Compartilhe...

 

Ind

 

I N T R O D U Ç Ã O: A Importância das Profecias.

1 – Dayan’ul e a Predição da História Mundial

2 – As Quatro Bestas e os Impérios Mundiais

3 – A Besta de Ap 13 e a Guerra aos Santos

4 – O Trono de Dao’ud e o Messias

5 – A Restauração de Yaoshor’ul

6 – A Grande Batalha do Armagedom

7 – O Reino Milenar Messiânico [terreal]

8 – Detalhes do Reino Milenar Messiânico

9 – Tempo de Recompensa dos Santos

10 – A Igreja do CRIADOR na Profecia

11 – A Parábola do Trigo e do Joio

12 – Como Será a Vinda do Messias

13 – A Vinda do Messias e o Anticristo

14 – As Setenta Semanas de Dayan’ul

15 – Os 144 Mil e a Grande Multidão

16 – Quem Será Levado e Quem Será Deixado?

17 – Os Justos vão Realmente Morar no Céu?

18 – Yah’shua-oleym: A Cidade do Grande REI

19 – A Situação da Terra no Milênio

20 – Redenção Completa na Cruz

21 – Como é a Prisão de satanás?

22 – Haverá Mesmo um Juízo Investigativo?

23 – Discernindo Profetas e Profecias

24 – Promessas às Nações

25 – Reavivando a Igreja!

Nota de o Caminho: Estaremos citando nominalmente o nome de algumas denominações porque o estudo em pauta faz parte do seu corpo doutrinal e por não ter apoio escriturístico, faz-se necessário, contestá-las…

SE DESEJAR UMA CÓPIA PARA IMPRESSÃO, SOLICITE VIA E-MAIL OU USE O FORMULÁRIO NO FIM DA PÁGINA, CLIC AQUI!

Seja um Rosh (líder Congregacional); faça o CTA: Curso de Teologia Aplicada – CLIC!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Int

 

 

I N T R O D U Ç Ã O: A IMPORTÂNCIA DAS PROFECIAS

Texto Básico: II Pedro/Kafos 1:10-21

Verso Áureo: “Certamente o CRIADOR não fará coisa alguma, sem ter revelado o Seu segredo aos Seus servos, os profetas”. (Amós/Amoz 3:7)

INTRODUÇÃO

Por que estudar profecias? Que importância tem isto no contexto da salvação?

Primeiramente, permita-nos dizer que quem não conhece as profecias escriturísticas está, na verdade, em falta diante do CRIADOR. A genuína fé implica em estarmos fundamentados nos ensinos dos profetas, sem os quais não temos como conhecer e justificar nossa esperança.

Em que consiste nosso galardão? Se não sabemos o que esperamos, como anunciar boas novas aos outros?

 RESPONDA:

  1. Qual é a importância do estudo das profecias em nossa trajetória religiosa?

O estudo das profecias visa assegurar a esperança e a certeza do futuro com mais significado para o cristão (verdadeiro). Kafos disse que as profecias são como uma luz que alumia lugares escuros, ou seja, revelam-nos o desconhecido (II Pe 1:19).

  1. É da vontade do CRIADOR que Seu povo conheça a mensagem profética? Qual é um dos fundamentos básicos do alicerce da verdadeira Igreja?

Sim; o CRIADOR sempre mostrou antecipadamente aos profetas as coisas do porvir e não quer que estejamos em trevas, ignorantes e desorientados. O que revelou é para conhecimento de Seu povo:

“Certamente, o CRIADOR não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos seus servos, os profetas. ” (Am 3:7)

“As coisas encobertas são para o CRIADOR, nosso UL; porém as reveladas são para nós e para nossos filhos, para sempre, para cumprirmos todas as palavras desta lei“. (Dt 29:29) Ver também I Ts 5:4-6. O fundamento da Igreja (Ef 2:20).

  1. É possível termos um conhecimento pleno da verdade bíblica se ignorarmos as profecias ou delas tivermos um falso conceito?

Não! Se não houver um conhecimento real e correto das profecias, o cristão não terá como entender as Escrituras. Poderá estar inseguro, inclusive, de sua própria salvação, crendo, esperando e transmitindo aos outros, coisas que não ocorrerão.

  1. Que representam os Salmos?

Ao citar os Salmos aos apóstolos em (Lc 24:44), O Messias/hol’Mehushkyah provou-nos que estes não eram tão somente poéticos, mas também proféticos. Muitos deles falam de uma época em que o Messias/hol’Mehushkyah [Yaohu’shua] governará os povos e que todas as nações lhe serão submissas.

Igualmente, falam a respeito do juízo do CRIADOR – Yaohu’shua cf. Jo 1:3; Hb 1:2 – e o destino dos justos e ímpios. É evidente que estas coisas ainda não se cumpriram, mas hão de acontecer no futuro. (Ver Salmos/Tehillím 46; 47; 52:5; 67, etc).

  1. Podem todos os que estão envolvidos com a Palavra do CRIADOR, as Escrituras, alcançarem o pleno conhecimento da verdade?

Infelizmente não! Conhecer as grandes verdades escriturísticas é um privilégio dos sinceros e dos fiéis (simples), pois estes realmente amam ao Messias/hol’Mehushkyah: “Porque o MESSIAS dá a sabedoria, e da sua boca vem o conhecimento e o entendimento. Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; escudo é para os que caminham na sinceridade”. (Pv 2:6,7). Ver ainda Mt 11:25; 13:11-15.

  1. Podemos confiar nas profecias escriturísticas? Como ter certeza de seu cumprimento se muitos pregam coisas que não acontecem?

Na verdade, existem nos nossos dias muitas interpretações que se valem de textos proféticos; que não se cumprem.

O que acontece é que certas correntes religiosas já traçaram sua própria escatologia e buscam, como suporte, subsídios nas Escrituras. Alguns estão lutando a todo o custo, para verem suas predições cumpridas, tirando do seu contexto, passagens escriturísticas…

Quando estudamos a Palavra, devemos deixar nossas opiniões [pré-concebidas] e buscarmos a direção divina para entendê-la. Querer ajustar a Palavra do CRIADOR ao pensamento humano é um grande erro.

Podemos e devemos esperar com segurança o cumprimento das profecias escriturísticas. Nossa fé na palavra profética tem como base fatos já comprovados. (Vide tabela abaixo).

O CRIADOR revela o fim, desde o princípio:

“Que anuncio o fim desde o princípio e, desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade” (Is 46:10).

Veja também Is. 55:11.

-o-o-o-o-

E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro até que o dia amanheça, e a estrela da alva apareça em vossos corações. Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos do CRIADOR falaram inspirados por este Espírito, o Santo “. (II Pe 1:19-21).

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

 

 

1 – Dayan’ul e a Predição da História Mundial 

Verso Áureo: “Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com Ele mora a luz”. (Daniel/Dayan’ul 2:22)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO.

O CRIADOR já nos demonstrou que não quer que Seu povo ande em trevas, quanto ao conhecimento de Sua vontade e dos acontecimentos vindouros, como ocorre com os que não O servem ou militam em religiões pagãs ou com doutrinas advindas do paganismo.

Por meio dos profetas bíblicos o CRIADOR revelou-nos o futuro, Suas gloriosas promessas e como podemos alcançá-las. Dayan’ul revelou a Nebuchadnezar fatos concernentes a seu reino e o futuro de toda a humanidade, até aos dias da implantação do reinado milenar, messiânico, sobre a Terra; a Rocha de Dn 2, que enche toda a Terra…

RECAPITULAÇÃO

O CRIADOR revela o futuro por meio de Seus profetas (Am 3:7).

Revela os acontecimentos do fim, desde o princípio (Is 46: 10).

Quem tem acesso ao verdadeiro conhecimento (Pv 2:6,7; Mt 13: 10- 12).

A importância das profecias em nossos dias (II Pe 1: 19-21).

Revela antes que aconteça (Jo 13:19).

QUESTIONÁRIO

  1. Que interessante episódio aconteceu com Nebuchadnezar e qual foi a consequência aos seus assistentes?

O monarca caldeu teve um sonho, do qual não se lembrava mais. Convocou os sábios de seu reino para lhe adivinharem o sonho e darem a interpretação. Como ninguém era hábil para tal, irou-se e mandou que todos fossem mortos.

Esta ordem atingiria igualmente a Dayan’ul e a seus companheiros hebreus.

Dayan’ul pediu tempo a Arioque, oficial do rei, para que pudesse buscar ao CRIADOR e dar a resposta. Dayan’ul teve a revelação e se apresentou a Nebuchadnezar, impedindo, desta forma, a extinção dos sábios de Babilônia (Dn 2:1-28).

  1. Ao revelar a Dayan’ul o sonho e sua interpretação, que importante verdade ficou clara ao monarca pagão?

A soberania do CRIADOR! Ninguém seria apto a prestar o serviço que o monarca requeria se o CRIADOR não fosse com ele.

O CRIADOR pode revelar os mistérios e o desconhecido. Ele tira e coloca reis. Os reis, mesmo que os maus, só estão no poder por permissão do CRIADOR (Am 3:7; Dn 2:18-28).

  1. O que Nebuchadnezar havia visto? De que materiais era composta a grande estátua?

Dayan’ul, passo a passo, relata ao monarca qual tinha sido seu sonho.

Primeiramente, deixa claro que a interpretação que vai transmitir, é Obra do CRIADOR dos Céus e não do homem. Fala da grande estátua, suas partes e os diferentes materiais que a compunham: Ouro, prata, cobre, ferro e barro (Dn 2:25-36).

  1. Que fato interessante ocorreu, quando se via as pernas e os pés da estátua?

Ao contemplar a estátua, uma Pedra foi cortada sem mãos e lançada aos seus pés, esmiuçando-a totalmente. Sem mãos, significa que ocorreu algo, independente da ação do homem.  Após destruir por completo a estátua, a Pedra tornou-se num grande monte e encheu toda a Terra (Dn 2:34, 35). Veremos na questão n° 7, o que isto significa.

  1. Que representa cada parte da estátua? Por que ouro, prata, cobre, ferro e barro?

As citações e o quadro seguinte, mostram cada parte da estátua e seu significado. Vamos analisar, comparando cada detalhe da profecia com sua explicação dada ao rei:

Dn 2:29-32 com o cap 2:36-38.

Dn 2:32 com o cap 2:39.

Dn 2:33-35 com o cap 2:40-45.

  1. Que representam as profecias escriturísticas? (II Pe 1:19-21). Veja o gráfico abaixo:

OBS: Os dedos jamais constituíram  um império unificado – vs 43 – Na realidade, pouco a pouco o Império Romano foi esfacelando-se e perdendo o domínio sobre estas tribos até transferir-se para o oriente… Ali, ficou conhecido como Império Bizantino! O que restou dele, tornou-se, mais tarde, a Roma papal com sede em Roma e com o estabelecimento em 538 d.Y. do primeiro papa. Não sem antes “derrubar” três tribos arianas (seguidores de Árius) que pregavam o unitarianismo e despeito da trindade pagã que estava por corromper o cristianismo até os nossos dias…

  1. Como entender o significado da pedra que esmiuçou seus pés? Que ocorreu com a pedra?

A pedra [ROCHA] representa a vinda do Messias/hol’Mehushkyah e o estabelecimento de Seu Reino aqui na Terra (Dn 2:44, 45). Note que, depois do quarto reino mundial, não existe mais nenhum reino de domínio mundial. Isto derruba a teoria de um reinado do anti-cristo logo após um pretenso arrebatamento da igreja. Veja que Mt 24:22 diz que os santos estão presentes DURANTE a Grande Tribulação (as sete últimas pragas), também derrubando este “arrebatamento” pentecostal!

Portanto, o quinto reino será o de hol’Mehushkyah. Igualmente, após ferir e esmiuçar a estátua, a pedra se torna um grande monte e enche TODA a Terra. A pedra não retorna nem enche o Céu!

Monte significa reino. Os profetas Yashua’yah e Mik’ha apresentam-no como o monte da casa do Criador e falam do comportamento das nações dentro deste governo (ls 2:2-4; Mq 4:1-3). Outro detalhe importante é que não existe nenhum espaço de tempo entre o esmiuçar dos reinos terrenos e o estabelecimento do Reino Milenar Messiânico de nosso hol’Mehushkyah.

Repetimos, estes fatos bíblicos contrariam os modernos teólogos, que defendem um quinto reino terreal de sete anos dominado pelo anticristo. Segundo eles crêem, neste tempo, a Igreja estaria no Céu (uma heresia – Sl 115:16), antes da implantação do Reino Milenar de hol’Mehushkyah. Contraria também os que defendem que os mil anos serão no Céu.

OBS: Ao longo desta série de estudos poderemos comprovar estas afirmações escriturísticas…

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2

 

 

2 – As Quatro Bestas e os Impérios Mundiais

Verso Áureo: “…Certamente, o vosso Criador é o UL Altíssimo, o Rei dos reis, e o revelador dos segredos, pois pudeste revelar este segredo”. (Dayan’ul 2:47).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Dayan’ul teve o privilégio de desvendar e trazer ao monarca caldeu, o conhecimento dos acontecimentos vindouros, compreendidos desde o seu reino até a vinda gloriosa do Reino Milenar Messiânico.

O CRIADOR confirma ao profeta tudo que havia mostrado a Nebuchadnezar e acrescenta um fato novo: o surgimento de um poder que haveria de perseguir e tentar extinguir os santos do Altíssimo.

Confirma também a passagem do reino, hoje nas mãos dos governantes terrenos, para o domínio dos Seus santos.

RECAPITULAÇÃO

Só O CRIADOR pode revelar o futuro. (Dn 2:22, 27, 28).

A estátua representa quatro reinos mundiais. (Dn 2:37-40).

A pedra significa a vinda de hol’Mehushkyah e a instauração de Seu reino terreal. (Dn 2:34, 44).

QUESTIONÁRIO

  1. O que pensava Nebuchadnezar sobre a origem da sabedoria de Dayan’ul, ou Beltessazar (baal protege), diante das revelações que obtinha?

O rei, ao reconhecer a capacidade do hebreu, de certa forma exaltava ao CRIADOR; pois reconhecia que tal dom vinha dEle. No entanto, diante da grandeza de seu reino e de sua arrogância, foi humilhado e punido. Mais tarde, sentiu sua fragilidade e confessou a soberania e majestade do CRIADOR (Dn 4:18, 30-37; 7:4).

  1. No primeiro ano de Belsazar, sucessor de Nebuchadnezar, Dayan’ul teve um sonho e visões. O que ele viu?

Dayan’ul viu os quatro ventos do Céu combatendo no mar e quatro grandes animais diferentes subindo deste mar (Dn 7: 1-7).

  1. Que significam ventos, mar e os três primeiros animais? Como entender as características especiais dos animais?

Mar e águas, nas profecias, podem representar povos, multidões, nações e línguas (Ap 17: 1,15; Is 8:7).

Quatro ventos combatendo no mar: Guerras entre os povos dos quatro pontos ou de toda a extensão da Terra. (Is 11: 12; Ez 7:2; Jr 4:11-13; 49:35-37; Os 13:15,16).

Animais: Reis ou reinos. (Dn 7: 17, 23).

Asas: Proteção, deslocamento e ação rápida nas conquistas. (Jr 48:40,41).

O versículo cinco, falando do segundo animal, o urso, diz que este tinha três costelas na boca, o que representa a conquista de três reinos: Babilônia, Egito e Lídia.

O terceiro animal, o leopardo representa a Grécia. Este possuía asas, e quatro cabeças, significando os quatro sucessores de Alexandre, o Grande, a saber: Cassandro (Macedônia), Lisímaco (Trácia), Ptolomeu (Egito) e Seleuco (Sítia).

  1. Que características diferenciavam o quarto animal dos demais? Que representavam suas pontas? Que surgiu de especial entre suas dez pontas?
  2. a) Era terrível, forte, violento, identificando-o perfeitamente com o Império Romano.
  3. b) As dez pontas significam os fragmentos do potente reino, depois de 476 d.Y.: Hunos, Francos, Burgúndios, Anglo-Saxões, Visigodos, Suevos, Lombardos, Vândalos, Hérulos e Ostrogodos.
  4. c) A 11ª ponta, que se levantou entre as dez, representa o papado, o qual, para se estabelecer, derrubou três pontas: Hérulos, Vândalos e Ostrogodos.

OBS: Esta três tribos eram seguidores de Árius… Pense: Se para o papado (satanás) se estabelecer, teve que destruir Árius é porque ele estava com a Verdade (unitarianismo X trindade)! Mt 12:26.

Para maiores detalhes sobre a estátua e os animais das profecias de Dayan’ul 2 e 7, veja o quadro abaixo:

 

  1. Como se apresentava a ponta pequena e que atitude teve para com os santos do Altíssimo durante um período de tempo?

Tinha semelhança humana (olhos e boca); era arrogante e moveu intensa perseguição aos santos por 3,5 tempos, 1260 dias proféticos ou 1260 anos literais (Dayan’ul 7:8, 19-25), que se estenderam de 538 d.Y. – 1798 d.Y.

 Nota de o Caminho: Ano de 538 d.Y. = Ascensão do papado; 1.798 d.Y. = queda do papado!

  1. Que fato importante sucedeu após a visão do quarto animal e da ponta pequena que perseguiu os santos?

A Palavra fala-nos do envio do Filho do Homem para tomar posse de Seu reino sobre os povos, nações e línguas, quando os santos farão parte deste governo.

Como na visão do capítulo 2, o Reino Messiânico é o próximo depois dos quatro reinos humanos e este será estabelecido na Terra (Dn 7:13, 14, 27, 28).

Dayan’ul 7:27 – O reino, e o domínio, e a grandeza dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo. O seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão.

OBS: Toda esta profecia e as demais de Dayan’ul nos fazem crer na precisão profética das Escrituras, pois tudo que havia sido profetizado com anos de antecedência se cumpriram… Dayan’ul nos deu cerca de 17 profecias ao longo do seu livro e 16 delas se cumpriram rigorosamente. A última delas – a visão da pedra que atinge a estátua – ainda está no porvir e representa a Volta do nosso hol’Mehushkyah para estabelecer, na Terra, o Seu reino Messiânico. Se TUDO foi fiel, porque esta última também não o será?

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3

 

 

3 – A Besta de Ap 13 e a Guerra aos Santos

Verso Áureo: “E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse ao deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos e metade de um tempo, fora da vista da serpente.“. (Apocalipse/Kanódgaluth – Gilyahna/Revelação 12: 14).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Dayan’ul forneceu-nos detalhes para que pudéssemos conhecer a história mundial desde os dias do cativeiro de Yaohu’dah/Yaohu’dah na Babilônia, até a gloriosa vinda de hol’Mehushkyah e a implantação do Seu Reino Milenar, terreal. Falou-­nos do animal terrível e do surgimento da ponta pequena, que se levantaria contra o CRIADOR, promovendo por três tempos e meio, grande perseguição aos santos.

RECAPITULAÇÃO

Dayan’ul viu quatro animais subindo do mar (Dn 7:1-7);

Os animais significavam quatro reis ou reinos (Dn 7:17);

Na cabeça do quarto havia dez pontas, mas depois surgiu outra (Dn 7:24);

A ponta pequena (depois de estabelecida) perseguiu os santos por 1260 anos (Dn 7:25).

QUESTIONÁRIO

  1. Quais as semelhanças entre a besta de Ap 13:1, 2 e os quatro animais vistos por Dayan’ul? Compare-as no quadro abaixo:

BESTA (Ap 13:1, 2)

OS QUATRO ANIMAIS (Dn 7)

Subiu do Mar (surgiu dentre os povos)

Subiram do Mar

Tinha sete cabeças

Juntos, totalizavam sete cabeças

Tinha Dez Chifres (poderes)

O quarto tinha dez pontas ou chifres

Seu corpo era como o de um leopardo

O terceiro era como um leopardo

Seus pés era como de urso

O segundo era como um urso

Tinha boca como a de um leão

o primeiro era como um leão

Blasfemava, falava arrogantemente

A ponta pequena falava grandiosamente

Recebeu poder para perseguir os santos

Fazia guerra e vencia os santos

Perseguiu os santos por 42 meses

Combateu os santos por 3.1/2 tempos

Interessante notar que Dayan’ul observa a ordem dos animais para o futuro e Yaohu’khanan vê a sua besta com características já do passado (ordem inversa).

  1. O que vem a ser esta besta e o que representa a ponta pequena mencionada por Dayan’ul, no sétimo capítulo?

Como vimos, nesta besta de Ap 13 estão resumidas as características dos quatro animais vistos por Dayan’ul, o que significa que o Império Papal assimilou e reuniu em si particularidades de seus antecessores. Assim sendo, a besta é o Império Romano e o papado exerceu o papel da ponta pequena, perseguindo os santos do Altíssimo.

  1. De que forma deu-se a ascensão da ponta pequena e o que fez para consumar seu poder?

A união da “igreja” com o Estado teve início com a pretensa conversão de Constantino ao cristianismo.

Visando manter a unidade do Império Romano, este passou a se envolver com a religião, fazendo-lhe concessões. Para tal, era necessário mesclar com a “igreja” princípios do paganismo (entre elas a trindade e a imortalidade da alma), dando origem à feroz apostasia que chegou até nossos dias, perpetuada pelos evangélicos (pentecostais, isto é, espíritas).

A mudança da capital de Roma para Constantinopla (hoje Istambul, cidade da Turquia) em 330 d.Y., enfraqueceu o Império, abrindo caminho ao papado.

  1. Que outra prova importante temos da consolidação do poder da ponta pequena? O que sucedeu com três das dez pontas?

Até 476 d.Y., o bispo de Roma compartilhava o poder com os imperadores de Roma Ocidental, quando houve a invasão de Odoacro, rei dos hérulos, que derrubou o último dos Césares. O Império fragmentou-se em dez reinos menores. O poder papal, no entanto, derrotou seus opositores: Os hérulos em 493, os vândalos em 534 e os ostrogodos entre 538-553 d.Y., adquirindo maior liderança no Império romano do Ocidente.

