se tratando da circuncisão… Ef 2:8-16 (Dt 30:6) – Gl 5:4.

  1. Cremos que o quarto mandamento desta Lei requer que nós dediquemos o sétimo dia de cada semana, comumente chamado de SÁBADO [shabbós], para nos abster de nosso labor (obra remunerada), para a realização do sagrado serviço religioso de um pôr ao outro pôr-do-sol; que este é o único Sábado declarado nas Escrituras como sendo o Dia do MEHUSHKYAH/Messias; sendo o dia que foi separado antes, no Paraíso perdido (Gn 2:2, 3), e o qual será observado no Reino Messiânico durante a restauração edênica (Yashua’yah/Is 66:22, 23); que a realidade sobre a qual a instituição do Sábado/Shaboos está baseada delimita-o ao sétimo dia, e nenhum outro dia como verdadeiro; e, que o termo Sábado Judeu que é aplicado ao sétimo dia e Sábado cristão como sendo aplicado ao primeiro dia da semana (domingo), são termos de invenção humana, sem provas escriturísticas, e falsas em seu significado.
  2. Cremos que como o homem do pecado, o papado, intentou mudar os tempos e as leis (a Lei de YAOHUH UL’HIM, Dayan’ul/Dn 7:25), enganou a maior parte dos crentes em Yaohushua com respeito ao quarto mandamento; assim, nós encontramos uma profecia de reforma (purificação pessoal) neste aspecto para ser realizada entre os crentes (I Co 3:16; Kanodgaluth/Ap 3:20) precisamente antes que ocorra o retorno de Yaohushua. Yashua’yah/Is 56:1, 2; I Kafos/Pd 1:5; Kanodgaluth/Ap 14:12, etc.

Nota de o Caminho: Os ditos “crentes” [seguidores da ordem papal e que se livraram apenas das imagens] pregam que a Lei foi cravada na cruz [Cl 2:14]; mas, o bom estudante das escrituras sabe discernir Lei Moral – insubstituível; Mt 5:18 – da Lei dos Cerimoniais que é o tema de Sha’ul aos de Colossos.

  1. Cremos que os seguidores de Yaohushua deve ser um povo peculiar, não seguindo o palavreado mundano, nem andando nos caminhos do mundo (Egito), evitando a todo custo o chamado ecumenismo (II Co 6:14); não amando seus prazeres, nem permitindo estas coisas, considerando o que os apóstolos disseram que “todo aquele que é neste assunto um amigo do mundo é inimigo de YAOHUH UL’HIM” (Yaohu’kaf/Tg 4:4); e que como Yaohushua disse que nós não podemos ter dois mestres, ou seja, ao mesmo tempo servir a YAOHUH UL’HIM e aos prazeres [Baal]. Matt’yaohuh/Mt 6:24 cf. II Co 6:14.
  2. Cremos que as Escrituras insistem sobre a simplicidade e modéstia no vestir como uma importante marca do discipulado daqueles que professam ser seguidores d’Aquele que “é humilde e manso de coração”; que os vestidos de ouro, pérolas, e vestes caras, e qualquer outro feito para adornar a pessoa, estimula o orgulho do coração natural constituindo assim a matéria prima para o pecado e deve ser usado com moderação (não proibido) de acordo com I Tm 2:9, 10; I Kafos/Pd 3:3, 4 e I Co 11 quanto ao não cortar em exagero os cabelos femininos e nem no deixar em exagero o cabelo masculino crescer… Quanto ao uso do véu nos cultos a YAOHUH UL’HIM, cremos ser um cumprimento, testemunho e reconhecimento por parte das santas irmãs da oholyáo de que Yaohushua é a nossa cabeça, assim como o homem o é da família; mas, do mesmo modo, os varões, JAMAIS devem cobrir a cabeça, durante as orações, em respeito ao CRIADOR ETERNO, YAOHUH UL’HIM… I Co 11:5.