OBS: Estes três povos eram seguidores de Árius, um presbítero que não aceitava as pretensões do papado que surgia tendo em suas bases a doutrina pagã da trindade trazida por Constantino. Árius cria na geração de hol’Mehushkyah (Pv 8:22-30) e não como o segundo deus de uma triade. Pelo simples fato do inimigo, para poder se estabelecer, ter que eliminar Árius já comprova que este estava certo em suas – e nossas – crenças (Mt 12:26).

Finalmente, o imperador Justiniano emitiu um decreto em 538 d.Y., reconhecendo o bispo de Roma como “o cabeça” de todas as igrejas (papa).

  1. Segundo a profecia, por quanto tempo os santos seriam perseguidos?

Do ano 538 a 1798 d.Y., temos um período de 1260 anos. Durante este tempo, com o poder político-religioso nas mãos, o líder da religião romana lançou feroz e implacável perseguição contra todos os que se opusessem ou discordassem de seus princípios.

Note que Dayan’ul 7:25, fala num período de 3,5 tempos (Dn 11:13) e Ap 13:5-7, de 42 meses, que correspondem aos mesmos 1260 dias…

Ap 12:6,14 menciona igualmente 1260 dias e 3,5 tempos, como o período em que a mulher (Igreja), permaneceria no deserto, protegida da perseguição movida pelo grande dragão vermelho. Compare este dragão (Ap 12:3), com a besta (Ap 13:1): ambos têm sete cabeças e dez chifres, o que significa tratar-se do mesmo poder perseguidor.

Tomando-se por base o princípio de 1 dia = 1 ano (Ez 4:6; Nm 14:34) que pode ser aplicado em certas profecias temporais (Exemplo: As 70 semanas de Dayan’ul), chegamos aos 1260 anos literais.

Em 1798, o papa Pio XI foi aprisionado por Napoleão Bonaparte, vindo a morrer exilado em Valença, na França, no ano seguinte. Isto pôs fim ao período da supremacia papal.

Vencido este período a mulher (a Igreja do CRIADOR ou seja, a Noiva de hol’Mehushkyah) saiu do deserto e seguiu pregando, anunciando de novo a povos, nações e línguas (Ap 10:11; 12:17).

Ap 12:17  E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra aos demais filhos dela, os que guardam os mandamentos do CRIADOR, e mantêm o testemunho de hol’Mehushkyah.

OBS: Na lição 23 você entenderá o que significa o Testemunho de hol’Mehushkyah… Mas, por enquanto, responda: Quais denominações dita cristãs, em nossos dias, guardam na integra os Mandamentos do eterno assim como a Sua Palavra (a Escritura) ou Verbo (Cristo)?

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4

 

 

4 – O Trono de Dao’ud e o hol’Mehushkyah

 Verso Áureo: “E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com Ele, então se assentará no trono da Sua glória.” Mateus/Matt’yaohuh 25:31.

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

As profecias até aqui analisadas nos deram uma visão histórico-profética dos acontecimentos, desde os dias do cativeiro babilônico até o presente momento.

Também foram dadas revelações do futuro, que atestam a vinda gloriosa de hol’Mehushkyah e a implantação de Seu Reino.

Nesta lição vamos conhecer ricos detalhes das promessas divinas, sobre o hol’Mehushkyah e Sua obra, no Reino Milenar de transição da Terra.

RECAPITULAÇÃO

A Pedra que feriu a estátua fica aqui e enche toda a Terra (Dn 2:35, 44);

Após a visão dos animais ou reinos foi revelado o Reino do CRIADOR (Dn 7:22); Os santos fazem parte do governo, neste Reino (Dn 7:22);

A Mulher (Igreja) sobrevive e leva a mensagem final (Ap 12:16, 17; 10:11).

QUESTIONÁRIO

  1. Onde o hol’Mehushkyah encontra-se atualmente; onde será Seu trono e Reino e que trabalho está fazendo?

O hol’Mehushkyah está assentado no trono do CRIADOR (desde a Sua ascensão), a Sua destra (Ap 3:21; Cl 3:I), atuando como nosso mediador e advogado. (I Tm 2:5; I Jo 2: 1 ,2; Rm 8:34)

Seu Reino e trono, todavia, serão aqui na terra. (Lc 1:31-33; At 2:30; Mt 25:31 e Atos 15:16).

  1. Que importante trabalho O hol’Mehushkyah deve executar ainda e que tipo de autoridade recebeu do Pai?

A Obra de hol’Mehushkyah, começou com Seu sacrifício pelos pecados da humanidade, mas a Ele compete restaurar todas as coisas e levar a Terra ao estado paradisíaco do Éden.

Para tal, é preciso que subjugue e vença a toda a potestade e a todos os inimigos do CRIADOR (I Co 15:24-28; Dn 7:14). Para isto, o ETERNO, o Pai, o fez hol’Mehushkyah e O revestiu de toda a autoridade, nos céus e na Terra (Mt 28:18; At 2:22, 34-36; I Pe 3:22).

  1. Qual é o grande mistério ou segredo do CRIADOR anunciado pelos profetas e que será cumprido ao toque da sétima e última trombeta?

Os Profetas e os Salmos falam de um reino onde o hol’Mehushkyah será exaltado por todos os moradores da terra. Finalmente, os yaoshorul’itas cumprirão seu papel missionário. Ao toque da última trombeta, pelo sétimo anjo (Ap 10:7), este mistério se cumprirá, com a entrega dos reinos do mundo à Ele. “E tocou o sétimo anjo a trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Rei e do seu hol’Mehushkyah, e Ele reinará para todo o sempre.” (Ap 11:15).

  1. Que outros eventos terão lugar nesta mesma ocasião? Qual é a razão do arrebatamento dos santos?

Sha’ul fala aos coríntios (I Co 15:51­-54) que, na vinda de hol’Mehushkyah, ao toque da última trombeta, ocorrerá a ressurreição dos santos e a transformação dos santos vivos, o que também o confirma aos tessalonicenses (I Ts 4: 16,17). Este é o galardão, a recompensa dos remidos.

Nota de o Caminho:  Esta transformação não é “adquirirmos” um outro corpo; corpo espiritual significa um corpo santificado, isto é, livre das máculas do pecado, como era pó corpo de Adão/Adan antes da queda!

Outro evento paralelo é a batalha do Armagedom, a reunião das nações contra Yah’shua-oleym, pois estas não entregarão o poder a Cristo, sem luta (Ap 11:17,18).

O arrebatamento, na verdade, não visa transportar a Igreja aos céus, mas na função dos anjos é ajuntar os santos de todos os cantos da terra para o encontro e a recepção do Rei e hol’Mehushkyah, Yaohushua, sobre Yah’shua-oleym (I Ts 4:17; Mt 24:30, 31 cf Ap 1:7).

Note que a Escritura fala que este encontro acontecerá nas nuvens (nuvem também é coletivo de anjos), e que sempre estaremos com o hol’Mehushkyah, mas não fala em seguirmos viagem ao Céu. Leia João 14:3…

 

  1. Após o arrebatamento e o encontro com a Igreja nas nuvens, para onde se dirigirá o Mestre/Maoro’eh, e com qual objetivo?

Aquele será o grande momento quando o hol’Mehushkyah tomará o Reino. Matt’yaohuh revela-nos que Seus anjos terão uma dupla missão:

  1. a) Virão na frente para colher o joio e queimá-lo no fogo. Ou seja, destruir os ímpios. Entretanto será deixado um restante para dar continuidade a vida humana na terra (assunto que falaremos futuramente);
  2. b) Para ajuntar o trigo no celeiro (ajuntamento dos santos). Ver Mt 24:31; 13:30, 40-42. Encontrando-se com a Igreja, o hol’Mehushkyah desce sobre Yah’shua-oleym, destrói Seus inimigos e assenta-Se no trono de Dao’ud (Mt 25:31), conforme as promessas preditas nas profecias.

“E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Yah’shua-oleym para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade dele, para o sul” (Zc 14:4).

  1. Que dizem as profecias, a respeito do trono de Dao’ud e o próximo Rei que reinará sobre a Casa de Jacó? Podem tais promessas serem condicionais e deixarem de cumprir-se?

O CRIADOR prometeu, com juramento, a Dao’ud/Dao’ud, um sucessor do trono e a continuidade de sua descendência. Esta promessa é incondicional. Mesmo que Yaoshor’ul pecasse, este pacto não sofreria mudança (Sl 89:3,4,28-37; Rom 11:1-5).

Seria possível alterar as leis que regem o universo, de forma que não houvesse dia e noite a seu tempo? Seria possível contar-se os grãos da areia do mar, os astros nos céus ou medir os céus para cima e os fundamentos da Terra para baixo? (Ver Jr 31:35-37; 33:20-26).

Se isto fosse possível, então O CRIADOR não poderia cumprir Suas promessas, referentes ao futuro de Yaoshor’ul e a implantação do Reino Milenar Messiânico, na Terra. Leia Hb 6:17-18.

Salmos 132:11 – O CRIADOR jurou a Dao’ud com Verdade, e não se desviará dela: Do fruto das tuas entranhas o porei sobre o teu trono. Leia Atos 15:16.

OBS: Teremos a oportunidade de explorarmos o tema sobre o Arrebatamento e Vida nos Céus em estudo oportuno…

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 – A Restauração de Yaoshor’ul

Verso Áureo: Pois vos tirarei dentre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra. (Ezequiel/Kozoqi’ul 36:24)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Yaoshor’ul foi uma nação formada pelo CRIADOR, com origem no patriarca Abraão/Abrul’ham e com o objetivo de ser um reino sacerdotal na Terra.

Deveria anunciar aos demais povos a fé no verdadeiro e único CRIADOR (I Tm 6:16). Falhou por acabar seguindo os mesmos erros das nações e rejeitando o governo teocrático de hol’Mehushkyah. Não ouviu a Palavra dos profetas e, por sua desobediência, acabou caindo nas mãos dos homens.

As principais punições sofridas foram: a escravidão no Egito por 230 anos, o cativeiro na Babilônia por setenta anos e a dispersão mundial a partir do ano 70 d.Y. O CRIADOR, no entanto, não rejeitou este povo para sempre (Rm 11:2), pois assumiu promessas infalíveis e as cumpri-las-á.

RECAPITULAÇÃO

O hol’Mehushkyah está atualmente assentado no trono do Pai, mas Seu trono será aqui na Terra (Ap 3:21; Atos 15:16);

No Reino Messiânico, Ele vencerá a todos os inimigos (I Co 15:24-28);

Na Sua vinda haverá a ressurreição dos santos (I Co 15:51-54);

Após o ajuntamento dos santos, o hol’Mehushkyah ocupará Seu próprio trono (Mt 25:31; Lc 1:32).

QUESTIONÁRIO

  1. De todos os exílios do povo de Yaoshor’ul, qual se reveste de maior importância para nossa fé?

No Egito, Yaoshor’ul permaneceu cerca de quatrocentos anos; na Babilônia, Yaohu’dah passou setenta anos. (At 7:6; Jr 25:11). Estes, todavia, não foram tão importantes e duradouros quanto à dispersão mundial que teve início no ano 70 d.Y; envolvendo ambos os reinos… Veja para quem Tiago/Yaohu’kaf  está escrevendo a sua carta – Tg 1:1.

Além de previsto pelos profetas, este foi profetizado pelo hol’Mehushkyah. Yaoshor’ul seria espalhado entre todas as nações da Terra e sua casa ficaria deserta (Mt 23:34-39; 24:1, 2). Yah’shua-oleym cairia nas mãos das nações até o tempo determinado (Lc 21:20-24).

Só a partir de 1948, Yaoshor’ul [Yaohu’dah mais as dez tribos do norte (gentios)] seria reorganizado como nação e iniciaria a grande restauração. Cumprir-se-ia a Palavra que fala do nascimento de uma nação em um só dia: “Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez”? (Is 66:8).

No dia 14 de maio de 1948, deu-se o cumprimento desta importante profecia, quando a ONU reconheceu Yaoshor’ul como nação! A restauração total dar-se-á após o Armagedom com o estabelecimento do trono Messiânico – At 15:16.

  1. Quais foram as causas dos cativeiros e qual é a razão do último ser o pior de todos? Que aconteceu a Yaoshor’ul? Que esperavam de hol’Mehushkyah?

A desobediência levou este povo ao sofrimento e à humilhação entre os povos (Dt 4:23, 27; 28:15, 63-65). A pior de todas suas transgressões foi a rejeição ao hol’Mehushkyah com, inclusive, a responsabilidade por Sua morte (Mt 27:25), o que fez com que fosse endurecido (Rm 11:7) e assim abrissem a oportunidade para os povos das nações – gregos, nas Escrituras – o acesso ao Seu reino (Mt 21:33-42; 23:37; I Pe 2:7-10).

Não atentaram para a extensão, grandiosidade e o tempo da instauração do reino a ser restaurado (Is 2:2-4; SI 72:8, 11).

Yaoshor’ul não pôde reconhecê-Lo como hol’Mehushkyah, prometido. Esperava um governo essencialmente político e que o livrasse de seus inimigos terrenos. (Lc 1:69­-74).

  1. Por que havemos de crer que a Palestina (Canaã) pertence a Yaoshor’ul e que este há de possuir a Terra?

O CRIADOR prometeu aquela terra a Abrul’ham e à sua posteridade por eterna possessão (Gn 13:14-17; 17:7, 8). Renovou a promessa a Isaque/Yaohutz’kaq e a Jacó/Yaohu’kaf (Gn 26:3; 28:13-15; Gn 35:10-12; Ex 2:23-25), afirmando que faria Seu povo retomar de onde estivesse, àquela região. Na sua terra, Yaoshor’ul era abençoado. Fora dela passariam por escravidão (Egito); cativeiro (Babilônia) e perseguição (dispersão mundial).

Nota de o Caminho: Os palestinos são os filhos de Esaú/Essáv (Ez 25:13; Jl 3:19; Ml 1:4) e os árabes, filhos de  Ismael/Ishmaúl – Gn 17:20

  1. Já que Canaã pertence aos judaicos por promessa, que tipo de punição lhes aplicaria o hol’Mehushkyah em caso de desobediência? Cancelaria o pacto com os patriarcas e com Dao’ud? Como ficariam as palavras dos profetas, concernentes ao reino messiânico? Rejeitaria para sempre a Yaoshor’ul, como nação?

O pacto será cumprido à risca. O maior castigo aplicado a este povo é sua dispersão mundial – como no deserto por quarenta anos – e humilhação entre os povos das nações. As promessas do reino são incondicionais e não serão alteradas, em hipótese alguma. (Sl 89:30-37; Jr 30:9­-11; 33:24-26; Rm 11:1) – Is 55:11.

  1. Que importantes promessas fez o hol’Mehushkyah a Seu povo, após este sofrer o castigo merecido por sua rebeldia?

Remover seu cativeiro; trazê-lo de volta a Canaã; convertê-lo e restaurar-lhe o reino sob o comando de hol’Mehushkyah, além de unificar Yaoshor’ul (gentios, na Escritura) e Yaohu’dah (Is 9:1; Jr 33:14-17, 25,26; 30:9,10; Ez 36:24,36; 37:21-28; Am 9:14,15) – Ef 2:16.

  1. Que fatos alertam-nos quanto à proximidade da Vinda de hol’Mehushkyah?

A busca de uma paz “definitiva” com os vizinhos árabes e palestinos. A possível mobilização das nações, sob o comando da ONU, visando retirar Yaoshor’ul dos territórios ocupados e principalmente de Yah’shua-oleym, devem merecer a atenção da Igreja/Kehiláh. A possível destruição do Domo da Rocha por terroristas (palestinos?); etc.

O próximo evento, após a remoção do cativeiro de Yaoshor’ul (o que estamos vivendo atualmente) é o ajuntamento de todas as nações contra Yah’shua-oleym (Jl 3:1,2; Zc 12:2, 3, 9; 14:1-4), o Armagedom!

  1. Como os judaicos recepcionarão a O hol’Mehushkyah? Que trabalho caberá aos judaicos no reino messiânico?

A vinda de hol’Mehushkyah marca o fim do endurecimento de Yaoshor’ul e do tempo da salvação das nações. Salvos do massacre final, os restantes de Yaoshor’ul se desmancharão em lágrimas ao constatar que o Libertador é o próprio hol’Mehushkyah que eles um dia rejeitaram (Rm 11:25-27; Zc 12:6-10; Ez 36:24-28; Jr 33:7,8; 50:4-6).

Converter-se-ão e entrarão no Reino Messiânico e os justos de Yaoshor’ul serão como sacerdotes para o restante das nações (Zc 8:7-9, 20-23; 14:14; Ez 36:36, Is 66:19, 21).

Haverá paz e Yah’shua-oleym será exaltada (Zc 8:2, 3; 14:11; Jr 23:6).

OBS: Leia todo o capítulo de Isa 65 e 66 com os olhos voltados para um governo milenial de hol’Mehushkyah sobre a terra…

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6

 

 

6 – A Grande Batalha do Armagedom

Verso Áureo: “E acontecerá naquele dia que farei de Yah’shua-oleym uma pedra pesada para todos os povos; todos os que carregarem com ela certamente serão despedaçados, e ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra”. (Zacarias/Zochar’yaohuh 12:3)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Yah’shua-oleym é a cidade do grande Rei (Mt 5:35; Sl 48:2). Esta é a razão de ser polêmica e motivo de tantas disputas.

Por outro lado, é impossível separar a história de Yaoshor’ul, desta cidade. Perseguir e tentar tirar Yaoshor’ul de lá, é se envolver num conflito direto com o próprio CRIADOR. Este, todavia, é o ideal de muitos líderes muçulmanos e partidários; de que Yaoshor’ul deva abrir mão do território que o CRIADOR lhe deu, para os “irmãos” palestinos.

E o que está faltando, para a vinda gloriosa de hol’Mehushkyah e a implantação de Seu Reino aqui na Terra? O Armagedom ou Monte Megido significa “lugar de tropas”, pois junto está a planície de Esdrelom, onde se congregarão os exércitos que lutarão contra Yaoshor’ul!

RECAPITULAÇÃO

Com os judaicos na sua terra, as nações se unirão contra Yah’shua-oleym (Jl 3:1,2); Completa a plenitude dos gentios, cessa o endurecimento de Yaoshor’ul e seu restante se converterá (Rm 11:25); O hol’Mehushkyah ocupará o trono de Dao’ud e reinará sobre Yaoshor’ul (Lc 1:31-33);

Yaoshor’ul exercerá um trabalho missionário sobre o resto das nações (Zc 8:20-23; Is 66:19).

QUESTIONÁRIO

  1. Qual é um dos principais objetivos de hol’Mehushkyah ao assumir o comando do planeta por mil anos? Que inimigos terão de ser erradicados?

O hol’Mehushkyah acha-se hoje assentado à destra do Pai (Cl 3:1; Ap 3:21), aguardando o momento de completar a restauração ou regeneração de todas as coisas (At 3:21; Mt 19:28).

Virá para instaurar o reinado milenar de transição da Terra ao estado edênico, quando deverá vencer a todos os inimigos, dos quais o último é a morte (I Co 15:24­, 28). Reis e nações serão derrotados; esmiuçados (Ap 2:26,27; 19:15, 21; Dn 2:34,35; Sl 2:8,9).

Os poderes espirituais das trevas serão aprisionados e tirados de circulação, para não perturbarem o governo sobre o restante das nações (Ap 20:1-3; Zc 13:2). A besta e o falso profeta serão lançados no lago de fogo (Ap 19:20).

 

  1. Chegada a hora, como reagirão as nações e que lhes sucederá ao terem que entregar o poder ao grande Rei? Quem livrará a Yaoshor’ul?

A fúria das nações contra Yah’shua-oleym demonstra que passarão o reino ao hol’Mehushkyah somente diante de uma derrota final (Ap 11:15, 18). Com raras exceções, as nações se unirão, por apoio político ou de envio de contingentes militares, numa ação contra Yah’shua-oleym e Yaoshor’ul. O hol’Mehushkyah livrará Seu povo (Zc 12:3-9; 14:1-4, 12-16; Jl 3:2, 12, 16, 17, 20 e 21).

  1. Que papel exercerão os anjos um pouco antes da vinda do Mestre/Maoro’eh?

Virão um pouco antes e, como águias, alcançarão suas presas [joio] e as destruirão, deixando poucos sobreviventes (Mt 13:41, 49, 50; 24:28, 31; Lc 17:34-37). O joio será queimado no fogo. Os salvos (o trigo), divinamente protegidos, estarão aqui na Terra ainda durante a destruição (Is 26:20; Sl 91:7,8; Ml 4:1­3), mas logo serão reunidos, através das nuvens pelo arrebatamento, para recepcionar ao Rei e hol’Mehushkyah sobre Yah’shua-oleym, cumprindo At 15:16…

Grande destruição, elementos ardendo e se fundindo, conforme previsto por Pedro/Kafos, representam as obras dos homens no planeta logo após a restauração milenial (II Pe 3:10). Lembremo-nos de que, no dilúvio, foi igualmente dito que a terra seria destruída (Gn 6:13).

OBS: II Pe 3:10, portanto, cumpre-se após o milênio…

 

  1. Por que a guerra contra Yaoshor’ul acontecerá em Yah’shua-oleym e como entender que é um conflito contra o próprio CRIADOR? Que deve suceder aos palestinos?

Yah’shua-oleym (cidade de paz) é o lugar escolhido pelo CRIADOR para Sua habitação e ali O CRIADOR pôs Seu santuário e Seu povo (I Rs 11:32-34; II Cr 33:4,7; Ed 2:68).

Lá também concentram-se os interesses das principais religiões ditas monoteístas: judaísmo, islamismo e cristianismo (na realidade, a única monoteísta é o judaísmo, apesar de até agora não reconhecerem o hol’Mehushkyah). Lá, os judaicos têm sua história e as ruínas do seu templo; os islamitas construíram a Mesquita dOmar e o cristianismo nominal (trinitariano), suas representações e interesses, inclusive pregando (e idolatrando) um falso Sinai – Gl 4:25.