Nota de o Caminho: Também não aceitamos a desculpa (dos transgressores judaizantes) de que o assunto de I Co 11 seja VÉU e por isto, o kipá (ou cobrir a cabeça com o Talit durante as orações) está liberado… Também seguir rezas judaicas tendem a ser vãs repetições – Matt’yaohuh/Mt 6:7.

  1. Cremos que os meios para o suporte da pregação do evangelho entre os homens deverão ser estimulados pelo amor a YAOHUH UL’HIM e às almas (pessoas), não por sorteios ou loterias de igrejas, ou ocasiões designadas para contribuir através de divertimentos frívolos e às inclinações do pecado para a satisfação do apetite tais como quermesses, festivais, eventos sociais insanos, etc, as quais é uma desgraça para a professa Kehiláh de Yaohushua (Atos 19:23); que a proporção de um rendimento na primeira dispensação não pode ser menor sob o Evangelho; que ela é a mesma que Abraão/Abrul’ham (de quem somos filhos, se nós somos de Yaohushua – Gl 3:29) pagou a Melquisedeque/Molkhi’Tzaodóq (tipo de Yaohushua) quando ele deu um décimo de tudo que havia obtido com as graças de YAOHUH UL’HIM (Hb 7:1-4); portanto, o dízimo, dado por amor e não por imposição [este sistema subsistiu até a cruz], é para o MEHUSHKYAH/Messias (Lv 27:30) e este décimo de um rendimento é também para ser suplementado [ou substituído] pelas ofertas daqueles que estão prontos a dar suporte ao Evangelho (II Co 9:7); tudo para a obra evangelística do Mestre!

OBS: Após a cruz, o melhor sistema para se medir o coração do crente (Mc 12:44) é o de ofertas, como as mesmas bênçãos do sistema de dízimos [Ml 3:10 X II Co 9:8].

  1. Cremos que todos têm violado a Lei de YAOHUH UL’HIM, e não podem por si mesmos render obediência aos Seus justos reclamos, nós somos dependentes de Yaohushua, primeiro, para vivermos a justificação de nossas ofensas passadas; e, segundo, através da Sua Graça (Ef 2:8), podemos render-lhe uma obediência aceitável à Sua santa Lei, nas horas certas que virão. O único que redime os pecados é o  Sangue derramado na cruz (não existe nenhum outro método – se existisse, o MEHUSHKYAH não precisaria morrer na cruz) e por isto, repetimos, nem Enoque/Kanoch, nem Elias/Uli’yaohuh e nem Moisés/Mehu’shua [quanto menos o ladrão, na cruz] estão “JÁ” redimidos… Yaohu’dins/Hb 11:13, 39-40.
  2. Cremos que o espírito de YAOHUH UL’HIM (Yaohushua – Kanodgaluth/Ap 3:20) foi prometido para manifestar-se na igreja através de certos dons, referidos em I Co 12 e Ef 4; que estes dons não são designados para substituir, ou tomar o lugar das Escrituras, a qual é suficiente para nos fazer sábios para a salvação, além disso, as Escrituras Sagradas podem nos fazer entender a posição do Santo espírito (RUKHA ha’Kodesh, YAOHUH UL’HIM, em espírito – Yao’khanan/Jo 4:24); em específico os vários canais de sua (its) operação; que o espírito Santo (RUKHA ha’Kodesh – presença ou poder de YAOHUH UL’HIM em Yaohushua) foi feito simplesmente como provisão em relação à Sua – de Yaohushua – própria existência e presença entre o povo de YAOHUH UL’HIM para o fim dos dias a fim de guiá-los à compreensão da Palavra à qual YAOHUH UL’HIM inspirou, para convencer do pecado, e realizar uma obra de transformação no coração e na vida; e aqueles que negam ao espírito (rúkha), seu lugar e operação, fazem claramente uma negação da parte das Escrituras que determina a Ele (Yaohushua – Atos 20:28) Seu trabalho e posição, pecando* assim contra o Espírito (RUKHA-YAOHUH-Abi/Pai) Matt’yaohuh/Mt 12:22-32; Atos 2:13.