A guerra contra Yaoshor’ul e Yah’shua-oleym é contra o CRIADOR! Os palestinos, descendentes de Esaú/Essáv, que também representam o mundo árabe (yshmaul’itas – Gn 21:13, 18), estão posicionados contra Yaoshor’ul e serão punidos pelo hol’Mehushkyah. (Obadias/Awod’yaohuh vs. 15-21).

  1. Seria o Armagedom uma Terceira Guerra Mundial? Por que Armagedom? Por que esta guerra? Quantas batalhas podemos esperar ainda contra Yah’shua-oleym?

O combate que ocorrerá na vinda de hol’Mehushkyah, na verdade acontecerá no Vale de Yaohu’shuafát ou Cédrom, junto a Yah’shua-oleym.

Armagedom é o lugar previsto para o ajuntamento dos exércitos (Zc 14:1-3; Ap 16:16; Jl 2:2, 12). Os efeitos deste conflito, no entanto, alcançarão a todo o planeta, pois é o grande dia da ira do CRIADOR e do acerto de contas com reis e nações (Sf 1:14-18; 3:8).

A descrição revela sim, uma terceira guerra mundial e quando o potencial atômico mundial será detonado (Jl 2: 1­5; Zc 14:12). Yah’shua-oleym será a capital do Reino Messiânico (Is 2:2, 3). No fim dos mil anos será objeto de outro cerco militar, promovido por satanás e os que seduzir dentre as nações que se formam dentro do milênio. Fogo descerá do céu e os consumirá (II Pe 3:10 cf. Ap 20:1-10).

  1. Quando será a vinda de hol’Mehushkyah? De hoje para amanhã? Qual será a situação de Yah’shua-oleym, após o Armagedom?

A Igreja/Kehiláh está atenta aos eventos proféticos que vêm desenrolando-se, como a restauração de Yaoshor’ul e o fim do domínio pagão (dito cristão) sobre Yah’shua-oleym com a guerra dos seis dias em 1967. O ex-líder da Organização para Libertação da Palestina, Yasser Arafat e a ex-liderança israelense de Ariel Sharom, em lados opostos, de forma nunca amistosa, defenderam seus anseios por territórios. E depois deles, os EUA, continuam a mostrar seus dotes de “pacificador”. Este conflito tem tempo definido: o retorno de hol’Mehushkyah! Até lá não é predito uma entrega de Yaoshor’ul…

Estamos agora aguardando o grande Rei, o hol’Mehushkyah, que vai ocupar o trono de Dao’ud. O hol’Mehushkyah não virá antes desta batalha definitiva (6ª praga). Pregar que Ele já veio (1914), é, no mínimo, falta de conhecimento das profecias em andamento.

A Igreja/Kehiláh do CRIADOR não está em trevas (I Ts 5:4; Ef 2:20) e tem sólido fundamento nas palavras dos profetas. Ela sentirá a proximidade deste glorioso evento! Lucas 12:51-56.

OBS: Solicite mais informações sobre o Armagedom e os fatos que o antecede.

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

7

 

 

7 – O Reino Milenar Messiânico [terreal] 

Verso Áureo: “Mas, nos dias destes reis, o CRIADOR do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, e será estabelecido para sempre”. (Dayan’ul 2:44).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

A grande esperança do povo de Yaoshor’ul é pelo hol’Mehushkyah e por uma era de paz e justiça na Terra. Exatamente esta é a mensagem que anunciamos ao mundo, ao testemunharmos do Evangelho do Reino do CRIADOR. A instauração deste reino é certa e tudo indica que estamos próximos deste grande evento.

Vivemos a parte final da estátua vista por Nebuchadnezar e é nos dias destes reis que o hol’Mehushkyah levantará um reino que jamais será destruído. Não haverá nenhum outro governo intermediário!

RECAPITULAÇÃO

Chegado o tempo, as nações entregarão o poder ao hol’Mehushkyah (Ap 11:15);

Os anjos destruirão os ímpios e poucos homens restarão (Mt 13:41; Is 24:6);

Yah’shua-oleym será cercada e invadida, mas o hol’Mehushkyah a livrará (Zc 14:1-3);

Após o Milênio, Yah’shua-oleym terrena será novamente sitiada (Ap 20:9).

Neste momento cumprir-se-á II Pe 3:10…

QUESTIONÁRIO

  1. Que importante promessa incondicional foi feita a Dao’ud e confirmada ao povo judaico por meio dos profetas? Qual é o mistério anunciado aos profetas?

A continuidade do reino e do trono de Dao’ud, com o hol’Mehushkyah no poder (Sl 89:3,4; 132: 11; Jr 23:5-8). Esta era, que denominamos Reino Milenar Messiânico, será um período de paz e justiça na Terra e disto falaram os santos profetas. Ao toque da sétima e última trombeta, o mistério encontrará seu cumprimento (Ap 11:15).

  1. Passava pela mente dos discípulos de hol’Mehushkyah o estabelecimento de um reino nos céus? Kafos estava preocupado em como ir ao Céu com Ele?

Jamais foi ensinado ou crido pelos yaoshorul’itas e pelos apóstolos um reino ou morada nos céus. Os discípulos, sempre que lhes parecia oportuno, indagavam se era o momento de hol’Mehushkyah assumir o comando em Yah’shua-oleym e instaurar o reino (Lc 19:11,12; João 6:14, 15; 12:14, 15; At 1:6­8; Lc 1:68-74; 24:21; João 13:36, 37; 14:3).

Infelizmente, não puderam entender que o reino seria mundial e sobre todas as nações.

  1. Para onde irá o hol’Mehushkyah em Sua vinda, após o glorioso encontro com Seu povo? É bíblico um retorno aos céus?

A pedra que feriu a estátua não voltou para o Céu. Ao contrário, se fez um grande monte (reino) e encheu toda a terra (Dn 2:35).

Quando o hol’Mehushkyah vier, após o encontro com os salvos nas nuvens, Ele descerá sobre o Monte das Oliveiras (I Ts 4:17; Zc 14:4). Dará livramento a Yah’shua-oleym, converterá a Yaoshor’ul e se assentará no trono de Dao’ud (Zc 12:8-10; 14:9; Mt 25:31; At 2:30). Não haverá retorno dEle ao Céu, para um reinado lá!

  1. Qual é o principal objetivo do Reino Messiânico e que fato acontecerá no final deste? Como estará o planeta, após a derrota de todos os inimigos?

A terra agora está contaminada e terá que passar por uma transformação (Is 24:5,6 – restauração). O hol’Mehushkyah já aniquilou o pecado com Seu sacrifício e agora virá para completar Seu trabalho, derrotando os inimigos para, no fim dos mil anos, entregar o Reino ao Pai (I Co 15:24-28; Sl 110:1, 2).

A terra, no fim do Milênio, totalmente purificada, estará apta para receber a Nova Yah’shua-oleym juntamente com o CRIADOR (Ap 21:1-3).

  1. Quem serão os participantes do Reino e como se comportarão?

Na condição de homens sobreviventes ao Armagedom, estarão aqui os yaoshorul’itas e os restantes das nações (Is 24:6; Ez 36:36). Os restantes das nações (que se posicionaram contra Yah’shua-oleym, mas que sobreviveram, por terem sidos apenas marcados na mão pelo inimigo) deixarão de ser indiferentes e conhecerão ao hol’Mehushkyah, cumprindo-se assim muitos Salmos que proclamam um tempo em que todos os povos hão de adorá-Lo (Zc 14: 16; Dn 7:27; Sl 72:11; 22:27-29).

Os santos, já não mais estarão como homens pecadores; possuindo, portanto, uma natureza diferente, santa (Mt 22:30; I Co 15:42-44, 52-54)!

OBS: Não mais possuirão esta natureza contaminada pelo pecado…

Entre os salvos ressurretos estarão os 144.000 e estarão no governo; serão reis e sacerdotes durante todo o Milênio (Ap 5:9, 10; 20:6; 3:21; 2:26,27 – leia Apocalipse 7). Os demais ressurretos de todos os tempos, formam a Grande Multidão a qual, os novos salvos – os vivos selados pelo Criador – farão parte…

  1. Que papel exercerá a cidade de Yah’shua-oleym terrena, no Reino Messiânico?

Yah’shua-oleym terrena será a capital do Reino e de onde partirão todas as decisões. Haverá segurança e será exaltada e a ela concorrerão os povos (Is 24:23; 2:3; Mq 4:2; Jr 33:16; Jl 3:20, 21; Zc 2:10-­13; 8:22).

  1. Que sucederá aos homens no fim do Milênio?

No fim do Milênio, a Terra estará novamente povoada. Os restantes das nações darão continuidade à vida humana no planeta, todavia, seus descendentes não conhecerão o mal! Ap 20:4.

Não serão provados, pois satanás e suas hastes estarão aprisionados para não os enganarem. Findo os mil anos, este adversário será solto por um pouco de tempo e buscará recrutar discípulos entre as nações que se formaram durante o milênio; para a última tentativa de aniquilar hol’Mehushkyah.

Sitiará a cidade querida (Yah’shua-oleym terrena), mas fogo descerá do Céu e os consumirá (Ap 20:1-10; II Pe 3:10).

Os homens que não aderirem à este levante (escolheram a Verdade), terão a oportunidade de adentrarem a Eternidade, pois a morte, o último inimigo, será eliminada (Ap 20:14; 21:24-26; 22:2).

Yashua’yah nos dá uma visão deste governo messiânico: …Então os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvidos dos surdos se desimpedirão. Então o coxo saltará como o cervo, e a língua do mudo cantará de alegria; porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo. E a miragem tornar-se-á em lago, e a terra sedenta em mananciais de águas; e nas habitações em que jaziam os chacais haverá erva com canas e juncos. Is 35:5-7 (leia Isa 65 e 66 sob esta ótica messiânica).

OBS: No próximo estudo você terá mais detalhes sobre o Reino Milenar terrestre do nosso hol’Mehushkyah!

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8

 

 

8 – Detalhes do Reino Milenar Messiânico

Verso Áureo: “Do incremento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Dao’ud e no Seu reino, para o firmar e o fortificar em juízo e em justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Rei dos Exércitos fará isto”. (Yashua’yah 9:7).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Finalmente chegou a tão almejada paz. Yah’shua-oleym goza de segurança e de lá o hol’Mehushkyah ordena a bênção (Sl 133:3). Conforme predito, a Casa de Jacó/Yaohu’caf tem seu Rei, o trono de Dao’ud ocupado e o Reino não tem mais fim. A mensagem do anjo a Maoro’hem encontrou seu pleno cumprimento: “E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de [Yaohushua]. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e O CRIADOR lhe dará o trono de Dao’ud, seu pai. E reinará eternamente na casa de Yaohu’kaf, e o Seu reino não terá fim.” (Lc 1:31-33 cf At 15:16).

RECAPITULAÇÃO: A “Morada nos Céus” não vem dos profetas nem dos apóstolos (João 13:36); hol’Mehushkyah vai assentar-se no trono de Dao’ud, em Yah’shua-oleym, a cidade querida (Mt 25:31; At 2:30);

Sob o governo de hol’Mehushkyah, os inimigos serão subjugados (I Co 15:24-28);

…e a Yah’shua-oleym terrena será a capital do Reino Milenar (Is 2:3; Mq 4:2).

QUESTIONÁRIO

  1. O que sucederá a todas as nações que se levantarem contra Yaoshor’ul? Restarão sobreviventes da catástrofe final?

Serão destruídas! Todavia restarão sobreviventes, sobre os quais terá início o Milênio (Is 24:6; Ez 36:36). O restante das nações (que se posicionou contra Yah’shua-oleym) deixará de ser indiferente e servirá ao hol’Mehushkyah, cumprindo-se assim muitos Salmos que proclamam um tempo em que todos os povos hão de adorá-Lo. (Zc 14: 16).

OBS: O critério para que restem nações será o mesmo usado em Apocalipse 13; a grande maioria irá contra Yaoshor’ul conscientemente (marcados na testa/mente), porém, outros (poucos) vão contra a sua própria vontade e merecerão uma nova oportunidade; mas, a grande maioria dos marcados na mão, dirão: Tanto faz… se é preciso exterminá-los, faremos isto! Para estes e os primeiros, não haverá misericórdia!

Será regido com vara de ferro pelo hol’Mehushkyah e seus santos, pois, uma vez aprisionado o príncipe das trevas e suas hastes, a tentação desaparecerá, dando lugar ao desenvolvimento de nações que servirão ao hol’Mehushkyah.

  1. Por que não haverá uma extinção total de homens e animais, no Armagedom?

O CRIADOR não criou a Terra para que fosse vazia (Is 45: 18), nem para ser lugar de habitação dos ímpios (Mt 13:41; 15:13).

Com o dilúvio e a grande arca de Noé, O CRIADOR puniu seus habitantes; sem, todavia extinguir a criação (II Pe 2:5). Fez uma promessa de não mais ferir todo o vivente (Gn 8:21). Se na vinda de hol’Mehushkyah tudo fosse destruído, então esta palavra não seria cumprida, nem tampouco, haveria homens e animais no Milênio (Is 11:6-9). O CRIADOR preservará homens e animais (Sl 36:6).

  1. Como será a convivência entre os homens e os animais ferozes no Milênio?

Yashua’yah fala-nos que homens e animais, no Reino Milenar Messiânico, habitarão em paz (Is 11:6-9; 65:25). No princípio, na ausência do pecado, também havia paz com os animais. Agora o profeta menciona uma criança de peito mexendo na toca da serpente e um menino guiando animais selvagens, mas afirma que nenhum mal ocorre no santo monte de hol’Mehushkyah; Yah’shua-oleym. Mas, como a morte (o ultimo inimigo) ainda não foi lançada no Lago de Fogo (Ap 20:14) ainda é possível morrer (assim como ter filhos). Is 65:20 nos mostra o poder da morte (e do pecado) durante o milênio terreal… Pergunto: se fosse no Céu ou na Vida Eterna, haveria morte?

  1. Que papel exercerão as aves de rapina e os judaicos, finda a grande batalha?

As aves de rapina e os judaicos cuidarão da limpeza da Terra, após a catástrofe que abaterá as nações (Ap 19:17,18; Ez 39:4,9-15).

  1. Teríamos como saber algo a respeito do crescimento populacional e da longevidade do homem no Reino Milenar? Existirá a morte nesta era? Haverá evolução cultural nesta época?

Chegarão e anunciarão a sua justiça ao povo que nascer, porquanto ele o fez.” (Sl 22:31) …e todas as gerações das nações adorarão perante a Tua face (Sl 22:27). O CRIADOR permitiu que houvessem sobreviventes das nações para que estas crescessem e fossem preservadas para servi-Lo. O CRIADOR quer a Terra com diferentes povos, pois dEle são as nações (Sl 82:8).

Como vimos, no Milênio nascerão crianças e estas não morrerão de poucos dias; com cem anos o homem é jovem e, como no primeiro milênio, neste também poder-se-á viver mil anos (Is 11:6-8; 65:20; Gn 5:27). Se alguém, no entanto pecar, morrerá!

OBS: Usualmente tem-se dito que Is 65/66 refere-se à Nova Terra (após o milênio – a citação ali colocada – vs 17 – é uma promessa [futura]), porém note que Yashua’yah fala de morte, pecado e de pessoas que ainda não O conhecem (Is 66:19)… Leia com atenção estes dois capítulos e note que se encaixam perfeitamente durante o Reino Milenar, terreal, de hol’Mehushkyah… O reino será próspero, pois a Terra se encherá do conhecimento de hol’Mehushkyah (Is 11:9; 2:4; Hc 2:13,14).

  1. Quem são os participantes das nações que irão, no fim do Milênio, atacar a cidade amada e o arraial dos santos? Que cidade é esta: Yah’shua-oleym terrena ou a celestial?

No fim dos mil anos a Terra estará cheia de habitantes, que tiveram o privilégio de viver uma era de prosperidade, justiça e paz, pois viveram num reino teocrático sob o governo justo de hol’Mehushkyah. Estes, no entanto, terão que ser submetidos à prova, quando for solto o inimigo.

Os que aderirem ao maligno participarão de um sítio contra a capital Yah’shua-oleym (terreal), mas serão consumidos pelo fogo vindo do céu (Ap 20:7-9 – Aqui cumpre-se II Pe 3:10). A cidade querida aqui mencionada não é a Yah’shua-oleym Celestial (esta só desce depois de vencidos todos os inimigos e a renovação total do planeta) e os rebeldes não são os ímpios ressuscitados, pois estes só ressuscitam após a destruição TOTAL dos insurgentes. Ap 20:11-15.

  1. Vencidos todos os inimigos, como será o planeta e o que ocorrerá de especial?

A terra estará totalmente nova quando já não existirem os inimigos. A morte é o último inimigo, pois tem que existir para dar fim aos demais (inclusive durante o milênio continuará a ter a possibilidade de se morrer). Uma vez extinta a morte, os participantes das nações que não se deixaram seduzir pelo inimigo e não atacaram a Yah’shua-oleym, automaticamente não morrem mais e passam para a Eternidade como homens imortais. Serão exatamente como seria Adão/Adan, se não tivesse pecado e a Terra estará seguindo seu curso exatamente como o CRIADOR planejou no princípio. A Terra volta ao estado pleno de perfeição, com seus habitantes (homens e animais); tudo como era para ser se o pecado não tivesse interferido (Ap 20:14; 21:1-5, 24-26).

OBS: Aqui, continuará o princípio divino de “crescei e multipliqueis…” (Gn 1:28 – ordem dada antes do pecado, quando ainda eram “imortais”), pois foi assim que o CRIADOR criou o homem e assim será – Tiago 1:17 – pois o ETERNO não erra! Não errou na criação, não errará na consumação do pecado. Amnao!

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

9

 

 

9 – Tempo de Recompensa aos Santos 

Verso Áureo: “E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, …e o tempo de destruíres os que destroem a terra .. ” (Apocalipse 11:18)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Nossa esperança tem que estar fundamentada em algo realmente sólido, assim como o fundamento da Igreja/Kehiláh.

Nossa casa tem que estar edificada na rocha, que é a Palavra do CRIADOR, caso contrário sucumbiremos no dia final e não haverá organização religiosa que nos sustente. Para onde vamos? Que nos sucederá logo após a morte?

Muitos pensam num lugar intermediário, onde os santos ficam: o Seio de Abrul’ham. Baseiam-se na parábola do Rico e Lázaro. Outros já acham que o cristão, logo após a morte, segue imediatamente para o Céu. Qual será a verdade?

RECAPITULAÇÃO

Morada nos Céus não vem dos profetas nem dos apóstolos (Jo 13:36);

Chegado o tempo, as nações entregarão o poder a Cristo (Ap 11: 15);

Hol’Mehushkyah vai se assentar no trono de Dao’ud, em Yah’shua-oleym (Mt 25:31; At 2:30);

A Pedra que feriu a estátua fica e enche toda a Terra (Dn 2:35,44).

QUESTIONÁRIO

  1. O que ensina as Escrituras sobre o estado do homem após a morte? Continuaria vivendo num mundo espiritual, paralelo ao nosso?

Após a morte o homem dorme um sono profundo, Não há consciência de nada; absolutamente nada sabe do que se passa (I Ts 4:13; I Co 15:18-20; Ec 9:5,6,10; Sl 6:5; 17:15; 115:17; 146:4).

Melhor testemunho disto nos deu hol’Mehushkyah, ao afirmar que Lázaro estava dormindo (Jo 11:11-14). Somente acordaremos por ocasião da ressurreição (Jo 5:28,29; 6:39-44, 54). Cf. Hb 11:39-40.

  1. Onde permanecem os mortos?

Quantas ressurreições estão previstas?

Os mortos dormem no pó da terra, até a ressurreição do último dia (Dn 12:2; Jó 17:13; Sl 115:17; Ec 3:19,20; 12:7; Is 26: 19).

Estão previstas duas ressurreições: a primeira, para os santos, na vinda de hol’Mehushkyah e a segunda, no fim do Milênio, quando os ímpios ressuscitam para o juízo final (Ap 20:4-6,11-13).

  1. Os heróis da fé (Hebreus 11) já estariam desfrutando das promessas divinas? O que se passa com eles atualmente? Existe um tempo determinado para a entrega do galardão aos santos?

Já temos visto que todos os mortos dormem no pó da terra, logo ninguém, mesmo os heróis da fé, pode estar desfrutando das promessas divinas (Hb 11:39-40).

O hol’Mehushkyah afirmou que os justos ressuscitarão no último dia (Jo 5:28,29; 6:39­-44, 54; Ver I Co 15:22,23). O CRIADOR tem em memória o testemunho dos santos e todos receberão, na ressurreição, a promessa: a vida eterna (Lc 14: 14).

Não é verdade que os 144 mil ou outros santos já estejam com Cristo reinando. Ninguém recebe adiantado (Hb 11:13, 39-40; Mt 19:27-29; Ap 11:18; 22: 12). Na vinda de hol’Mehushkyah ocorrerá a primeira ressurreição, a dos santos, dando fim ao ajuntamento de tropas no Armagedom e a guerra no Vale de Yaohu’shuafát, que se estendeu por todo o planeta.

Ocorrerá então o ajuntamento dos santos – vivos e que presenciarão a Volta de hol’Mehushkyah – nos ares, pelo arrebatamento, para o encontro com Ele; a descida sobre o Monte das Oliveiras; a conversão de Yaoshor’ul e a implantação do Reino Milenar na Terra, com o hol’Mehushkyah no trono de Dao’ud.

  1. E o seio de Abrul’ham, de que fala a parábola de Lucas 16:19-31? Não é um lugar onde os salvos ficam até a vinda de hol’Mehushkyah?

Primeiramente, é bom sabermos o que é uma parábola. É uma forma de ilustração comparativa que visa esclarecer uma verdade qualquer. Nem sempre usa de uma história verídica, nem tenta contar algo que deva ser aceito como uma história real e sim um tipo de narrativa que nem sempre ocorreu realmente. (Ver Enciclopédia de Escritura Teologia e Filosofia, Vol. 5, pág. 57).

A parábola do rico e Lázaro, na verdade ilustra a situação dos judaicos, ricos espiritualmente, por possuírem os oráculos divinos (Rm 3:1; 9:4,5), mas duros de coração; e dos homens (das nações), pobres, estranhos aos concertos da promessa e sempre na dependência das migalhas (Ef. 2:11,12,19; Mt 8:8-12; 15:21-28; At 10:28). Estes, todavia foram sensíveis na aceitação de hol’Mehushkyah e Sua Causa.

Na verdade, os que buscam entender literalmente a parábola, o fazem para defender a imortalidade da alma, dogma de origem pagã, introduzido na religião cristã apostatada (todo o cristianismo com origens na ICAR). Analise e diga-nos quantas graves contradições surgirão se você tentar literalizar a parábola.

  1. E quanto a Enoque, Elias e Moisés? Não tiveram estes um tratamento diferenciado?

Segundo as Escrituras, todos os homens devem morrer (Hb 9:27).

Enoque, bem como todos os demais santos, morreram (Hb 11:13, 32-34; Jd 9). Elias, cerca de 10 anos depois de seu arrebatamento, enviou uma carta a Yeorão (II Cr 21:12), rei de Yaohu’dah. Onde estava Elias? No Céu? Quanto ao Monte da Transfiguração note as palavras de hol’Mehushkyah ao descer do monte: …Enquanto desciam do monte, Yaohushua lhes ordenou: A ninguém conteis a visão, até que o Filho do homem seja levantado dentre os mortos. Mt 17:9 (tiveram uma visão).

  1. Pense, se estes homens do CRIADOR já desfrutam da salvação, como entender a passagem que diz ser hol’Mehushkyah “primícias entre os mortos”?

Houve ressurreições de mortos antes e depois da ressurreição de hol’Mehushkyah, todavia hol’Mehushkyah foi o único que reviveu para a vida eterna. Os demais, todos morreram de novo. (I Rs 17:22-24; II Rs 4:34,35; 13:20-21; Mt 9:25; Lc 7:12-15; Jo 11:43,44; Mt 27:52,53; Hb 11:35; At 9:40).

Por isso O hol’Mehushkyah é considerado primícias dos que dormem, ou seja, o primeiro ressurreto que vive eternamente. Isto descarta a possibilidade de haver outros, já ressurretos para a vida eterna. Os que são de hol’Mehushkyah, reviverão na Sua vinda, (At 26:23; I Co 15:20-23; Fp 3:20-21).

…e serás bem-aventurado; porque eles não têm com que te retribuir; pois retribuído te será na ressurreição dos justos.    Lucas 14:14

OBS: Solicite mais informações sobre Enoque, Elias e Moisés…

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10

 

 

10 – A Igreja do CRIADOR na Profecia

Verso Áureo: “A tua justiça é como os montes do CRIADOR, os teus juízos são como o abismo profundo. Tu, ó hol’Mehushkyah, preservas os homens e os animais.” (Salmo 36:6)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Por que há, em nossos dias, esta pluralidade de religiões denominadas “igrejas cristãs”? Foi na verdade isto que hol’Mehushkyah criou?

É correto promover divisões e fundar novas denominações? Existiria um fundamento bíblico para tudo isto?

Para encobrir a verdade e não despertar interesses em pesquisa sobre o assunto, as facções tratam de inculcar na mente do povo que denominação ou placa religiosa não salva e que o negócio é só crer em hol’Mehushkyah. Que não importa a que organização religiosa pertença-se, desde que se creia em hol’Mehushkyah e que deus é um só. Seria assim mesmo? Mas antes de continuarmos poderíamos afirmar que REALMENTE “placas” não salvam, mas podem levar à perdição! Ap 18:4.

QUESTIONÁRIO

  1. Basta tão somente crer em hol’Mehushkyah para ser salvo? Como podemos identificar um salvo?

Na verdade, só mesmo através de hol’Mehushkyah é que temos a salvação (At 4:12; Ef 1:7).

No entanto, há certos detalhes, entre outros, que identificam um verdadeiro discípulo, remido pelo hol’Mehushkyah:

  • É realmente convertido e recebeu a imersão bíblica da remissão (At 2:38);
  • Anda no Espírito de hol’Mehushkyah e não produz as obras da carne (Rm 8:1; Gl 5:16);
  • Dá muitos frutos e obedece espontaneamente à Palavra (Jo 15:4-8);
  • Guarda os mandamentos do CRIADOR (Jo 14:21; 15:10).

OBS: Repetimos, uma denominação pode por em risco a salvação de seus membros ao impor-lhes erros doutrinais… Portanto, não é bem assim como dizem que PLACA não salva; só o hol’Mehushkyah! Não salva, mas pode por a perder-se uma alma sincera!!!

Pode o hol’Mehushkyah habitar em um corpo contaminado pelas falsas doutrinas e dedicado a satã através das suas mentiras? (Ap 3:20; 18:4).

  1. Pode uma pessoa, sem vínculo com a verdadeira Igreja/Kehiláh, ou ligado a outros movimentos, considerar-se um salvo e esperar confiante pelo hol’Mehushkyah? Em conformidade com as Escrituras, quantas Igreja/Kehiláh existem?

Todos os que haviam de salvar-se, eram acrescentados à Igreja/Kehiláh (At. 2:37,47).

Aconteceu com o oficial da rainha Candace, com Sha’ul e inclusive com o pagão, Cornélio (Atos 8:38; 9:11; 11:13, 14).

A Igreja/Kehiláh é o Corpo de hol’Mehushkyah. Fora deste Corpo, não há como estar ligado na Cabeça (Rm 12:5; I Co.12:12,20,27).

Biblicamente, o CRIADOR só tem uma única Igreja/Kehiláh e nunca admitiu divisões/concorrências (Mt 16:18, Cl 1:18,24; I Co 1:10; 3:3). Assim como o ramo, fora da videira morre e seca, assim sucede com o crente, fora da Igreja/Kehiláh de hol’Mehushkyah; que, porém, não está entre quatro paredes…

  1. Onde, quando e por que foi fundada a verdadeira Igreja/Kehiláh? Pode alguém reconstruir ou fundar uma outra Igreja/Kehiláh cristã?

A Igreja/Kehiláh é a reorganização da legítima Comunidade de Yaoshor’ul (Ef 2:12; At 15:14­17). Foi fundada pelo hol’Mehushkyah, há quase dois mil anos e teve por ponto de partida, a cidade de Yah’shua-oleym (Mt 16:18; At 1:8). Ninguém pode fundá-la de novo ou fundar outra, a menos que aquela de hol’Mehushkyah tenha deixado de existir.

  1. Que grave incidente estava previsto na trajetória da Igreja/Kehiláh, com o passamento dos apóstolos?

A Igreja/Kehiláh recebeu a missão de testemunhar ao mundo o Evangelho do Reino do CRIADOR – “o Caminho”, começando por Yah’shua-oleym. Tal missão começou no dia de Pentecostes, com a volta de hol’Mehushkyah, em onipresença espiritual (Ap 3:20 cf Mt 18:20; 28:20) e só deverá terminar por ocasião da Sua vinda! Com a morte dos apóstolos, o inimigo aproveitou-se para introduzir, por meio de homens corruptos, um processo de apostasia, que redundou na aliança de parte desta, com o Estado Romano (At 20:28-31). A outra parte permaneceu fiel; não se rendeu e teve de fugir, para sobreviver e escapar da perseguição do anticristo (Ap 12:14).

  1. Teria a verdadeira Igreja do CRIADOR desaparecido na era negra? Que destino tomou esta durante os 1260 dias proféticos de perseguição?

A Igreja/Kehiláh jamais foi destruída, pois o próprio Mestre/Maoro’eh assegurou:

  1. a) Que as portas do hades (inferno, sepultura, destruição) não prevaleceria contra ela (Mt 16:18);
  2. b) Que Ele mesmo estaria com ela todos os dias, até fim dos séculos (Mt 28:20);
  3. c) Que ela seria protegida da perseguição dos 1260 anos, do poder do anticristo (Ap 12:6, 14);
  4. d) Que ela voltaria a profetizar a povos, nações e línguas (Ap 10:11).

As sete lâmpadas do castiçal, permanentemente acesas (Ap 1:20), são as sete igrejas ou sete eras da Igreja, desde os dias apostólicos até a vinda de hol’Mehushkyah. Como a mulher de Apocalipse 12, a Igreja/Kehiláh não foi destruída na era negra e nunca deixou de existir. Vencido o período de perseguição da ponta pequena (o papado ou anticristo), a Igreja/Kehiláh saiu do deserto e voltou a anunciar o Reino do CRIADOR (Ap 10:11).

  1. Que tipos de erros estão incorrendo os fundadores de “igrejas”, diante dos claros ensinos das Escrituras?

Ao fundar “igrejas”, estão comprovando que não acreditam na existência da Igreja/Kehiláh original (VERDADEIRA) e nem nas palavras de hol’Mehushkyah: …e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; Mt 16:18. Se cressem que ela não foi extinta, não estariam montando concorrência. Com isto, chamam O hol’Mehushkyah de mentiroso. A Igreja/Kehiláh fundada pelo hol’Mehushkyah foi e é um elo com o judaísmo em seus costumes bíblicos e crenças fundamentais…

Pela imersão em nome de hol’Mehushkyah nos ligamos a Cristo e à Comunidade de Yaoshor’ul. Nos tornamos membros da Família do CRIADOR.

Dizer que a Igreja/Kehiláh acabou é legitimar a religião romana. Quem imergiu e deu ministério aos reformadores protestantes vindos da religião papal? Se os reconhecermos, teremos que reconhecer o clero da ICAR. Ademais, teremos que admitir que as cruzadas, a inquisição e toda a perseguição tiveram a aprovação do CRIADOR e a presença de hol’Mehushkyah (… estou convosco todos os dias –  Mt 28:20).

  1. Como identificar e discernir as falsas “igrejas” da legítima Kehiláh do CRIADOR?

Pela mensagem e princípios de fé é possível conhecer-se movimentos com origem na religião papal e principalmente por professarem o credo na doutrina pagã da trindade…

A maioria destes, crê e ensina a imortalidade da alma; defende idêntica posição quanto à divindade de hol’Mehushkyah com O ETERNO; acredita que vai morar no Céu e defende a maior divindade do paganismo, o deus-sol, prestando-lhe uma indiscutível homenagem ao honrá-lo num culto semanal (o domingo) e santificando-lhe um dia no ano, dedicado ao seu nascimento (o natal, o domingo dos domingos). Ainda que um ou outro grupo diga ter origem apostólica, seus ensinos é que vão realmente revelar sua procedência.

OBS: Para saber se a igreja que você frequenta é a igreja que hol’Mehushkyah fundou, veja se as suas doutrinas fundamentais são embasadas nas Escrituras… Solicite uma cópia do nosso credo e compra com as suas – da sua denominação –  atuais crenças!

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11

 

 

11 – A Parábola do Trigo e do Joio

Verso Áureo: “A tua justiça é como os montes do ETERNO, os teus juízos são como o abismo profundo. Tu, hol’Mehushkyah, preservas os homens e os animais”. (Salmo 36:6).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Ao criar nosso planeta, o plano original do CRIADOR determinava que este fosse habitado por homens que O servissem.

Os animais vieram para complementar a alegria dos homens e viverem em plena harmonia. A rebelião de lúcifer veio transtornar, ainda que transitoriamente, a paz aqui reinante.

Como tudo tem um tempo, nestes seis mil anos de história o efeito do pecado tem trazido muito sofrimento a todos os habitantes da Terra, mas em breve tudo estará em seus devidos lugares e funcionando exatamente conforme o projeto original de nosso sábio Criador. Nada irá alterar a vontade do ETERNO e o mal ficará para trás.

 

QUESTIONÁRIO

 

  1. De acordo com a exposição de hol’Mehushkyah, na parábola do Trigo e do Joio, para que tipo de semente foi preparado o campo e o que aconteceu quando esta cresceu e frutificou?

O campo foi trabalhado para receber o trigo e não o joio, todavia este apareceu mais tarde (Mt 13:24-26).

  1. Como reagiram os servos do pai de família, diante do surgimento do joio e quem semeou esta má semente?

Os servos do Pai de família (os anjos e não os homens), ao constatarem o joio no meio do trigo, quiseram arrancá-lo, todavia foram aconselhados, para assim, não prejudicar o trigo e aguardar o tempo da colheita (Mt 13:30). Cf. Mt 7:16.

  1. De acordo com a orientação de hol’Mehushkyah, como se processará a colheita final?

Os ceifeiros devem primeiro, colher o joio, atá-lo em molhos para o queimar e depois sim, ajuntar o trigo, no celeiro (Mt 13:30).

  1. Qual é a real interpretação da parábola? Que definições você conhece e por que muitos não conseguem entendê-la?

O entendimento da Palavra do CRIADOR é reservado aos que verdadeiramente são sinceros. Não está ao alcance de todos (Mt 13:11-15; Pv 2:6,7). A razão dos religiosos não darem a verdadeira explicação é porque eles não a aceitam como é, e assim ficam sem chance da revelação do Espírito (Yaohushua), que é santo!

Esta parábola é muito profunda em seus objetivos e responde a muitas de nossas indagações, revelando os planos do CRIADOR para o planeta e à humanidade:

  1. a) 24 e 37: A pessoa que semeou a boa semente é o Filho do homem, ou seja, hol’Mehushkyah. Ele é a Palavra, o verbo. (Jo 1:1, 3, 10; Sl 33:6; Cl 1:16; Hb 1:2; 11:3)  
  2. b) 25-28, 38, 39: O campo: É o mundo, a Terra. Os homens dormiram:

Houve um tempo em que Lúcifer tratou de promover sua rebelião e conseguiu seduzir uma parte dos anjos (Ap 12:4, 7-11).

Aqui na Terra o homem não vigiou e pecou, desobedecendo a ordem divina (Gn 3:1-6).

A boa semente, o trigo: representa os filhos do reino, os justos. O joio: Os filhos do maligno, os ímpios. O inimigo é que semeou o joio: É o diabo que, fazendo o homem pecar, deu origem aos pecadores e ímpios (Rm 5:12).

O CRIADOR providenciou a salvação, todavia, nem todos a aceitaram. O Pai de família: O CRIADOR. Os servos do Pai de família, que quiseram arrancar o joio: os anjos do CRIADOR (não o homem).

  1. c) 29,30,40-43: Ceifa. tempo para arrancar o joio: O CRIADOR não permitiu que os anjos arrancassem os ímpios da face da Terra, pois poderiam prejudicar aos filhos do reino com tal destruição, e ademais, o campo não estava pronto para a colheita. Ficou claro que a Terra não é o lugar de habitação dos ímpios. A ceifa deve se dar no fim do mundo.

Os ceifeiros: são os anjos que serão enviados pelo hol’Mehushkyah (Mt 24:31; 13:41, 49, 50) para arrancar o joio do campo, isto é, para destruir os ímpios, queimando-­os no fogo do Armagedom.

O campo é o reino de hol’Mehushkyah: Com a colheita do joio (destruição dos ímpios) a terra estará limpa. Os poucos sobreviventes dentre as nações e os judaicos remanescentes (Is 24:6), servirão ao hol’Mehushkyah e darão continuidade à espécie humana e aos povos.

Isto prova definitivamente que aqui é o Reino de hol’Mehushkyah e que, portanto, aqui estará o Seu trono.

  1. Na vinda de hol’Mehushkyah, os anjos virão na frente para uma dupla missão:

Separar e destruir os ímpios (tirando-os do Seu Reino) e ajuntar o trigo (os filhos do reino) no celeiro. Em que ordem se dará estes eventos???

Diferentemente do que se tem pregado, os santos não serão removidos da Terra (um tirado e outro fica – Mt 24:40-41), mas, estarão divinamente protegidos e verão a destruição (tirados) dos ímpios (Ap 1:7). Na sequência, ou durante a destruição, aí sim, se dará o arrebatamento, quando os santos serão reunidos nas nuvens para recepcionar o hol’Mehushkyah que vem estabelecer o Seu Reino terreal.

Numa grande lavoura, o celeiro não fica longe da plantação, mas num lugar dentro da propriedade. Os santos, reunidos nos ares, não irão para o Céu (Sl 115:16); descerão com o hol’Mehushkyah, na Palestina, para a Sua entronização e permanecerão na Terra!

  1. A que conclusão chegamos com a explicação da parábola?

A Terra é o Reino de hol’Mehushkyah e está ocupada pelos filhos do reino (os santos) e os filhos do maligno (os ímpios).

Os anjos, ao virem o estrago causado pelo pecado, quiseram vir e destruir os ímpios, mas o CRIADOR mandou que esperassem o tempo da colheita, ou seja, a consumação dos séculos [a Segunda Vinda – nas Escrituras, não temos suporte para uma terceira Vinda ou uma segunda Vinda, DIVIDIDA em duas fases; Hb 9:28]. A terra, portanto, é o lar dos santos e não o lugar dos ímpios.

Estes serão desarraigados (Pv 2:21,22; Sl 11:6). Os justos não serão removidos do planeta. Os anjos, como águias, consumirão [tirarão] a todos os causadores de escândalo e de iniquidade que estão atualmente contaminando o Reino.

Finalmente, os reinos serão entregues ao hol’Mehushkyah e Ele ocupará o Seu trono. A Terra e a obra da criação do CRIADOR seguirão, conforme os Seus planos.

Respondeu-lhes ele: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada. Mt 15:13.

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

12

 

 

12 – Como Será a Vinda de hol’Mehushkyah

Verso Áureo: “Assim também hol’Mehushkyah, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que O esperam para a salvação.” (Hb 9:28)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

A segunda vinda de hol’Mehushkyah é um evento da maior importância para todos os que esperam na Palavra do ETERNO.

É o momento da ressurreição e transformação dos santos; o tempo de nossa recompensa. É o tempo do acerto de contas com reis e nações; ponto de partida do Reino Milenar Messiânico e da exaltação de Yah’shua-oleym terreal, a cidade querida!

Neste tempo, ocorrerá a conversão de Yaoshor’ul e veremos o cumprimento das promessas feitas aos patriarcas. Yaoshor’ul e Yah’shua-oleym, habitarão em paz.

QUESTIONÁRIO

  1. O que faz a vinda de hol’Mehushkyah ser o mais importante evento para os santos?

O escritor de Hebreus deixou-nos claro que os santos do passado, embora tendo testemunho de sua integridade e fé, morreram (Hb 11:13), sem alcançar a promessa, esperando por nós (Hb 11:39,40). O hol’Mehushkyah vem com o nosso galardão e Sha’ul diz que os Seus, ressuscitarão em Sua vinda (Ap 22:12, I Ts 4:14-17).

É o momento de nossa transformação; de sermos revestidos da imortalidade (I Ts 4:16,17; I Co 15:52).

  1. De acordo com o verso áureo, quantas vezes ainda O hol’Mehushkyah virá?

O hol’Mehushkyah aparecerá segunda vez. Repetimos, não existe terceira ou quarta vinda de hol’Mehushkyah.

  1. É correto a idéia de um rapto dos santos para um estágio no Céu por sete ou mil anos? Quantas vindas de hol’Mehushkyah ainda devemos esperar?

Os mensageiros de um rapto dos santos, dizem que os santos vivos desaparecerão secreta e misteriosamente da Terra. Que O hol’Mehushkyah vem em duas fases.

Que na primeira, ninguém o verá, nem perceberá. A Escritura não divide a vinda de hol’Mehushkyah em duas fases e como prova de que Ele voltará uma só vez. Sua vinda será:

  1. a) Barulhenta, com alarido e toque da 7a e última trombeta (I Ts 4:16,17);
  2. b) Visível (Ap 1:7);
  3. c) Marcada pela primeira ressurreição, a dos santos (Ap 20:5,6).
  1. Que orientação deixou O hol’Mehushkyah quanto aos que falam de uma vinda invisível?

“Portanto, se vos disserem: Eis que Ele está no deserto, não saiais; eis que Ele está no interior da casa; não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem.” (Mt 24:26, 27).

O relâmpago é visível a todos. Portanto, O hol’Mehushkyah não virá de forma a não ser visto por todos (apenas a olhos espirituais, como ensinam), mas visível como o relâmpago.

Se tentarem convencer-nos que Ele vem/veio invisivelmente, não devemos crer (Mt 24:24).

  1. Mas O hol’Mehushkyah não vem como o ladrão de noite? Não vem nos raptar?

Os defensores de um rapto, chegam ao extremo de afirmar que hol’Mehushkyah vai raptar até mesmo as criancinhas, filhos dos ímpios. Que, neste caso, hol’Mehushkyah não vem como um ladrão, mas que é realmente um ladrão, um sequestrador que age violentamente. Será isto que a Escritura quer dizer?

Os textos de Mt 24:42-44, falando da vinda e do dia de hol’Mehushkyah, estão se referindo a um ladrão, quanto ao descuido das pessoas, ou seja, ninguém sabe quando ele vem. Assim será a vinda e o dia de hol’Mehushkyah. Todos estarão distraídos (I Ts 5:1-10 – menos a Igreja/Kehiláh do CRIADOR cf. vs 4), pensando em paz e segurança e então virá a destruição.

  1. No momento da destruição final, o grande dia da ira do CRIADOR, a Igreja/Kehiláh será retirada do mundo?

Hol’Mehushkyah orou por nós, para que O CRIADOR nos guardasse do mal e não para que nos tirasse do mundo (Jo 17:15; Ap 3:10 – nós assim TAMBÉM oramos; que VENHA a nós, o Seu reino!). Ele prometeu estar conosco até o fim do mundo ou da era (aion – ver Mt 28:20) e afirmou trigo e joio devem crescer juntos até o dia da separação. Que na separação final, primeiramente o joio será ajuntado e queimado no fogo (Mt 13:30, 49,50). Portanto, quem VAI, é o JOIO!!! E, então, ainda quer ser levado?

  1. O hol’Mehushkyah disse que ninguém, exceto o Pai, conhecia o dia de Sua vinda. Se hol’Mehushkyah só vem sete anos após um rapto, não saberiam todos os homens deste dia [calculariam, após o rapto secreto]?