Nota de o Caminho: O pecado imperdoável é atribuir a obra que o Pai faz, através do Seu Filho, a outrem [um terceiro deus – ha’satan]…

  1. Cremos que YAOHUH UL’HIM, em concordância com Seu relacionamento uniforme com a raça humana, envia avante uma proclamação da proximidade do segundo advento de Seu filho, Yaohushua; e que este trabalho é simbolizado pelas mensagens de Kanodgaluth/Ap 14; a última mensagem traz uma visão do trabalho de reforma sobre a Lei de YAOHUH UL’HIM, e que Seu povo pode adquirir uma completa preparação para o segundo Advento, isto antes do Armagedom, uma batalha onde as potestades do mal e as hostes celestiais estarão envolvidas, a despeito de ser literal onde as nações mundiais participarão, nesta que antes de tudo é uma guerra contra YAOHUH UL’HIM e Seu povo.
  2. Cremos que a sepultura [inferno], local para o qual todos tendemos a ir, expressa pela palavra hebraica “sheol” e a palavra grega “hades”, é um lugar ou condição, no qual não existe trabalho, artimanhas, sabedoria, nem conhecimento e por isto é comparada por Yaohushua como um “sono” (Matt’yaohuh/Mt 9:24; Yao’khanan/Jo 11:11). Qeholóth/Eclesiastes 9:10. Portanto, o estado no qual somos reduzidos pela morte é um silêncio de inatividade, e completa inconsciência. Tehillím/Sl 146:4; Qeholoth/Ec 9:5,6; Dayan’ul/Dn 12:2. Isto posto, a estória do Rico e de Lazaro, são portanto, uma parábola! Assim, imortalidade da alma é anti-escriturístico [Bereshyit/Gn 2:7; Kozoqi’ul/Ez 18:20]!
  3. 22. Cremos que ao soar da última trombeta, como dissemos anteriormente, os justos vivos do povo de YAOHUH UL’HIM, serão transformados em um momento, num piscar de olhos, e que junto com os justos ressurretos, serão levados pelos anjos ao encontro com o MEHUSHKYAH/Messias para a Jerusalém (Yah’shua-oleym) terreal – a cidade querida de Kanodgaluth/Ap 20:9 – e estarão para sempre com Ele (I Ts 4:16, 17; I Co 15:51, 52; Yao’khanan/Jo 14:3); sendo que entre eles haverá um grupo conhecido como sendo os 144 mil (Kanodgaluth/Ap 7:4-8; 13-18; 5:10; Yashua’yah/Is 66:19-21 – judaicos naturais, as primícias colhidas nos dias dos apóstolos até Cornélius (Atos 10), cujo número é símbolo de uma realidade, representando a plenitude do MEHUSHKYAH/Messias), integrantes da grande multidão (Kanodgaluth/Ap 7:9-10).
  4. Cremos que esses imortalizados serão levados pelo céu atmosférico (primeiro céu), para a Jerusalém (Yah’shua-oleym) terreal, onde eles reinarão com Yaohushua por mil anos, julgando o mundo e os anjos caídos, isto é, que estará sendo preparada a punição que será executada sobre eles no final dos mil anos (Kanodgaluth/Ap 20:4; I Co 6:2, 3); que durante este período a terra se encontrará em absoluta paz; e que aqui ha’satan estará literalmente confinado durantes os mil anos (Kanodgaluth/Ap 20:1, 2 cf Lv 16:21, 22) impedido de tentar às nações que se formarão aqui, durante o milênio terreal, e que será finalmente destruído (Kanodgaluth/Ap 20:10; Ml 4:1); ele forjou o lugar de destruição no universo ou seja, a Terra. Sendo apropriadamente feito, por um período de tempo, sua prisão sombria e consequentemente o lugar de sua execução final – Kanodgaluth/Ap 20:9-10,14.
  5. Cremos que no final dos mil anos ha’satan será solto, reunirá as nações que se formaram durante o milênio (que não conheceram a tentação) e virá sobre a superfície da ainda não renovada terra, e se reunirão ao redor da Cidade Querida, o acampamento dos santos (Kanodgaluth/Ap 20:9) e o fogo de YAOHUH UL’HIM descerá e os devorará (II Kafos/Pd 3:10). Eles serão consumidos, raiz e ramo (Molaokhí/Ml 4:1), tornando como se nunca houvessem existido (Awod’yaohuh/Ob 15, 16). Após esta eterna – para sempre – destruição e separação da presença do MEHUSHKYAH/Messias (II Ts 1:9), os ímpios [de todas as eras] ressuscitarão para a sua destruição preparada contra eles (Matt’yaohuh/Mt 25:46), a qual é a 2ª e última morte. Rm 6:23; Kanodgaluth/Ap 20:14, 15. Esta é a perdição dos homens descrentes, e o fogo o qual os consumirá será o fogo que por seu intermédio “os céus e a terra, estão agora… reservados”, os quais os elementos serão destruídos com intensidade, e purificará a terra da profunda mancha da maldição do pecado. II Kafos/Pd 3:10-12. Depois destas coisas, a Nova Jerusalém (Yah’shua-oleym) descerá – literalmente – (com suas moradas preparadas por Yaohu’shua) para os santos salvos, nela habitarem com o nosso YAOHUH UL’HIM que desce com ela… (Kanodgaluth/Ap 21:2). Novos Céus e a Nova Terra brotarão das cinzas dos antigos céus e terra pelo poder de YAOHUH UL’HIM, e esta terra renovada com a Nova Jerusalém (Yah’shua-oleym) como sua metrópole e capital serão a eterna herança dos santos (o Paraíso prometido em Yao’khanan/Jo 14:1-3), o lugar onde a justiça residirá por toda a eternidade, findando assim a razão da existência do tempo! II Kafos/Pd 3:13; Tehellím/Sl 37:11, 29; Matt’yaohuh/Mt 5:5. Amnao (Amém)!