Os futuristas, para não se verem confusos e terem que admitir uma terceira vinda de hol’Mehushkyah, dizem que o rapto não é considerado como vinda e sim como uma das duas fases de Sua única vinda (?)…

Acontece que Sha’ul nos fala que a ressurreição dos santos se dará na Sua vinda (I Ts 4: 15, 16) e que será mediante o toque da trombeta (I Co 15:51,52). É, portanto, impossível separar a ressurreição dos santos da segunda vinda de hol’Mehushkyah. De acordo com a teoria do rapto, portanto, todos os homens ficarão sabendo o dia da vinda de hol’Mehushkyah.

Basta acrescentar sete anos em cima da data do rapto. Não é isto uma contradição, já que eles dizem que o rapto não é a vinda de hol’Mehushkyah?

  1. Já que o rapto não acontece na vinda de hol’Mehushkyah (opinião futurista), tem sentido a Palavra nos recomendar vigiar e estarmos preparados para a Sua vinda?         

Os futuristas defendem que haverá um rapto e que a vinda de hol’Mehushkyah ocorrerá somente sete anos após. O hol’Mehushkyah e Seus apóstolos, no entanto, nos admoestam a vigiar, em função do dia da Sua vinda (Mt 24:42-44; 25:13; I Ts 5:2, 6; Ap 16:15).

Também é digno de nota, o fato de hol’Mehushkyah ter orientado-nos a negociarmos nossas minas ou talentos, até que Ele venha (Lc 19:13). Por que almejarmos por um dia, se seremos raptados muito tempo antes? Não deveriam advertir a vigiar por causa do rapto?

Ademais, Ele disse que nos levará para Si mesmo, na Sua vinda, quando voltar (Jo 14:3).

Tiago/Yaohu’kaf e o escritor de Hebreus nos recomendam a sermos pacientes, até a vinda de hol’Mehushkyah (Tg 5:7; Hb 10:36, 37).

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13

 

 

13 – A Vinda de hol’Mehushkyah e o Anticristo 

Verso Áureo: “Eis que vem com as nuvens, e todo o olho O verá, até os mesmos que O transpassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre Ele… ” (Apocalipse 1:7).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

O ensino de que haverá uma vinda silenciosa e secreta de hol’Mehushkyah, antes do aparecimento do homem do pecado, tem sido amplamente difundido e crido neste século.

Muitos aceitam-na com pouca ou quase nenhuma investigação. Chocante quanto possa parecer, este ensino não era a posição da Igreja/Kehiláh Apostólica e nem foi ensinado pelos primeiros protestantes, os reformadores!

Até por volta de 1830, ninguém ensinou isto. Se for então [válida] como defendem os futuristas, por que este assunto era desconhecido até aquela época?

QUESTIONÁRIO

  1. Pode o hol’Mehushkyah vir a qualquer momento?

Sha’ul orientou aos tessalonicenses (I Ts 4:16, 17) a respeito da vinda de hol’Mehushkyah e mais tarde, visto alguns estarem achando que o evento ocorreria a qualquer momento, esclareceu-lhes que existiam outras coisas a cumprirem-se antes, por ordem: 1) Apostasia; 2) revelação e manifestação do homem do pecado; 3) vinda de hol’Mehushkyah e nosso ajuntamento com Ele (II Ts 2:1-3).

Este raciocínio contraria os futuristas, pois estes esperam os eventos na ordem: 3, 1 e 2, ou seja: Vinda de hol’Mehushkyah e nosso ajuntamento (3); a apostasia (1) e a manifestação futura do anticristo (2).

No desespero de justificar a inversão da ordem dos acontecimentos, os futuristas chegam a afirmar que a palavra traduzida por apostasia, significa partida tentando colocar aí o arrebatamento (Opções Contemporâneas na Escatologia, pág. 114).

  1. De onde se originou a idéia de uma vinda de hol’Mehushkyah em duas fases e de um rapto secreto dos santos?

Esta doutrina surgiu de uma “profecia” dada por uma jovem chamada Margareth McDonald, na primavera de 1830. Ela afirmou, numa mensagem profética, que a vinda de hol’Mehushkyah seria vista somente por aqueles cujos olhos fossem espiritualmente abertos (Teoria adotada pelos TJs para explicar o erro de 1914). Ela fez um relato manuscrito e remeteu cópias a vários líderes religiosos da época. Esta teoria era conhecida pela profetiza dos adventistas e foi usada por ela para explicar a visão da Porta Fechada onde afirmava que Cristo voltaria após sete anos decorridos de 1844 (explicando o seu erro anterior, com outro)…

Robert Norton, em 1840, publicou a revelação da profetisa em seu livro “The Restoration of Apostles and Prophets in the Catolic Apostolic Church” (A Restauração dos Apóstolos e Profetas na Igreja Católica Apostólica). Outro associado à idéia foi Edward Irving, um eloquente pregador escocês, nascido em 1792. Alguns acham que o pioneiro deste pensamento, no entanto, tenha sido o católico Manuel Lacunza, que publicou em 1812 a obra em espanhol “A vinda do Messias, em glória e majestade”, traduzida para o inglês por Irving em 1827.

  1. Por que sete anos no Céu? O que se diz a respeito do anticristo, neste tempo?

A interpretação futurista das setenta semanas, defende a chamada teoria “gap” ou teoria da diferença, ou ainda, um parêntesis na contagem das semanas de Dn 9:27.

Ensina que as sessenta e nove semanas (483 anos), se estenderam desde a saída da ordem para reconstruir Yah’shua-oleym, em 457 a.Y., até o ano 26, medindo o tempo para a vinda de hol’Mehushkyah, o que é correto. Todavia, aí abrem um espaço que perdurará até o “rapto da igreja”, quando então recomeça a contagem da 70º semana, que seria de sete anos. Neste período final a “igreja” fica no Céu com Cristo, enquanto que, aqui na Terra, reina num governo mundial, o homem do pecado; o anticristo. Detalhes nos próximos estudos…

  1. O que vem a ser dispensações e em qual delas, segundo eles, estamos?

Dispensacionalismo é um sistema de interpretação da Escritura por revelação progressiva, que divide o plano do CRIADOR para salvação do homem em distintas eras. Segundo Guilherme W. Orr e Lawrence Olson, estas eras são sete, a saber:

1) Inocência; 2) Consciência; 3) Governo Humano; 4) Promessa ou Patriarcal; 5) Lei; 6) Graça ou Eclesiástica e 7) Reino ou Governo Divino. Nós estaríamos na dispensação da Graça.

  1. Segundo a teoria do rapto, quem está detendo ou impedindo a manifestação do anticristo?

A presença da “igreja” e do deus “espírito santo”, na Terra!  Em II Ts 2:1-3, Sha’ul foi explícito ao afirmar que a vinda de hol’Mehushkyah e nossa reunião com Ele (arrebatamento, ajuntamento) não se daria, antes da apostasia e da manifestação do homem do pecado. Mostra que o impedimento não era por algo desconhecido ou obscuro como a falsa doutrina do espírito santo, ou seja, da trindade!

Ele (Sha’ul) e os tessalonicenses sabiam o que era. Ele teve o cuidado de não mencionar por alguma razão de segurança. Se, no entanto, se tratasse do deus “espírito santo”, não haveria razão para não dizer aos irmãos. Na verdade, tratava-se do Império Romano que, quando removido, abriu caminho livre ao papado. Justino Mártir; Cirilo; Jerônimo e Irineu acreditavam ser o Império Romano o obstáculo ao anticristo (somente depois dele é que o papado – Roma Eclesiástica – pode tornar-se um poder).

  1. Quando, segundo esta teoria, surgirão os 144 mil? Quem serão estes e que obra farão?

Segundo esta crença, após o rapto e durante os primeiros 3,5 anos, converter-se-ão 144 mil judaicos e estes tornar-se-ão grandes evangelistas. 144 mil – Billy Grahams: A Terra jamais conheceu um período de evangelização como este e converter-se-á mais gente que em toda a história da pregação do Evangelho…

Aqui cabe uma pergunta: Se, é o “deus espírito santo” que converte e ele já foi retirado da Terra no rapto, quem e como se converterá este povo?

  1. Por que não é viável a crença num reinado mundial, sob um grande ditador humano, o homem do pecado ou o anticristo?

Simplesmente porque a profecia de Dayan’ul 2 e 7 aponta somente para quatro reinos mundiais, sendo que no fim do quarto, vem uma Pedra que esmiúça os reinos. Esta pedra é identificada como sendo o Reino de hol’Mehushkyah. Importante notar que segundo a profecia, haveria tentativas de se estabelecer um reino mundial – os dedos da estátua – mas que JAMAIS conseguiriam… Portanto, não existe nenhum reino mundial (NOM), além destes quatro.

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

14

 

 

14 – As Setenta Semanas de Dayan’ul

Verso Áureo: “Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna… ” (Dayan’ul 9:24).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

As setenta semanas proféticas de Dayan’ul determinou a vinda de hol’Mehushkyah e Seu sacrifício expiatório, que deu fim ao antigo sistema araônico de purificação dos pecados.

Dali por diante, embora os judaicos seguissem o serviço do templo, já nenhum valor mais tinha aquele sacerdócio (Mt 27:51). Hol’Mehushkyah foi o Cordeiro que tira o pecado do mundo!

QUESTIONÁRIO

  1. É certo tomar como ponto de partida o ano 457 a.Y. como início das setenta semanas? E as 2300 tardes e manhãs: podem igualmente ser interpretadas por 2300 anos literais e ter seu início na mesma época das setenta semanas?

Segundo Dayan’ul 9:25, sete semanas, e sessenta e duas semanas estão determinadas, a partir da saída da ordem para restaurar e edificar a Yah’shua-oleym.

Completadas as 69 semanas, então o hol’Mehushkyah é tirado, fazendo assim cessar o sistema de expiação por sangue de animais.

As 2300 tardes e manhãs representam 2.300 dias literais e cumprem-se dentro dos 2.520 dias da última semana, das 70 de Dayan’ul 9… 2.300 dias correspondem aos dias em que houve a pregação do evangelho (ministério terrestre de hol’Mehushkyah), sendo que na metade da semana ocorreu a Sua morte e no fim da semana – com a morte de Estevão – acaba as semanas e o correspondente tempo dado aos judaicos para que mudassem o seu proceder em relação ao CRIADOR. Releia o verso áureo!

Querer desvincular o capítulo 8 do cap 9 de Dayan’ul porque entre eles existem um lapso de 15 anos é não  dar atenção ao contexto maior… O capítulo 8 termina com a confissão do profeta de que não entendera a visão e o capítulo 9 começa com uma intensa oração de Dayan’ul sobre o tempo dado ao seu povo estando ainda a orar, veio a ordem do CRIADOR ao anjo para que explique a visão. Que visão, se até este momento do cap. 9 não HOUVE visão alguma? A visão que ele, Dayan’ul na entendera!!! Agora o anjo vem com mais detalhes e explica que este tempo seria o tempo dado aos judaicos para se converterem das suas iniquidades (vs 24-27).

OBS: Atribuir as 2.300 tardes… à Etíoco Epifânio também é uma incoerência pois mesmo que se esforce, este não profanou o templo por 1.150 dias como querem; além de que o capítulo 11 de Dayan’ul tem  uma porção dedicada à este governo…

Também nada tem com 2.300 anos, pois para chegarmos a anos teríamos que aplicar duas transformações (interpretação) proféticas à uma mesma profecia: a primeira para dias e a segunda, TRANSFORMAR este resultado em anos… Portanto, também derruba-se o ano de 1844 como sendo o seu fim e consequentemente também derruba o Juízo Investigativo, como crêem os que aceitam o ano de 1844 (IASD).

Solicite mais informações sobre as 2.300 tardes… 

  1. Como entendiam os reformadores protestantes a questão do Anticristo? Que pensavam eles do líder da religião romana?

John Wyclif: “Por que é necessário procurar por outro anticristo? No capítulo sétimo de Dayan’ul o anticristo é forçosamente descrito como sendo uma ponta se levantando no tempo do quarto reino” (Froom, vol. 2 pag. 55).

Lutero (1483-1546): “Nós aqui temos a convicção de que o papado é o lugar do verdadeiro e real anticristo … pessoalmente declaro que devo ao papa nada mais que uma obediência ao anticristo”. (Idem, pago 256).

Em seu livro “No Cativeiro Babilônico da igreja“, ele disse do papado: “nada mais que o reino de Babilônia e do verdadeiro anticristo”.

Melanchthon (1497-1560): ” …é mais manifesto e, na verdade, sem qualquer dúvida, que o pontífice romano com toda sua ordem e reino é o verdadeiro anticristo.”.

OBS: As Escrituras nos apontam para o Anticristo e para os anticristos que são poderes, ao longo das eras que estiveram, estão ou estarão a serviço do Anticristo!

  1. Porque os dispensacionalistas acreditam que a 70º semana está separada da 69º e que esta se cumprirá no fim dos tempos?

Conforme exposto na lição anterior, a idéia da vinda de hol’Mehushkyah em duas fases, não era conhecida antes do início do século 19. “Teólogos” da época concluíram que o período entre as duas fases era de sete anos e que a profecia de Dayan’ul 9:24­-27 forneceria subsídios para sustentação da doutrina. Para isto, “provam” que o UNGIDO não é Cristo, mas sim o PRÍNCIPE que há de vir (o Imperador Romano)!

  1. Que eventos estão previstos para os sete anos?

De acordo com o dispensacionalista N. Lawrence Olson, após o “rapto da igreja”, o governador do mundo, o anticristo, fará um acordo de sete anos com o povo judaico. Todavia, no meio da semana, ou seja, após três anos e meio, romperá o pacto que permitiu o restabelecimento da religião judaica e a reconstrução do templo (para poderem voltar a sacrificar e assim aguardarem a PRIMEIRA vinda do seu messias), no lugar onde está a Mesquita d’Omar.

Colocará no Santo dos Santos a abominação desoladora (Dn 9:27; Mt 24:15), que pode ser sua própria imagem e exigirá adoração (Ap 13:15). Assim, esta segunda metade da semana, de 1260 dias literais, será a Grande Tribulação e afetará o povo judaico.

OBS: Na realidade a Grande Tribulação  correspondem ao período das Sete últimas pragas…

Alguns destes, também, identificam o filho varão da mulher do cap 12 de Apocalipse como sendo o remanescente fiel de Yaoshor’ul, os 144 mil.

No fim dos sete anos e da Grande Tribulação, as nações, aliadas ao anticristo, reunir-se-ão contra Yah’shua-oleym e aí então serão derrotados por Cristo, em Sua vinda (2º fase, ou terceira vinda com uma consequente 4º vinda após o milênio!) com os santos. (O Plano Divino através dos Séculos, pág 125-129).

  1. Qual é a verdade sobre as setenta semanas? Podemos desmembrar destas a última semana?

Dayan’ul falou de um período de setenta semanas que determinariam a vinda de hol’Mehushkyah. Este tempo mede 490 anos; teria início do ano 457 a.Y. e não poderia ser aumentado. São 70 semanas sequenciais; ininterruptas. Abrir um parêntesis entre a 69ª e a 70ª é uma manipulação da profecia para ajustá-la aos reclamos do dispensacionalismo. Se for permitida esta manobra, o que impediria alguém de colocar outro intervalo em qualquer outro ponto das 70 semanas uma vez que ali temos citadas algumas outras porções, da mesma?

OBS: Durante o ministério de hol’Mehushkyah, Ele referiu-se à este tempo dado ao judaicos em suas colocações quando, por exemplo, ao dizer à Kafos sobre o perdão; 70 vezes 7 (os 490 anos dado aos judaicos para se penitenciarem e obterem o perdão); ao enviar em missão 70 discípulos somente à Casa de Yaoshor’ul (os VERDADEIROS gentios); ao falar com a mulher sírio-fenícia, etc.

Na plenitude dos tempos – desta profecia – o ETERNO envia o Seu Filho para cumprir a Sua promessa de perdão (Lc 4:19); porém estes rejeitaram-no e no fim dos tempos (da profecia) selaram o seu destino, com a morte de Esteban… Abrindo espaço para os demais, das nações; mas isto até que se completem o tempo dado aos gentios (os descendentes – perdidos – das 10 Tribos do Norte; Is 9:1). Cf. Rm 11:25.

Pense: Seria correto dizer que de São Paulo a Brasília tem 50 quilômetros? Sim, se seguir o método futurista: Você roda 45 Km e desliga o velocímetro e ao se aproximar de Brasília, o liga-o de novo e aí totalizará os 50 km… Uma solução simples, não é?

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15

 

 

15 – Os 144 Mil e a Grande Multidão

Verso Áureo: “Porque não me envergonho do Evangelho de hol’Mehushkyah, pois é o poder do CRIADOR para salvação de todo aquele que crê: primeiro do judaico, e também do grego.” (Rm 1:16).

NOTA: porque Sha’ul falava ora do grego e ora do gentio? Porque ele fazia esta diferença? Gregos ou Gentios, não seriam a mesma coisa?

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Vimos no estudo anterior que, a princípio, a salvação foi pregada com exclusividade à Casa de Yaoshor’ul (os gentios – Cristo era um gentio de criação, segundo Yashua’yah 9:1). Jo 1:31; Mt 15:24; 10:5, 6. E, mesmo após a morte de hol’Mehushkyah, o evangelho seguiu por mais três anos e meio sendo pregado aos judaicos, completando assim as 70 semanas… Depois disto, abriu-se espaço aos demais homens, das nações. Na verdade, a este povo foi dado o privilégio de representar o CRIADOR e Seu reino e levar a luz; o conhecimento da verdade a todas as nações. Yaoshor’ul falhou e hol’Mehushkyah permitiu que a Verdade fosse levada a outro povo, até um tempo determinado. (Rm 11:25).

Quanto aos 144 mil, algumas correntes religiosas afirmam que este número de escolhidos também envolve os homens (das nações) convertidos; outras dizem que o período de assinalamento ainda é futuro. Qual é a verdade a respeito?

QUESTIONÁRIO

  1. Como tem sido definido os 144 mil, pelos dispensacionalistas e pelos defensores da Torre de Vigia?

Acreditando que o anticristo assumirá o comando do governo do planeta, após um suposto rapto secreto da “igreja”’ e a retirada do deus “espírito santo”, os dispensacionalistas afirmam que se levantarão 144 mil, dentre os atuais yaoshorul’itas e que estes se tornarão poderosos pregadores e haverá um trabalho de evangelismo como nunca houve antes.

Já a Torre de Vigia, defende que os 144 mil,  pequeno rebanho ou congregação-igreja de jeová, é uma classe de pessoas cujo assinalamento começou no Pentecostes, mas que ainda hoje existem alguns lugares disponíveis. Parte desta elite já está no Céu, de onde, governa os súditos, a grande multidão, que ficou na Terra. Ensina que a vinda ou presença de jesus já é real desde 1914, época em que começou a reinar desde os céus quando teria ocorrido a ressurreição espiritual ou celestial dos 144 mil selados (mesmo estando incompletos). Os que vão morrendo, ressuscitam espiritualmente e vão imediatamente ao Céu, juntar-se aos demais. (Estudo Perspicaz das Escrituras, vol 3, Págs. 432,433).

  1. Escriturísticamente, qual era a situação do povo não-judaico (gregos, na Escritura), em relação ao CRIADOR e Seu povo?

Os “demais” estavam separados do povo do CRIADOR (Ef 2:11-14). Eram considerados imundos e não havia um bom relacionamento com eles (At 10: 28; 11: 3,18; Jo 18: 28; Mt 8: 8,10). De Yaohu’dah era tudo: os oráculos divinos (as Escrituras), o culto, os concertos, a lei, as promessas e o próprio hol’Mehushkyah (Rm 3:1; 9:2-5).

  1. Que promessas tinham os demais e desde quando cresceu sua participação entre o povo do CRIADOR?

O CRIADOR queria que os homens das nações servissem-No e recebessem, igualmente, as promessas dadas a Yaoshor’ul (Is 55:3­5; 56:3, 6,7). Sua participação, nos dias do AT, era muito modesta e limitava-se aos poucos prosélitos incorporados a Yaoshor’ul.

O judaísmo, nos dias de hol’Mehushkyah estava decadente; falhou em sua missão sacerdotal, fazendo-se necessário uma reorganização. Hol’Mehushkyah, com Sua morte, restabeleceu o Pacto (a Renovada Aliança) e reergueu o Tabernáculo de Dao’ud, abrindo espaço às nações (At 15:7,14-17; Am 9:11,12; Rm 9:25; Jo 10:16). Ao mostrarem-se hostis ao hol’Mehushkyah e à Sua mensagem, os judaicos estavam rejeitando a Pedra Angular; abriram mão de sua exclusividade como arautos da mensagem do CRIADOR, compartilhando o sacerdócio com outros povos (Mt 21:40-43; I Pe 2:7-10; At 13:46).

  1. A quem, primeiramente, foi dirigida a pregação do Evangelho?

Era imprescindível, conforme já estudamos, que o pacto fosse renovado com o povo de Dayan’ul. A mensagem de hol’Mehushkyah, realmente foi anunciada a Yaoshor’ul (Mt 10:5, 6; 15:22-28; Lc 24:47; At 3:26; Rm 1:16 e 2:9, 10) e os que aceitaram a fé iam multiplicando-se (At 2:41, 47; 4:4; 5:4; 6:1,7; 9:31). O número de 144 mil yaoshorul’itas teria que ser alcançado, antes do ingresso da grande multidão. Cornélio marcou o início da grande multidão na Igreja/Kehiláh.

 

EXPLICANDO:

  1. a) Existem contrastes entre os dois grupos (Ap 7:1-15; 14:1-5). Isto é bom, pois não admite confusão ou mistura de seus participantes.

b/c) Os 144 mil representam um número limitado de yaoshorul’itas naturais; a grande multidão é incontável e é formada por pessoas de todas as nações da Terra.