MAIO/2007 (Revisão: 28/12/2010) – Estamos crescendo em nossa fé através de estudos sistemáticos e por isto esta é a nossa posição atual em relação à VERDADE… Isto não significa que no dia de amanhã não possamos estar abraçando novas revelações de YAOHUH UL’HIM, em espírito. II Kafos/Pd 1:19 – E temos ainda mais firme a palavra profética à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações; Amém! 

NOTA: Durante as comemorações do Purim de 2010, em assembléia, o corpo ministerial da CYC editou alguns itens da Defesa de Nossa Fé [para torná-los mais claros e inconfundíveis] assim como também acrescentou o que agora passou a ser o item 3…

 ÍNDICE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Im

 

 

PENSE NISTO!

Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Yaohushua em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são um tempo em que podemos anunciar Yaohushua a muitas pessoas.

Se você recebeu Yaohushua como seu Salvador pessoal [através da autentica imersão], mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do espírito de YAOHUH UL’HIM. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Yaohushua como Salvador, mas entendeu que Ele é real e que o Fim dos Tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Yaohushua como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna em Seu Reino, como se já estivesse com Ele.  Prepare-se para nascer de novo!

No entanto, se a dificuldade está nas doutrinas (de homens) que a sua igreja prega, siga então o último conselho bíblico: Saia dela Povo Meu! Gilyahna/Ap 18:4.

…E, se Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também. Yao’khanan/Jo 14:3

Esperamos que este Ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam que Yaohushua está às portas!!! Que YAOHUH UL’HIM o abençoe.  Amnao!

 

– SOLICITE A SUA IMERSÃO E FAÇA OS SEGUINTES VOTOS – 

VOTOS PARA A IMERSÃO (TEVILAH)!

1 – Crê em YAOHUH UL’HIM (ia-o-rru ul-rrim), O Ser Criador Todo-Poderoso e Eterno e em Yaohu’shua (iau-rru-shua), o Filho unigênito, gerado do ABI-UL antes da eternidade?