  1. d) Os 144 mil foram recrutados em um tempo de paz (os quatro ventos estavam retidos, pelos quatro anjos – Ap 7:1-3; At 9:31). A grande multidão, não! Esta tem-se formado em todos os tempos; de paz ou de guerra.
  2. e) Os 144 mil são primícias (assim como o hol’Mehushkyah), ou seja, primeiros frutos. São formados dos primeiros yaoshorul’itas convertidos (judaicos que se tornaram cristãos), na era apostólica (Ap 14:4). Não é possível considerar-se primícias, os crentes de nossos dias.
  3. f) Os 144 mil não se contaminaram com mulheres; são virgens (Ap 14:4), isto é, nunca fizeram parte de organizações religiosas, fora do judaísmo. Mulher, na Escritura, pode significar religião ou Igreja; verdadeira ou falsa (II Co 11:2; Ap 12:1,2,6; 17:1-6). Os demais, mesmo convertidos, vieram de religiões pagãs, eram contaminados e não se ajustam aos requisitos dos 144 mil.

OBS: Na ressurreição dos salvos, virão os 144 mil juntamente com a grande multidão (salvos de todos os tempos) para recepcionarem os salvos, vivos, logo após o toque da Sétima trombeta!

  1. Por que não se pode colocar “gregos” convertidos entre os cento e quarenta e quatro mil ou confundi-los com os yaoshorul’itas espirituais?

Dizer que os 144 mil são yaoshorul’itas espirituais (“gregos” convertidos) é o mesmo que destruir as muitas diferenças que os caracterizam como dois grupos distintos (Ap 7:4, 9). Portanto, esta conotação de “igreja gentílica” ou Yaoshor’ul Espiritual é mais uma doutrina de homens para desvirtuar a Verdade e descaracterizar o sacrifício de hol’Mehushkyah (dizendo que ELE errou na escolha do Seu povo e teve que dar um “jeitinho” para não ficar sem povo!). Principalmente o fato de os demais terem origens em diversas religiões advindas do paganismo (a trindade – pagã – é a principal característica destas denominações que se dizem cristãs; seguido pela crença na imortalidade da alma – Is 4:1). Todas as vezes que aparecem gentios e judaicos lado  a lado, temos que entender literalmente, ou seja, judaicos (das tribos do sul) e gentios naturais (yaoshorul’itas provenientes das dez tribos do norte – Yaoshor’ul ou Efraim). Veja nestas passagens, que judaico é judaico e gentio, é gentio. (At 13:45, 46; Rm 1:16; 2:9; Gl 3:28).

OBS: Estes 144 mil serão reinos e sacerdotes (Ap 5:10; 20:6) que pregarão o evangelho, durante o reinado Messiânico terreal, até que venha o fim (Mt 24:14), após o  milênio (Is 66:19, 21). Sha’ul é conhecido como o apóstolo dos gentios porque foi cumprir – dentro das nações – a missão dada a ele, por Cristo, de resgatar os gentios (Casa de Yaoshor’ul – Mt 10:6; 15:24 cf Is 9:1).

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16

 

 

16 – Quem Será Levado e Quem Será Deixado?

Verso Áureo: “Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta que meu Pai celestial não plantou, será arrancada. ” (Mt 15:13).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Com a febre do rapto secreto implantada a partir do início do século 19, a idéia de um estágio no Céu assumiu grandes proporções,  a ponto de, com raras exceções, todos os cristãos acreditarem em uma vida celestial. Quem vai querer ficar aqui nesta terra? É uma das muitas perguntas, cuja resposta é sempre negativa. Ninguém está interessado em ficar na Terra. De onde, no entanto, surgiu a doutrina de que o homem que servir ao CRIADOR vai para o Céu? E, quando O hol’Mehushkyah vier, um será levado e outro deixado: quem é quem nesta história?

QUESTIONÁRIO

  1. Os discípulos de hol’Mehushkyah tinham a fé de uma morada no Céu?

Os judaicos, em geral, esperavam a vinda de hol’Mehushkyah, que os livrasse de seus inimigos e assumisse o trono em Yah’shua-oleym (Lc 19:11,12; 24:21; 1:69-71; Jo 6:15; At 1:6-8). Em nenhum momento pensavam em um reino no Céu; esta idéia era tão estranha à eles que quando, por diversas vezes, o hol’Mehushkyah preanunciava a Sua morte, não entendiam o que Ele queria dizer… Hoje, nós, com nossas mentes pré-concebidas, ao lermos tais passagens, pensamos, cá com os nossos botões: Como eram ingênuos!!! Observe as questões a seguir:

  1. Ao informar aos judaicos incrédulos da Sua ida para um lugar onde não poderiam seguí-Lo, a que conclusão chegaram?

Isto os intrigou e perguntaram entre si: “…Para onde irá este, que o não acharemos? Irá porventura para os dispersos entre os gregos?” Ver João 7:33-36. Numa outra abordagem hol’Mehushkyah repetiu-lhes o assunto (Jo 8:21-23) e desta vez, pensaram que Ele queria se matar. O hol’Mehushkyah, porém disse-lhes: “Vós sois de baixo”.

NOTA: Observe aqui que eles criam que o hol’Mehushkyah iria resgatar os dispersos (gentios – os yaoshorul’itas espalhados por entre as nações) entre os gregos

  1. Aos judaicos incrédulos, era-lhes impossível seguir hol’Mehushkyah ao Céu. Será que a situação com os apóstolos era diferente?

Igualmente, os discípulos desconheciam a possibilidade de uma ida ao Céu e quando hol’Mehushkyah repetiu-lhes a mesma Palavra, ou seja, que não podiam segui-Lo, ficaram imaginando coisas.

Pedro/Kafos intrigado indaga: “Mestre/Maoro’eh; para onde vais?”. Eles não faziam a menor idéia; nem sequer cogitavam em numa ida aos Céus! (Jo 13:33-38). A tristeza que abateu os discípulos, portanto, não era por não poderem ir ao Céu, mas por terem que se separar da companhia de hol’Mehushkyah. Kafos estava disposto até a morrer, para que isto não acontecesse!

  1. Para confortar Seus servos e conscientizá-los de que a separação era uma condição necessária e provisória, o que lhes prometeu o Mestre/Maoro’eh?

Preparar-lhes lugar e depois voltar para estar com eles (uma analogia ao sistema judaico de casamento onde o noivo contraia núpcias e volta para a casa dos seus pais; prepara-se para assumir uma vida à dois e então volta para a sua noiva). Durante este período, eles seriam confortados pela presença do santo Espírito (presença do Pai ou de hol’Mehushkyah, em espírito – Jo 14:23) e se ocupariam em testemunhar do Evangelho do Reino para todas as nações; até a implantação do Reino – presença física de hol’Mehushkyah (Jo 14:3, 16-18; At 1:6-8).

A cidade celestial (com os seus “lugares”) virá para cá, depois do Milênio e da restauração da Terra (Ap 21: 1-4). Aí sim, O ETERNO habitará com os homens…

OBS: Os que crêem em um estágio nos céus não conseguem explicar Ap 21:1-3 que diz que SÓ então o ETERNO vem habitar com os homens… Quer dizer que todo o tempo (sete anos ou mil anos) que estiveram nos céus não desfrutaram da presença do ETERNO?

  1. Tem sido dito aos crentes que muitos ficarão aqui na vinda de hol’Mehushkyah e que isto não é bom. Que passagens são usadas para se provar isto?

Mt 24:40, 41 e Lc 17:34-36. Os textos falam que, nesta ocasião, uns serão levados e outros deixados.

  1. De acordo com a hermenêutica, o que somos recomendados a fazer ao estudarmos a Palavra? Que importante revelação hol’Mehushkyah deixou-nos?

Embora os “teólogos” sejam unânimes em dizer que não se pode isolar um verso do contexto e forçá-lo a dizer outra coisa, esta prática é muito comum, até entre os que ensinam isto…

O capítulo 14 de João/Yaohu’khanan é um exemplo usado e mal interpretado. Na frase que diz “…Na casa de Meu Pai há muitas moradas; vou preparar-vos lugar”, ignoram que todo o contexto, desde o final do capítulo 13, trata de uma separação e da tristeza dos discípulos e não de uma ida aos Céus.

OBS: Realmente na casa do Pai do nosso hol’Mehushkyah, existem muitas moradas e quando a Terra estiver completamente livre da ação do pecado – após o milênio terreal – estas moradas serão o nosso galardão, pois elas virão até nós para substituir a Yah’shua-oleym terrena (Ap 21:1-3).

Analisando fielmente Mt 24:38-41, vamos constatar que hol’Mehushkyah não disse que os justos serão levados da terra. Muito pelo contrário; Ele afirmou que, como foi nos dias de Noé, será também na Sua vinda. Nos dias de Noé, quem foi levado? Quem foi levado ou destruído pelas águas do dilúvio? O justo ou o ímpio? Se nós concordarmos com hol’Mehushkyah, vamos entender que os ímpios é que serão levados ou destruídos! Os justos ficam!

  1. Se tratando dos salvos, os justos, as Escrituras mencionam que estes serão retirados da terra? Quem será desarraigado daqui?

Vários textos bíblicos alertam-nos de que os ímpios serão desarraigados da Terra (Sl 52:5,6; 10:16-18; 37:9,10, 20,35,36,39,40) mas, os santos aqui permanecerão (Pv 2:21,22; Sl 91:7- 10).

Está correto, pois nós somos os filhos do reino e o reino é nosso. Quem tem que sair daqui é o joio, que não é planta do CRIADOR; esta tem de ser arrancada: “Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta que meu Pai celestial não plantou, será arrancada.” (Mt 15:13).

O ETERNO deu a Terra aos filhos dos homens e não o Céu, pois este é o Seu trono (Sl 115:15,16; Mt 5:5; At 7:49).

  1. Sabemos que da destruição advinda do Armagedom, juízo do CRIADOR sobre reis e nações, poucos homens restarão (Is 24:6). O que ocorrerá aos demais?

Na parábola do trigo e do joio, este tempo foi chamado de ceifa (Mt 13:30).

É o grande momento de separar-se o joio do trigo; os filhos do maligno, dos filhos do Reino.

Este trabalho compete aos anjos de hol’Mehushkyah, que virão na frente e alcançarão como águias, os ímpios (Mt 13:40-42, 49, 50; 24:28; Lc 17:37). Estes serão colhidos, juntados em molhos, queimados e destruídos.

OBS: Isto acontece para dar fim ao Armagedom e preparar a Volta de hol’Mehushkyah!

Na sequência o trigo, os salvos vivos e transformados, serão juntados pelos anjos nas nuvens, para o encontro com o hol’Mehushkyah nos ares e serem levados até Yah’shua-oleym, em Yaoshor’ul – a Terra Prometida! (Mt 24: 31; I Ts 4: 17) para assistirem a posse do Grande Rei, juntamente com os salvos ressurretos de todos os tempos!

Conclusão: Em quem crer: No hol’Mehushkyah e nas Escrituras, que provam aqui ser a habitação dos justos ou no pensamento pagão (diga-se evangélicos) que promete o Céu do ETERNO aos seus adeptos? Alinhe-se à fé dos apóstolos e profetas e saia da Babilônia! Ap 18:4.

OBS: Mateus/Man’yaohuh 25 fala-nos do julgamento dos homens santos e dos ímpios. Ao primeiro (nós) lemos:

34 Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; Aqui não diz que o Reino é nos Céus! Já para o segundo grupo (eles), também lemos:

41 Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; Também não diz que este fogo fica no Inferno! Quanto à palavra eterno, convém lembrar que aqui apenas temos uma referencia de procedência – procede do CRIADOR (Judas 7). E complementa: 46 E irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna. Amnao! E então, ainda quer ser levado?

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

17

 

 

17 – Os Justos vão Realmente Morar no Céu?
Verso Áureo: “Os céus são os céus do ETERNO; mas a terra deu-a, Ele, aos filhos dos homens. ” (Salmo 115:16)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

A maior ansiedade dos religiosos, ou pelo menos da grande maioria, é um dia ser trasladado ao Céu, onde o ETERNO habita e tem Seu trono; e lá passar algum tempo ou mesmo a eternidade.

Seria isto possível? Haveria algum respaldo bíblico a sustentar esta teoria?

Muitos acham que sim, e valem-se de certas passagens escriturísticas para se apoiarem. No entanto, é necessário que se examine tais textos com muito temor e cuidado. Não se toma um versículo isolado de seu contexto.

A interpretação correta das Escrituras é aquela em que os versículos harmonizam-se com a inspiração de todo o capítulo ou assunto tratado.

ATIVANDO NOSSA MEMÓRIA

De onde, na verdade, procede a idéia de morar por algum tempo ou eternamente no Céu, já que isto não vem dos santos apóstolos e profetas?

A história fala-nos dos homens, denominados filósofos, que criaram ou introduziram na religião romana papal, a idéia de se morar no Céu. O povo de Yaoshor’ul nunca creu nisto.

Bertrand Russel em “História da Filosofia Ocidental” diz: “O Deão Inge*, em seu valioso livro sobre Plotino, ressalta acertadamente, o que o cristianismo lhe deve: o platonismo diz ele é parte da estrutura vital da teologia cristã, com a qual nenhuma outra filosofia, ouso dizê-lo, poderia funcionar sem atritos. , diz, uma extrema impossibilidade de extirpar-se o platonismo do cristianismo, sem o que o cristianismo se faça em pedaços”. Assinala, portanto, que Agostinho refere-se ao sistema de Platão como o “mais puro e brilhante de toda a filosofia”.

*Agostinho é tido como um dos maiores mestres da religião papal.

Recomendamos que se pesquise o assunto de morada no Céu e imortalidade da alma em obras que versem sobre as idéias dos antigos filósofos gregos.  Muitas surpresas advirão!

QUESTIONÁRIO

  1. Qual era a esperança de Yaoshor’ul e dos apóstolos quanto à vinda de hol’Me-hushkyah?

Em nenhum momento os apóstolos e demais yaoshorul’itas manifestaram crença em um reino ou morada no Céu com o hol’Mehushkyah:

Lc 1:67-75 – Uma libertação literal dos inimigos e uma era de paz.

Lc 24:21 – Desapontados, pois esperavam já o reino messiânico.

Lc 19: 11; Jo 6:14 – Achavam que o reino seria implantado imediatamente.

Atos 1:6-8 – Hol’Mehushkyah declara a missão da Igreja/Kehiláh, antes de estabelecer o Reino.

  1. Podemos encontrar nas Escrituras, vestígios da intenção de morar ou alcançar o Céu?

A primeira intenção de que temos notícia, foi a dos seguidores de Nimrode (neto de cam – Gn 9:20-25*), em Babel, na terra de Sinear (Região entre os rios Tigre e Eufrates, mais tarde denominada Babilônia).

Nota: Ver ou Conhecer, nas Escrituras denota relação sexual… De Cam surgiu os homossexuais de Sodoma e Gomorra e em Ap 22:15 vemos o seu fim… [cães – filhos de Cã ou sodomitas: GLS/LGBT; uma doença hormonal].

Eles elaboraram um projeto de edificar uma cidade com uma torre que tocasse os céus. O CRIADOR não aprovou tal arrogância e confundiu-lhes as línguas, paralisando a obra (Gn 10:8-10; 11:1-8).

Tal qual a idolatria e seu culto ao deus-­sol, a teoria de uma ida ao Céu, também tem suas raízes em Babilônia.

  1. Que personagem planejava não só subir ao Céu, bem como lá estabelecer seu trono e tornar-se semelhante ao Altíssimo?

Satanás teve este plano e daí pode ter saído a inspiração para os pagãos inventarem uma recompensa totalmente estranha às promessas das Escrituras (Is 14:13,14).

  1. Que lugar, segundo as Escrituras, é destinado aos homens justos?

Os mansos herdarão a Terra e os ímpios dela serão desarraigados (Mt 5:5; Sl 37:3, 9-11, 18-20, 22, 29, 34; 10:16; 52:5; Pv 2:21,22; 10:30).

Na vinda de hol’Mehushkyah, os habitantes dentre os homens que sobreviverem à grande destruição, converter-se-ão e buscarão ao hol’Mehushkyah. As promessas a Abrul’ham implicam num reino aqui na terra (Rm 4:13; Gn 12:1-3,7; 13:14-17) e é isto que os homens convertidos, igualmente herdarão (Gl 3:29).

  1. Afinal, o que vem a ser o Céu?

O Céu é o trono do ETERNO (At 7:49; ls 66:1; Sl 11:4; Hb 12:2). O hol’Mehushkyah o confirma, proibindo juramento (Mt 5:34,35) e revelando, inclusive, que Yah’shua-oleym terrena é a cidade do grande Rei. Vemos aí a arrogância dos homens!

  1. Não disse hol’Mehushkyah em Jo 14:2,3 que, na Casa do Pai havia muitas moradas, e que os salvos seriam trasladados para lá?

Na verdade, hol’Mehushkyah disse que na Casa do Pai havia sim, muitas moradas e que Ele tinha que lá comparecer, mas não disse que iríamos para lá para recebê-las. Se nós entendemos que estas moradas referem-se à santa Yah’shua-oleym Celestial, convém examinar  Apocalipse 21:1-4.

Aqui constatamos que esta cidade vai descer do Céu depois do Milênio; depois que a Terra estiver totalmente renovada!

Notaremos, inclusive, que nela não há homens. Sim, depois que descer é que será a habitação do CRIADOR com os homens.

Jo 14, na verdade, é uma continuação do capítulo 13, onde o hol’Mehushkyah dialogava com os Seus discípulos sobre a Sua separação, deles. Este diálogo os entristeceu e hol’Mehushkyah alentava-os, instando-os a seguirem firmes; que não estariam órfãos e que Ele voltaria para estar novamente com eles, primeiro em espírito onipresente (consolando – Mt 18:20) e depois, fisicamente (I Ts 4:14-16). Eles não sabiam sequer para onde o hol’Mehushkyah iria. Como poderiam então ter uma crença de uma morada no Céu?

  1. Como compreender as passagens, que parecem dizer que o Céu é o lar dos remidos?

Notem que todas as passagens que falam de uma cidade, pátria nos Céus, não dizem que vamos habitar lá. Esta cidade vem para cá. Lembre-se que o Céu é o trono de YAOHUH UL’HIM. Reino dos céus está correto e é diferente de Reino nos céus.

Repetimos: a Nova Yah’shua-oleym só vai abrir suas portas e ser habitada pelos homens, depois do Milênio, quando ela vier para a Terra e O hol’Mehushkyah entregar o planeta totalmente purificado ao Pai (I Co 15:24-28; Ap 21:1).

OBS: Esta expressão “o Reino dos Céus” só é encontrada no livro de Mt (cerca de 32 vezes) e jamais ele diz: Reino nos Céus…

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

18

 

 

18 – Yah’shua-oleym: A Cidade do Grande Rei 

Verso Áureo: ” … De maneira nenhuma jureis … nem pela terra por ser o estrado de Seus pés, nem por Yah’shua-oleym, por ser a cidade do grande Rei.“. (Mt 5:35).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Estamos tratando nesta lição, de Yah’shua-oleym terrena. Cidade sofrida, perseguida, mas desejada por muitos povos e religiões.

Lá os povos muçulmanos ou islâmicos, possuem seus templos  Al-Aksa e a Cúpula ou Domo da Rocha, com um belo domo dourado; (cartão postal da cidade), edificado no VII século d.Y.

Este último templo está construído no lugar de onde, segundo os muçulmanos, Maomé teria em um sonho, ascendido ao Céu; levado pelo anjo “gabriel”.

Para os yaoshorul’itas, lá é o monte Sião ou monte Moriá, onde Abraão/Abrul’ham fora oferecer seu filho Isaque/Yaohutz’kaq (II Cr 3:1) e onde foi edificado o Templo de Salomão: é seu lugar mais sagrado; porém não foi reconquistado em 1967 e por isto, Yah’shua-oleym não é a atual capital de Yaoshor’ul. A religião papal, igualmente tem grande interesse nesta cidade. Qual é o mistério desta cidade tão disputada?

QUESTIONÁRIO

  1. Qual é a origem desta cidade e o que significa seu nome?

Nome de origem semítica relacionado com o termo hebraico shua’oleym  (shalom, no hebraico atual) ou shalem, “paz”. Em Gn 14:18 seu nome era Salém.

Os árabes a chamam El Kuds, “Cidade Santa”. Js 15:8 e 18:28 fala sobre os jebuseus do sul, isto é Yah’shua-oleym… “e Jebus” (I Cr 11:4,5). Em Is 52:1 é chamada de ir has-Kodesh, “cidade santa”. Ver Sl 76:2. Seu primeiro rei notável, segundo as Escrituras, foi Melquisedeque/Molkhi’Tzaodóq (Gn 14:18; Hb 7:1).

  1. De que forma os homens ímpios têm visto a cidade de Yah’shua-oleym, ao longo dos séculos?

Cidade rebelde e malvada: Ed 4:12. Uma pedra pesada… (Zc 12:2, 3, 9).

  1. Como foi viver  em Yah’shua-oleym, desde os tempos de seu domínio pelo povo do CRIADOR?

A cidade nunca teve paz, razão porque o CRIADOR sempre prometeu salvá-la e lhe dar plena segurança. Como isto, praticamente nunca ocorreu, entendemos que estas promessas são futuras, ou seja, quando o hol’Mehushkyah ocupar o trono de Dao’ud: Zc 1:14­-17; 2:4; 12:6; 14:11; Jr 33:14-17; Sf 3:14-17; Is 31:5; 33:20; Jl 3:17, 20,21.

  1. Que fatos distinguem esta cidade de outras, talvez até mais importantes?

É a cidade escolhida: a Cidade do CRIADOR, na qual pôs o Seu nome – YAH’SHUA-OLEYM (II Cr 6:6; 12: 13; 33:4,7; Sl 87:3; 132:13, 14; I Rs 11:32; Zc 3:2).

Morada do CRIADOR (I Cr 23: 25; Ed 1:3, 4; Sl 46:5; Zc 2:10-13; 8:3).

Cidade de Dao’ud e do grande Rei, cujo trono será de hol’Mehushkyah (II Sm 5:7-9; II Cr 5:2; Sl 48:1, 2; Is 24:23; 40:9; Jr 3:17).

Lá estão os tronos da casa de Dao’ud (Sl 122:5). Centro da Terra e das atenções (Ez 5:5) também denominada Sião: Sl 132:13; 48: 1,2; II Cr 5:2. O CRIADOR a livrará de Seus inimigos (Sl 46:5-7; Lc 1:71).

  1. Que importantes profecias, concernentes a Yah’shua-oleym, cumpriram­-se desde os dias de hol’Mehushkyah?

Os judaicos rejeitaram hol’Mehushkyah; tropeçando na Pedra Angular e assumiram sua atitude, pedindo que sobre eles e seus filhos, caísse o sangue de hol’Mehushkyah (Mt 27:25).

Por séculos, o povo judaico tem amargado sua infeliz decisão, sofrendo as mais atrozes perseguições. O hol’Mehushkyah previu a destruição do templo e a fuga dos judaicos, o que ocorreu com a invasão do general romano Tito, no ano 70 d.Y. Yah’shua-oleym, foi tomada e dominada pelos estrangeiros, até que o tempo da restauração prometida, fosse cumprido (Lc 21:5, 6, 20-24). Yah’shua-oleym foi parcialmente reconquistada na famosa guerra dos seis dias, em 1967 e aguarda a sua total restauração, após o Armagedom.

  1. Qual será o futuro papel desta cidade e o que representará para o mundo?

Será a capital do Reino Milenar, de onde sairão as leis e o governo da Terra. (Is 2:1-4).

Os reis e nações sobreviventes ao Armagedom converter-se-ão e unir-se-ão ao povo do Criador de Abrul’ham; para O servir: Sl 47:8, 9; 72:11; Zc 8:20-23; 14:16; ls 60:12. Será o centro da adoração e um louvor na Terra (Is 62:6, 7; 27:13).

  1. Findo o Milênio, que evento ocorrerá, relacionado a Yah’shua-oleym?

Ao findar o Reino Milenar de transição deste planeta, o adversário de nossas almas, por um pouco de tempo será solto de sua prisão. Numa última tentativa de enganar os homens (que nasceram e viveram durante o milênio, sob o governo de hol’Mehushkyah), buscará retomar o domínio. Sairá proclamando um ataque à Yah’shua-oleym terrena, capital do Reino; mas, fogo descerá dos céus para consumi-los (II Pe 3:10). Satanás será então lançado no lago de fogo e enxofre juntamente com os seus… Somente depois destes fatos é que os ímpios ressuscitam para o seu horror eterno! Ap 20:11-15.

A morte será o derradeiro inimigo a ser destruído (Ap 20:14). Erradicados e vencidos todos os inimigos, a Terra será totalmente nova, como fora no Éden.

Então, descerá do Céu a Nova Yah’shua-oleym (que substituirá a cidade terrena) e hol’Mehushkyah entregará o reino restaurado ao Pai, YAOHUH UL’HIM. Yah’shua-oleym terrena abrirá espaço à cidade onde o próprio eterno habitará com os homens (Zc 14:4 cf Ap 21:3).

ESCLARECIMENTOS FINAIS

A Yah’shua-oleym que será sitiada por satanás, com os que ele conseguira enganar de entre as nações, não é a Yah’shua-oleym Celestial, pois esta não desce enquanto a Terra não estiver totalmente renovada. Ap 21:1-3.

Os ímpios que estarão aliados ao inimigo não são ímpios ressuscitados e sim os que este conseguir seduzir dentre os habitantes do milênio. Tenha em mente que os povos formados durante o milênio, nunca conheceram ou foram provados pelo inimigo. Estes sim, têm sentido de serem submetidos ao teste final.

Os ímpios mortos já conheceram o mundo de pecado e ressuscitarão para o juízo final e segunda morte, somente depois de satanás (com os seus) terem sido lançados no lago de fogo (Ap 20:12-15).

Yah’shua-oleym é a cidade do grande Rei e será Sua morada. Por isso, é alvo de tantas perseguições, inclusive de religiões que a condenam, como condenam a Yaoshor’ul. Não se surpreendam, se ouvirem dos religiosos, que nada mais há para Yaoshor’ul!

Foram-me indicados então alguns que estão em grande erro de crer que é seu dever ir à antiga Jerusalém, entendendo que têm uma obra a fazer ali antes que o Senhor venha. Tal opinião é de molde a afastar a mente e o interesse da presente obra do Senhor, sob a mensagem do terceiro anjo, pois os que pensam que devem não obstante ir a velha Jerusalém terão sua mente firmada ali, e os seus recursos serão tirados da causa da verdade presente para permitir a eles e outros estar ali. Vi que tal missão não realizaria nenhum bem real, que levaria um bom espaço de tempo para levar alguns judaicos a se tornarem crentes mesmo na primeira vinda do Senhor, quanto mais no Seu segundo advento. Vi que Satanás havia enganado sobremodo alguns neste ponto e que as almas a todo redor deles, neste país, poderiam ser ajudadas por eles e levadas a guardar os mandamentos de deus, mas foram, deixando-as perecer. Vi também que a velha Jerusalém jamais seria reconstruída, e que satanás estava fazendo o máximo para levar a mente dos filhos de hol’Mehushkyah para essas coisas agora, no tempo do ajuntamento, impedindo-os de  dedicar todo o seu interesse à presente obra do senhor, levando-os assim a negligenciarem a necessária preparação para o dia do Senhor. Ellen G. White – Primeiros Escritos pg 75-76.

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

19

 

 

19 – A Situação da Terra no Milênio

Verso Áureo: “Pois assim diz o hol’Mehushkyah que criou os céus, ele é o Criador; foi Ele que formou a terra, e a fez, Ele a estabeleceu; Ele não a criou para ser vazia, mas a formou para que fosse habitada“. (Yashua’yah 45:18).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Existem muitas opiniões sobre o lar dos salvos. A grande maioria, como se sabe, defende a idéia de uma morada ou estágio nos céus do ETERNO, na Yah’shua-oleym que está nos Céus, por sete anos, mil anos, ou ainda, eternamente (e há outros se contentam com a Terra enquanto os seus lideres escolhidos – 144.000 – lhes governam dos céus)…. Na verdade, nada disto tem base bíblica, pois hol’Mehushkyah virá estabelecer o Reino Milenar aqui na Terra; porque aqui estará o trono de Sua glória – At 15:16. Como será o planeta nesta era de transição? É o que veremos:

QUESTIONÁRIO

  1. Como era a Terra no princípio da criação e por que o CRIADOR [Yaohushua] a criou?

A Escritura diz que era sem forma e vazia e que estava totalmente envolta e submersa em águas (Gn 1:2; Sl 104:5-8). Foi criada para a habitação dos homens e estes estão limitados a ela (At 17:26). O Céu é a sede do trono do ETERNO (Mt. 5:34; At 7:49); os homens tementes acomodam-se mui alegremente ao estrado de Seus pés, pois a Terra é para os justos (Sl 115:16; Pv 2:21,22).

  1. Por que existem ímpios na Terra e até quando estarão aqui?

Os ímpios têm sua origem no fracasso de Adão/Adan, que falhou, abrindo espaço para o pecado e suas consequências, das quais a principal é a morte. Esta passou a todos os homens (Rm 5:12; I Co 15:21,22). A Palavra afirma que o diabo é o responsável pela existência dos ímpios, e que estes serão eliminados da face da terra, no tempo da colheita, ou seja, da segunda vinda de hol’Mehushkyah (Mt 13:25, 30, 38-42, 49, 50). Porém, muitos deste ímpios fora selados por satanás em suas mãos e a estes poderá ser dado uma oportunidade de se redimirem durante o milênio – Is 24:6.

  1. Como o CRIADOR considera nosso planeta e a quem pertence o seu domínio?

A Terra, na verdade, é o Reino do nosso hol’Mehushkyah (Mt 13:41; Ap 11:15-17). Com a entrada do pecado, o CRIADOR tem permitido aos homens governá-la (Jo 18:36; Dn 4:17, 32).

Eles estão destruindo-a e têm-na tornado um sistema injusto e pecaminoso. Serão julgados e despojados do poder, no Armagedom, e entregarão seu governo ao hol’Mehushkyah (Ap 11:15-18; Dn 7:13, 14, 18, 27).

  1. Por que os ímpios não foram destruídos, logo que surgiram? Houve algum plano de exterminar os ímpios e o pecado no princípio?

Para tudo há um tempo determinado (Ec 3:1, 20). O CRIADOR enviou Seu Filho para restaurar todas as coisas e salvar o mundo perdido (Mt 18:11; At 3:21).

Ele é misericordioso e não tem prazer – e pressa – na morte do ímpio, mas sim, que este se arrependa e viva (Ez 33:11). Os anjos queriam eliminar os ímpios, todavia lhes foi dito que esperassem… Vencido o tempo, a Terra, o reino de hol’Mehushkyah, será purificado (Mt 13:27-30,39­43). Note o verso 41: “…colherão do Seu reino “.

  1. Que aprendemos com o dilúvio e o que esperar do planeta para o futuro?

A terra estava cheia de violência e pecado. O inimigo talvez esperasse que, com sua astúcia, pudesse ver do CRIADOR uma reação capaz de extinguir com a espécie humana e toda a criação. Mas ouça o que O CRIADOR disse a Noé: Sim, estabeleço o meu pacto convosco; não será mais destruída TODA a carne pelas águas do dilúvio; e não haverá mais dilúvio, para destruir a terra. Gn 9:11.

Aqui ficou claro três coisas:

  1. a) O CRIADOR ama sua criação; não a extingue, nem a recria; sempre deixa um remanescente (Rm 11:1-6).
  2. b) Reverte as piores situações e sempre vence, sabiamente, o inimigo.
  3. c) Se diferente fosse, isto seria admitir que o CRIADOR ERROU na criação do ser humano…

Preservando os seres humanos e os animais, com a arca (símbolo da Igreja/Kehiláh), mostrou Sua intenção em manter a criação (Sl 36:6) e firmou o pacto de não mais ferir de morte a todos os viventes (Gn 8:21).

No futuro, os santos serão transformados (limpos das consequências do pecado), mas não deixarão de ser humanos (lembre-se que a ordem dada de “crescei e multiplicai” fora dada ao homem ainda quando imortal)… Por isto, está prevista uma grande guerra (6ª praga) que abaterá os habitantes da Terra e um pouco de cada nação será preservado, bem como um restante do povo de Yaoshor’ul, que se converterá e reconhecerá o hol’Mehushkyah (Zc 12:8-10; 14:16).

  1. Como serão estes sobreviventes das nações, visto não serem crentes? Permitirá O CRIADOR que ímpios reinem com os justos no milênio?

Como já explicamos, o restante de Yaoshor’ul reconhecerá, em hol’Mehushkyah, aquEle que sempre rejeitaram. Eles serão purificados e exercerão um trabalho missionário na Terra, juntamente com os 144 mil judaicos, as primícias. Ao levar hol’Mehushkyah para todas as nações (Is 66:19), o Evangelho deste Reino estará sendo pregado à todas as nações… e, então virá o fim (após o milênio). Mt 24:14 cf II Pe 3:10.

Os demais sobreviventes ao Armagedom, reis e nações, submeter-se-ão ao hol’Mehushkyah para servi-Lo. Unir-se-ão ao hol’Mehushkyah, reconhecendo-O como o Rei da Terra. Assim sendo, os sobreviventes das nações servirão para repovoar a terra e dar continuidade às nações…

  1. Qual é o principal objetivo do Reino Milenar e quais serão as condições do planeta nesta fase?

No primeiro milênio, a Terra decaiu de seu estado paradisíaco. Contudo, o homem ainda chegou a viver quase mil anos, como Methuselah (969), Yaorod (962), Adan (930), Nokh (950), Yafet (912) [efeito residual do fruto da árvore da vida – Gn 3:22].

No derradeiro milênio, dar-se-á a reconstrução de tudo; a volta às origens (ver Mt 19:28; At 3:21).

O Reino de hol’Mehushkyah trará justiça e progresso à Terra, que encher-se-á do conhecimento de hol’Mehushkyah (ls 11:1-5, 9; Jr 23:5).

Voltará a haver a longevidade e paz reinará entre animais, homens e nações (Is 11:5-8; 65:20, 24, 25). Na verdade, será um glorioso reinado de transição rumo a “novos céus”….

NOTA: Aviso aos consumidores de carne – Para continuar se alimentando de alimentos cárneos teremos que antes, matá-los! Haverá morte na Nova Terra?

  1. Findo o Milênio, em que condições estará a terra e o que ocorrerá?

Satanás será lançado no lago de fogo, os ímpios ressuscitarão, serão julgados e igualmente lançados neste lugar. A morte, o último inimigo, já não será mais necessária e será também destruída. A Terra estará totalmente restaurada.

João/Yaohu’khanan diz: “E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram e o mar já não existe.” (Ap 21:1). É o tempo de hol’Mehushkyah entregar ao Pai o Reino, totalmente restaurado e resgatado (I Co 15:24-28). Do Céu, então, descerá a Nova Yah’shua-oleym, o santuário do ETERNO! (Ap 21:2). O Pai, finalmente, estará entre nós! A era do pecado terá passado e tudo estará como deveria ser, desde o princípio!

…bem aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra. (Mt 5:5).

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20

 

 

20 – Redenção Completa na Cruz 

Verso Áureo:E não  por meio de sangue de bodes e bezerros, mas pelo Seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, havendo obtido uma eterna redenção”.

(Hb 9:12).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Você já ouviu alguém confessar que O hol’Mehushkyah não completou na cruz a obra de salvação? Os adventistas, por meio dos escritos de sua [falsa] profetisa Ellen White, dizem que hol’Mehushkyah fez na cruz, apenas parte da obra da redenção do pecador.

Afirmam que Ele ficou, desde Sua ascensão até 1844, no primeiro compartimento do santuário celestial [Lugar Santo], quando então se transferiu para o Santo dos Santos [Santíssimo – onde fica a arca da Aliança e por suposto, o Trono do ETERNO], para iniciar uma obra denominada “Juízo lnvestigativo”, que na verdade, seria a purificação daquele santuário. Assim, fica claro que não crêem ter sido concluída na cruz a obra de perdão de pecados e redenção do pecador.

NOTA: Isto contradiz as Escrituras (frontalmente), pois lemos em Ap 3:21 que Ele esteve sentado ao lado do Pai desde a Sua ascensão… A não ser que TAMBÉM o Pai (YAOHUH UL’HIM) tenha ficado do lado de fora do Santíssimo, todo este tempo!

QUESTIONÁRIO

  1. Segundo as Escrituras, O hol’Mehushkyah deixou ainda alguma coisa por fazer, concernente a purificação de nossos pecados?

O hol’Mehushkyah realizou um único e definitivo sacrifício. Com Sua morte expiou imediata e totalmente, os pecados dos crentes (Hb 7:27; 9: 11,12,28; 10: 10,12). Sha’ul disse “…Em quem temos a redenção… “, Ele não falou no futuro e sim no presente! (Ef 1:7; Cl 1:14).

  1. Quando o crente efetivamente é purificado e tem seus pecados cancelados?

Preenchidas as condições de arrependimento, na imersão pública em nome de YAOHUSHUA (Não e nome de um falsa “nome” – jesus) para remissão de pecados (At 2:38; 22:16). Neste momento seus pecados passados são cancelados (At 3:19). Leia Jo 3:18.

  1. Após este processo, os pecados do crente ainda ficam, em memória diante do CRIADOR, até um tempo determinado?

Hb 8:12; 10:3, 18: “Ora, havendo remissão destes, não há mais oferta pelo pecado ” e ” … jamais me lembrarei dos seus pecados e das suas iniquidades. ”

Segundo a ‘profetisa’ White, O ministério do sacerdote, durante o ano todo, no primeiro compartimento do santuário, para dentro do véu que formava a porta e separava o lugar Santo do pátio externo, representa o ministério em que Cristo entrou, ao ascender ao Céu. Era a obra do sacerdote no ministério diário a fim de apresentar perante deus, o sangue da oferta pelo pecado bem como o incenso que ascendia com as orações de Israel.

“Assim pleiteava Cristo com Seu sangue, perante o Pai, em favor dos pecadores, apresentando também, com o precioso aroma de Sua justiça, as orações dos crentes arrependidos. Esta era a obra ministerial no primeiro compartimento do santuário celeste. (…) O sangue de Cristo, oferecido em favor dos crentes arrependidos, assegurava-lhes perdão e aceitação perante o Pai; contudo ainda permaneciam seus pecados nos livros de registro”O Grande Conflito, pág 420.

“Assim Cristo apenas completara uma parte de Sua obra como nosso intercessor perante o Pai  em favor dos pecadores.” O Grande Conflito, pág 428.

Ora, se o crente é remido mediante a imersão e ETERNO não se lembra mais de seus pecados, como explicar que o hol’Mehushkyah seguiu oferecendo Seu sangue e que um juízo investigativo segue no Céu desde 1844, relembrando os pecados?

Definitivamente, o hol’Mehushkyah não seguiu fazendo ofertas pelo pecado por 1810 anos, pois na cruz, ofereceu num único e suficiente sacrifício, o Seu sangue. Se, continuou havendo oferta pelo pecado até 1844 e depois se abriram livros, para se examinar obras, o ETERNO não se esqueceu dos pecados dos arrependidos (!?!).

“E não por meio de sangue de bodes e bezerros. mas pelo Seu próprio sangue,  entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, havendo obtido uma eterna redenção.” (Hb 9:12). Nada ficou para depois!

  1. A partir de quando todo o povo santo passou a ter acesso diretamente ao ETERNO? Até quando o caminho ao Pai estava fechado?

Quando O hol’Mehushkyah morreu, o véu que fazia separação entre o Santo Lugar e o Santíssimo, no Templo, rasgou-se em dois, de alto a baixo (Mt 27:50, 51). Isto significa que a partir de então estava aberto o caminho (Hb 9:8) e todo o crente tem acesso ao Pai, por meio de nosso Sumo-Sacerdote, Yaohushua… (Hb 6:19, 20; 10:19, 20). Hoje, portanto, vivemos o sacerdócio de Melquisedeque/Molkhi’Tzaodóq; o sacerdócio de todo o crente com o nosso Sumo Sacerdote, Yaohushua! Embora os judaicos seguissem com os serviços, estava terminado na cruz o sistema araônico; e agora hol’Mehushkyah entrara por nós, além do véu; no Santo dos Santos, onde, ESTÁ assentado à destra do ETERNO e por nós intercede (Hb 4:14-16).

Com Sua morte e ascensão hol’Mehushkyah já entrou imediatamente no Santo dos Santos, no Céu. Não ficou num Santo Lugar, intermediário, até 1844 (Ap 3:21) – a não ser que o Trono do Pai, TAMBÉM estava fora!!!

  1. Segundo as Escrituras, onde o hol’Mehushkyah entrou e encontra-se após Sua ascensão?

Hol’Mehushkyah ficou à destra do Pai (Hb 9:24; 10:12; At 7:54, 55). É absurda e contraditória a filosofia de White, ao querer que hol’Mehushkyah tenha estado FORA do santíssimo, ou seja fora do Trono do Pai: “O ministério do sacerdote, durante o ano todo, no primeiro compartimento do santuário, para dentro do véu que formava a porta e separava o lugar Santo do pátio externo, representa o ministério em que Cristo entrou, ao ascender ao céu. Era a obra do sacerdote no ministério diário, afim de apresentar perante deus o sangue da oferta pelo pecado…O Grande Conflito, pág 420.

REPETIMOS: A Escritura é farta em passagens que diz que hol’Mehushkyah sentou-se ao lado do Pai. Como o trono do ETERNO só pode estar no Santíssimo (simbolizado pelo propiciatório da Arca da Aliança) e, segundo esta doutrina apócrifa, hol’Mehushkyah só entrou no Santíssimo em 22 de outubro de 1844 – o Yon Kipur judaico; isto quer dizer que TAMBÉM o Pai só pode entrar em 1844???

OBS: Até na data do Yon Kipur daquele ano, ela errou; pois, em vez de 22 de outubro, havia sido em 23 de setembro… Um erro de quase um mês, atribuído ao Criador?!? Alegam a existência de um calendário Caraíta (uma dissidência dos ortodoxos) à parte do judaísmo e que este seria o calendário certo a ser usado; negado até mesmo pelos Caraítas…

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

21

 

 

21 – Como é a Prisão de satanás?

Verso Áureo: “Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e satanás, e amarrou-o por mil anos.” (Apocalipse 20:2).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

A prisão deste personagem tem certas relações com o Reino Milenar de hol’Mehushkyah, pois, é durante este período, que ocorrerá. Por esta razão, ficam em apuros os amilenistas e os pós-milenistas que, na tentativa de dizer que hol’Mehushkyah já está reinando, têm que achar um meio de provar que satanás está preso. Mas, com tanto aumento de pecado e injustiça, as duas coisas são impossíveis de serem provadas. Se hol’Mehushkyah já estivesse reinando e o diabo preso, o mundo certamente não estaria como está, de mal a pior…

Em semelhante dificuldade estão também os seguidores de Russel [TJs], pois defendem um reino de hol’Mehushkyah, desde 1914. Entendemos que hol’Mehushkyah está reinando hoje sim, mas no coração dos fiéis (Mt 18:20). Ainda não vivemos o reino milenar!

QUESTIONÁRIO

  1. Como e por que satanás será preso na segunda vinda de hol’Mehushkyah?

O mundo está no maligno (I Jo 5:19). A evangelização e conversão das nações tem sido barrada pela atuação do inimigo (Lc 8:12).

Para um reinado que visa erradicar o pecado, trazer a justiça e levar o planeta de volta às origens, é indispensável prender, desativar o maligno e suas hostes. Dos sobreviventes do Armagedom, novas gerações surgirão e estas não poderão ser enganadas. Esta é a principal razão da prisão: não permitir mais que se engane as nações (Ap 20:3), até que se concluam os mil anos.

Evidentemente, trata-se de uma prisão espiritual (não circunstancial), mas que isolará totalmente o adversário dos habitantes do reino milenar.

  1. Existem outras passagens que prevêem a prisão deste inimigo e suas hostes espirituais?

Sim. Quando hol’Mehushkyah expulsou-os, reclamaram dizendo ainda não ser o tempo de seu tormento (Mt 8:29). Zacarias nos fala de serem removidos da Terra (Zc 13:2).

  1. Falando em abismo, como as Escrituras definem um lugar assim? Seria um lugar onde a pessoa pudesse se movimentar livremente de um lado para o outro?