2 – Crê que a Divindade Eterna, hoje se faz presente em Espírito, que é Santo e através da Sua Palavra escrita, as Escrituras Sagradas?

3 – E, como o nosso corpo é o santuário deste RUKHA hol-kod’shua (ru-rra rol kod-shu-a), Crê que devemos apresentar-nos puros, sem as contaminações dos alimentos considerados por YAOHUH UL’HIM como imundos e sem os vícios deste mundo tais como bebidas fortes e tabaco?

4 – Crê que, o Sacrifício da cruz foi único e suficiente para remir os nossos pecados e que a única parte que nos cabe é renunciar ao mundo de pecados e aceitar Yaohu’shua, como o Seu Salvador?

5 – Crê que, após a morte física e espiritual de Yaohu’shua que se deu em uma quarta-feira, Seu YAOHUH-Abi O ressuscitou nas horas finais do Shabbos ha’kod’shua, o santo sábado e desde então sentou-se ao lado do ABI e vive para interceder por nós, pecadores?

6 – Crê que, segundo as palavras de Yaohu’shua durante o Seu ministério terrestre, a Lei, os Escritos e os Profetas, continuam mais válidos do que nunca, pois a Terra ainda não passou e que isto ocorrerá somente após o Seu governo milenar e terreal?

7 – Crê que, em Seu breve retorno, Yaohu’shua virá ao soar do último shofar, juntamente com TODOS os remidos de todas as épocas que ressuscitam neste momento, para dar fim ao Armagedom, uma guerra literal que se dará na planície do Har’megido, em Israel, contra o povo de YAOHUH UL’HIM e a partir deste momento, os Seus anjos nos reunirá pelas nuvens do céu, levando-nos para a posse do Molkh’ul (Rei) Yaohu’shua hol-Mehushkyah (o Messias) (mol-qui-ul iau-rru-shua hol-merrush-quia) de Seu trono sobre a Terra, em Yaohu’shua-oleym?

8 – Crê na organização do Corpo de Yaohu’shua, a Kehiláh de Yaohushua e que segundo Suas próprias palavras em Matt’yaohuh 16:18 este mesmo Corpo continua ativo até o fim dos séculos na forma congregacional com administração local onde um líder – o rosh – ou à vontade dos membros, exerce o papel de instrutor, apascentador e conselheiro e que com as suas contribuições na forma de ofertas ou dizima pactuada, ajudará no crescimento da nossa oholyáo/congregação?

9 – Crê que, a única forma de participar de Sua igreja, a Kehilah, é através da imersão total em águas, caracterizando assim, um novo nascimento físico e espiritual e que segundo lemos nas Escrituras, este ato público deve ser realizado em NOME de Yaohu’shua, pois é a Ele que foi dada toda a autoridade por YAOHUH UL’HIM?

10 – Crê que somos um grupo de remanescentes desta Kehilah e é o seu desejo fazer parte desta oholyáo/congregação e tem planos de nos ajudar a crescermos, levando para outras pessoas o Yaohu’shua que nos salvou?

Sendo assim, passaremos agora à sua imersão onde o próprio Yaohu’shua estará presente, em espírito para, a partir de agora, habitar em seu coração. Amnao!

…e, eu (seu nome) na qualidade de sacerdote da Ordem de Melquisedeque,  realizo a imersão da(o) nossa(o) irmã(o) (….) em NOME de Yaohu’shua hol-Mehushkyah (iau-rru-shua rol-merrush-quia). Amnao!

NESTE MOMENTO o novo membro do Corpo de Yaohushua, o Ohol Yaohushua, pronuncia [em português], o Shemah (Dt 6:4), para os que o assistem:

Escuta Yaoshor’ul! Yaohushua é o nosso Criador; o ETERNO é um só!

[SHEMAH YAOSHORUL, YAOHUSHUA ELOHENU UL, YAOHUH  ECHAD]!

Amnao! 

For

 

Dúvidas:

Formulário de Contato