Abismo representa um lugar profundo, isolado, escuro e de imobilidade e de muita angústia. Leia sobre o abismo de Coré (Nm 16:30-33), de Jonas/Yao’nah (Jn 2:5,6), da sepultura (Rm 10:7; SI 30:3). As águas debaixo da terra são chamadas “fontes do abismo” (Gn 7:11 e 8:2).

  1. O adventismo associa a idéia de uma terra vazia no Milênio, ao estado do planeta no princípio de sua existência. Tem algo a ver?

Nada a ver. A Terra era sem forma e vazia. Na verdade, uma massa, envolta em águas (Sl 104:5-8). Se a “profetisa” viu a Terra como um deserto, certamente não foi como era no princípio e tampouco como o salmista Dao’ud: “Que a expressão abismo representa a Terra em estado de confusão e trevas, é evidente de outras passagens. Relativamente à condição da Terra no princípio, o relato bíblico diz que era sem forma e vazia; e que havia trevas sobre a face do abismo. Gênesis 1:2. A profecia ensina que ela voltará, em parte ao menos, à esta condição.” O grande Conflito, 663, 664. Na sequência a profetiza cita Jr 4:23-26.

OBS: A profetiza cita os versos 23 a 26 para provar que a Terra estará vazia (deserta), mas se lesse apenas mais um verso veria que: Pois assim diz o hol’Mehushkyah: Toda a terra ficará assolada; porém, não a consumirei de todo (vs. 27). O profeta vê que ainda restam alguns (Is 24:6), sem falar que o contexto de Jr 4 é a terra de Yaoshor’ul que iria para o exílio babilônico! Ali vemos o próprio profeta presente e mais tarde sendo convocado para agir como um prefeito da cidade…

NOTA: Além do mais, esqueceu-se das promessas feitas a Nokh… Gn 9:11

  1. Que relação existe entre Apocalipse 20 e uma terra vazia?

Nenhuma! Em parte alguma deste capítulo fala em terra vazia. Ao contrário, a prisão de satanás dar-se-á porque há nações na Terra, e que não deveriam mais ser vítimas deste.

Não se prende um ladrão porque não há bancos para roubar, mas porque há! O adventismo complica ainda mais, dizendo que a prisão do inimigo era para que não enganasse nações de outros planetas (O Grande Conflito pág.664).

Ora, o texto diz: “…para que não mais enganasse…” Será que ele já vinha então enganando outros planetas? Não existe a tal “Prisão Circunstancial”. Existe de fato uma prisão real das hostes das trevas. White, no entanto, diz:  “O escritor de Apocalipse prediz o banimento de satanás, e a condição de caos e desolação a que a terra deve ser reduzida…“. Onde está escrito isto?

  1. De onde surgiu a idéia de se associar a prisão de satanás a uma terra vazia? Isto compromete a outros ramos adventistas?

Ao elaborar a doutrina de que o bode emissário fosse satanás (Lv 16) tiveram que associar uma obra para este bode num deserto.

Neste caso, seria então uma terra vazia onde ele amargaria os pecados da humanidade: “A terra inteira se parece com um deserto assolado … Ocorre agora o acontecimento prefigurado na última e solene cerimônia do dia da expiação. Quando se completava o ministério no lugar santíssimo, e os pecados de Israel eram removidos do santuário em virtude do sangue da oferta pelo pecado, o bode emissário era então apresentado vivo perante o Senhor; e na presença da congregação o sumo sacerdote confessava sobre ele todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, segundo todos os seus pecados, pondo-os sobre a cabeça do bode”. Levítico 16:21.

Semelhantemente, ao completar-se a obra de expiação no santuário celestial, na presença de deus e dos anjos do Céu e do exército dos remidos, serão então postos sobre satanás os pecados do povo de deus; declarar-se-á ser ele o culpado de todo o mal que os fez cometer. E assim como o bode emissário era enviado para uma terra não habitada, satanás será banido para a Terra desolada, que se encontrará como um deserto despovoado e horrendo” O Grande Conflito, 663...

Pense Nisto: O bode emissário era culpado do pecado do povo? Ou foi posta sobre ele a culpa? Biblicamente, nossas culpas foram postas sobre hol’Mehushkyah! Is 53:4.

OBS: Porque os bodes para a expiação deveriam ser sem mácula se um deles representaria satanás? O inimigo é sem mácula? Na realidade os dois bodes representariam o ministério da cruz (hol’Mehushkyah foi julgado dentro da cidade e morto fora da cidade).

  1. O que ocorrerá no fim de tudo, com satanás e suas hostes?

White diz que: “Durante mil anos satanás vagueará de um lugar para outro na terra desolada…” (…) “Agora satanás se prepara para a última e grande luta … consulta seus anjos, e depois esses reis, vencedores e guerreiros poderosos … declara que o exército dentro da cidade é pequeno em comparação com o seu, podendo ser vencido. Formulam seus planos para tomar posse das riquezas e glória da Nova Jerusalém … Por ordem de Cristo são fechadas as portas da Nova Jerusalém, e os exércitos de satanás rodeiam a cidade, preparando­-se para o assalto.” Não, não é a novela das oito! É o Grande Conflito, pág 664. (Hoje, sabe-se que 27% deste livro foi copiado de outras obras…).

Na verdade, findo o milênio (Ap 20:1-10), satanás será solto por um pouco de tempo e sairá a enganar o povo que habita aqui na Terra e não os ímpios ressuscitados. Sitiará, na verdade, a antiga Yah’shua-oleym (a cidade querida – vs 9), capital do Reino Milenar Messiânico, mas fogo do Céu os consumirá (II Pe 3:10). Só então (depois da Terra ter sido feita NOVA) é que a Nova Yah’shua-oleym desce dos céus, juntamente com o ETERNO – Ap 21:1-3.

OBS: A desolação descrita em II Pe 3:10 acontece agora, após o milênio e não antes… O hol’Mehushkyah disse que o fim ocorreria após a pregação do Seu evangelho por todo o Reino (Is 66:19) e que precederia o fim e este só acontece agora, uma vez que a Verdade foi pregada durante o milênio – Is 66:19, 21.

Repetimos; satanás irá para o lago de fogo. Nunca, jamais, cercará a Nova Yah’shua-oleym, pois esta só descerá do Céu depois de findo o mal e da total purificação do planeta…

TOPO

 

22

 

 

22 – Haverá Mesmo um Juízo Investigativo?

Verso Áureo: “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o hol’Mehushkyah, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a Sua vinda.” (II Timóteo 4:8).

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

O povo do CRIADOR salvo e remido, não entra em juízo. Nossa sentença de morte recaiu sobre hol’Mehushkyah e, no ato da nossa imersão, passamos pela morte e ressurreição com Cristo.

Sha’ul fala aos romanos que não há mais nenhuma condenação para os que estão em Cristo.

As Escrituras dá testemunho de homens aprovados pelo CRIADOR (cap. 11 de Hebreus) e da coroa de Sha’ul, que já era certa e aguardava-o. Ele agrega na carta aos efésios: “Sois salvos … ” (Ef 2:5, 8; I Co 15:2) e isto está no presente! “Guarda o que tens … “, diz Ap 3:11. Nos já temos a vida!

Por que, teríamos de passar por um juízo, para determinar se temos ou não direito à salvação ou a vida eterna?

QUESTIONÁRIO

  1. Para conhecer as condições espirituais dos remidos, O CRIADOR depende de um juízo investigativo?

De forma alguma. O CRIADOR conhece os seus (II Tm 2:19).

  1. Segundo o adventismo, qual é a finalidade do tal juízo?

“Assistido por anjos celestiais, nosso grande Sumo Sacerdote entra no lugar santíssimo, e ali comparece à presença do CRIADOR afim de se entregar aos últimos atos de Seu ministério em prol do homem, a saber: realizar a obra do juízo de investigação e fazer expiação por todos os que verificar com direito aos benefícios da mesma.” O Grande Conflito, 484.

“Durante dezoito séculos este ministério continuou no primeiro compartimento do santuário. O sangue de Cristo, oferecido em favor dos crentes arrependidos, assegurava-lhes perdão e aceitação perante o Pai; contudo, ainda permaneciam seus pecados nos livros de registro (…) a purificação real do santuário celeste deve efetuar-se pela remoção, ou apagamento, dos pecados que ali estão registrados. Mas antes que isto possa se cumprir, deve haver um exame dos livros de registro para determinar quem, pelo arrependimento dos pecados e fé em Cristo, tem direito aos benefícios de Sua expiação”.

…ao terminarem em 1844 os 2300 dias, entrou Ele então no lugar santíssimo do santuário celeste, a fim de levar a efeito a obra final da expiação, preparatória à Sua vinda. “. (Idem pág. 420…). Os que no juízo forem havidos por dignos, terão parte na ressurreição dos justos … ” Idem 486.

  1. Que outros detalhes temos sobre este juízo, do adventismo?

Ao abrirem-se os livros de registro no juízo, é passada em revista perante deus a vida de todos os que creram em jesus. Começando pelos que primeiro viveram na Terra, nosso advogado apresenta o caso de cada geração sucessiva, finalizando com os vivos. Todo o nome é mencionado, cada caso minuciosamente investigado. Aceitam-se nomes e rejeitam-se nomes. Quando alguém tem pecados que permanecem nos livros de registro, para os quais não houve arrependimento nem perdão, seu nome será omitido do livro da vida, e o relato de suas boas obras será apagado do livro memorial do CRIADOR.” ( … )

Vivemos hoje no grande dia da expiação … examinará Ele o caso de cada indivíduo, com um escrutínio tão íntimo e penetrante como se não houvesse outro ser na Terra. Cada um deve ser provado, e achado sem mancha ou ruga, ou coisa semelhante …

O juízo ora se realiza no santuário celestial. Há muitos anos esta obra está em andamento. Breve, ninguém sabe quão breve, passará ela aos casos dos vivos … Quando encerrar a obra do juízo de investigação, o destino de todos terá sido decidido, ou para a vida, ou para a morte. O tempo da graça finaliza pouco antes do aparecimento de Cristo nas nuvens do Céu.” ibidem, 486, 493, 494.

A vida de cada crente é minuciosamente examinada. Há possibilidade de até mesmo algum crente, ter pecados não perdoados e ser rejeitado. Começando pelos mortos, não se sabe quando alcançaria os vivos (até parece o judiciário brasileiro, abarrotado de processos). A decisão final da salvação depende disto e ninguém hoje pode ter certeza de nada. Este processo terminará pouco antes de hol’Mehushkyah voltar…

Como é diferente o ensino das Escrituras! Na cruz hol’Mehushkyah cumpriu tudo para nos salvar. Não fez nada pela metade! Já somos salvos e não dependemos ou entramos em juízo (Jo 5:24; Rm 8:1). Veja que o juízo após o milênio ocorre somente para os mortos – ímpios – que, evidentemente não ressuscitaram na Vinda de hol’Mehushkyah para estabelecer o Seu Reino sobre a Terra, no início do milênio. Além de que, quem NUNCA aceitou a Cristo, nem mesmo serão julgados… ressuscitam para o lago de fogo! Ap 20:15 – Leia também Jo 3:18.

A partir do “está consumado”; Ele sendo consumado, aperfeiçoado (Jo 19:30; Mt 27:51) e com a abertura do véu do Templo (expondo o santíssimo), todos os pecados sob o pacto com Abrul’ham e dos que criam, estavam cancelados (At 3:19; Hb 9:15). Já em Cristo (a Renovada Aliança), os crentes eram imersos – em Seu Nome hebraico, é claro –  e tinham seus pecados apagados no ato (At 2:38).

  1. De acordo com a Palavra, O CRIADOR via a necessidade de um juízo para identificar seus servos?

Sha’ul disse que desde aquele momento, já lhe estava guardada a coroa.

A Palavra testifica que Abel/Ab’ul, Enoque/Kanoch, Noé/Nokh , Abraão/Abrul’ham e outros já tinham alcançado testemunho de que agradaram ao CRIADOR e que TODOS aguardavam a remissão (Hb 11:39-40).

Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas, mas vendo-as de longe e crendo-as e abraçando-as… E todos estes tendo tido testemunho pela fé…” (Hb 11:13, 39). “Mas o que tendes retende-o… Guarda o que tens…” (Ap 2:25; 3:11).

  1. Onde o hol’Mehushkyah está e que trabalho exerce, relativo aos santos?

O hol’Mehushkyah, desde Sua ascensão, encontra­-se no Santíssimo assentado à direita do Pai (Hb 10:12). Exerce um trabalho sacerdotal como nosso advogado e mediador (o Consolador – Mt 18:20 cf Atos 20:28; Jo 14:23), intercedendo por nós (Hb 4:14-16; 5:9: 7:25; I Jo 2:1,2). Não está julgando a ninguém, pois isto só ocorrerá em Sua vinda e no Seu reino (II Tm 4:1).

  1. Por qual outra razão é absurda a idéia deste juízo?

Porque com um único sacrifício, ou oblação, concluída na cruz, hol’Mehushkyah aperfeiçoou-nos para sempre e não se lembra mais de nossos pecados (Hb 10:14-18; Jo 5:24). Como pode alguém aperfeiçoado, ainda depender deste juízo?

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

23

 

 

23 – Discernindo Profetas e Profecias

Verso Áureo: “Não mandei os profetas, e todavia eles foram correndo; não lhes falei a eles, e todavia eles profetizaram.”  (Jeremias 23:21)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

 A divisão religiosa em si já é algo reprovado pelo CRIADOR. Não existem duas verdades, como também não existem dois caminhos que nos levam à salvação. Em todas as épocas, o CRIADOR sempre escolheu um único povo que O representasse. Hoje não é diferente. Acompanhando todo este engodo religioso, surgiram os que querem fazer-­se passar por profetas, e muitos são aqueles que defendem e aceitam-nos. Cremos fielmente no dom e no espírito da profecia (e não de profecia), mas segundo os ditames da Palavra do CRIADOR.

OBS: Antes de qualquer coisa, o Espírito da Profecia (Ap 19:10) é a própria Escritura, pois esta é a Sua Palavra revelada (II Tim 3:16) e são o Seu testemunho – Jo 5:39.

QUESTIONÁRIO

  1. Que teste bíblico podemos aplicar nos profetas de nossos dias? Devemos crer em qualquer espírito que se apresenta como enviado do CRIADOR?

Buscando credibilidade, os profetas modernos envolvem-se em previsões e marcações de datas. Na maioria das vezes, ocorre exatamente o contrário do que profetizam. Precisamos, não apenas conferir se suas profecias cumprem-se, mas verificarmos onde nos querem levar tais profetas (certamente LONGE do Caminho). Somos orientados a provar os espíritos e a não temer os que usam falsamente o nome do CRIADOR (I Jo 4:1); usando, inclusive, um Nome falso (DEUS ou JESUS em vez de YAOHUH ou Yaohushua). O cumprimento de uma ou mais predições não é suficiente para que o profeta seja considerado como enviado do CRIADOR. Normalmente eles aproveitam-se de uma ou outra predição bem sucedida para, após adquirir credibilidade, colocar suas falsas doutrinas (Dt 13:1-3; 18:21,22). Temos que prová-los pelos seus ensinos e basta uma predição falsa, para concluirmos que são falsos. O ETERNO não mente nem se engana. (Tg 1:17).

OBS: O teste maior, de acordo com Yashua’yah é: Não contradiz as Escrituras (Is 28:20). Outra dica: observe a sua vida fora dos púlpitos (se ele não segue a Lei; bebe; fuma; consome alimentos imundos; guarda um falso dia de adoração – o domingo; e pior, crê em um terceiro deus (trindade); etc; como o CRIADOR pode usar uma pessoa assim?) Veja outras dicas para conhecer o verdadeiro profeta do CRIADOR: Jr 28:9;  Dt 13:1-3;  Jr 14:14;  II Pd 1:21 e  I Jo 4:1-3. Por isto, costumamos dizer: Não descreia jamais das ‘profecias’ ou ‘revelações’, mas, verifique sempre quem as revelou (Mt 7:21-23). Tem uma determinada congregação que não ensina a Bíblia e não tem “pastor” e é uma das que mais cresce no Brasil. Como? Fazendo revelações – sobre a vida das pessoas – e não errando uma!!!

  1. Que exemplos bíblicos podemos citar, de que falsos profetas buscam credibilidade e procuram firmar-se como mensageiros do CRIADOR?

Zedequias ilustrou sua profecia com uns chifres de ferro e tentou persuadir o profeta Micaías a dizer boas coisas ao rei. Hananias, quebrando um jugo de madeira que estava no pescoço de Jeremias/Yarmi’yaohuh, tentava convencer o povo de Yaohu’dah que, dentro de dois anos, traria de volta o rei Yeconias e os vasos da casa do CRIADOR que estavam na Babilônia, pondo fim ao cativeiro. Esta mensagem contrariava a Jeremias/Yarmi’yaohuh, que anunciava um cativeiro de setenta anos (I Rs 22:1-14; Jr 27:2; 28:1-4, 10-17; 25:11, 12).

  1. Entre os falsos profetas atuais, o que podemos dizer de William Branham?

Nasceu nos Estados Unidos em 1909 e morreu em 1965. Fundou a seita “Tabernáculo da Fé” e considerava-se como o profeta Elias, vindo a preparar a Igreja para a volta de cristo. Pregou que Caim era filho natural de Eva com a serpente, pois no seu entender, o pecado de Eva foi ter relações com o diabo. Hoje, temos denominações [a Congregação Cristã  do Brasil] que ensina que o pecado imperdoável é o adultério, relembrando “este fato” com Eva! Em seu livro “A Dispensação da Era de Laodicéia”, págs. 6-9, afirma junto com a inspiração divina”, que o Milênio deveria começar em 1977. Na verdade, a expressão bíblica “filhos do diabo“, se refere aos homens que, por livre vontade estão no pecado. O hol’Mehushkyah assim classificou alguns judaicos que O queriam matar, não em função da genealogia deles, pois eram descendentes de Abrul’ham, mas de suas atitudes homicidas (Jo 8:37-44).

  1. O fundador do mormonismo, foi considerado um profeta? Que informações temos sobre ele?

Joseph Smith Jr., de família metodista, nasceu em Sharon (EUA) em 1805 e foi linchado e assassinado em 1844 por uma multidão de Nauvoo-Illinois, EUA, que invadiu a prisão e o matou.  Sua morte está relacionada à doutrina da poligamia (casamento de um homem com várias mulheres – doutrina mantida no mormonismo até 1889 – abolida mediante lei do governo americano). Fundou a seita em 1830, afirmando ter recebido, em placas de metal, a mensagem a ser pregada. Diz-se que o sucessor de Smith, Brighan Young, ao morrer deixou 17 viúvas e 56 filhos. Uma grande blasfêmia mórmon: “jesus cristo foi polígamo: Marta e Maria, irmãs de Lázaro, eram suas esposas pluralistas, e Maria Madalena era outra. Também, a festa nupcial de Caná da Galiléia, onde o messias transformou a água em vinho, foi por ocasião de um de seus próprios casamentos”. (Brighan Young em Wife n° 19, cap XXXV).

  1. O que dizer de Russel e sua seita? Que sérios enganos permeiam o movimento russelita?

Charles Taze Russel fundou a seita hoje conhecida como “Testemunhas de Jeová”. A princípio não usavam este nome, mas eram conhecidos por: Aurora Milenar, Auroristas Mileristas, Sociedade Panfletária Atalaia de Sião, A Sociedade Bíblica e Panfletária Atalaia, Associação Púlpito do Povo e Associação Internacional dos Estudiosos da Escritura. O nome “Testemunhas de Jeová” só passou a ser usado a partir de 1931. A seita ensina que jesus está reinando desde 1914 e que mesmo o reino sendo na terra, um grupo menor, composto de 144 mil, começou a subir ao céu, ressuscitados espiritualmente a partir de 1918. Os adeptos esperavam para 1975, o fim dos sistemas do mundo, com a guerra do Armagedom. Outro grave erro do jeovismo é negar a ressurreição de hol’Mehushkyah, ao dizer que Seu corpo terreno desapareceu da sepultura e que o corpo no qual Ele apresentou-se posteriormente, era outro (espiritual). A Escritura, no entanto, diz que Ele não se corrompeu na sepultura (At 2:27, 31). Além disto em Suas próprias palavras lemos: Olhai as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede; porque um espírito não tem carne nem ossos, como percebeis que eu tenho. Lucas 24:39 (isto também em sua própria versão TNM). Outra heresia própria deles é que Cristo não foi pregado em uma cruz, mas sim em uma estaca com suas mãos para cima e presas por um ÚNICO cravo; no entanto lemos – na mesma versão: …Mas ele lhes disse: A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos e ponha o meu dedo no sinal dos pregos, e ponha a minha mão no seu lado, certamente não acreditarei. João 20:25 TNM. Pregos no plural seria no mínimo um em cada mão!

  1. Podemos acreditar em Ellen White? Que provas temos de que suas visões e revelações não são do CRIADOR?

Como dissemos, basta um erro para que o profeta seja falso. Analisemos uma de suas visões: “Em 1847, enquanto os irmãos estavam reunidos no sábado em Topsham, Maine, o senhor deu-me a seguinte visão: Sentíamos um incomum espírito de oração.Estávamos muito felizes. Logo perdi de vista as coisas terrestres e fui arrebatada em visão da glória do senhor. Vi um anjo que voava ligeiro para mim. Rápido levou-me da Terra para a Cidade Santa. Na cidade vi um templo no qual entrei.” Ellen White, Primeiros Escritos, pág 32; 3ª Ed. Há templo na cidade? Leia Ap 21:22.  

OBS: Por sete anos seguidos, EGW afirmou que Cristo voltaria no fim desta “última semana de anos” – de 1844 a 1852 – na famosa profecia da Porta Fechada…  O próprio dia 22 de outubro é mais um erro atribuído ao CRIADOR uma vez que esta data faz parte das profecias de 1844 (naquele ano o Yon Kipur foi em 23 de setembro e não na alegada data – até hoje a IASD faz um autentico malabarismo para diblar mais este erro “profético”). Décadas depois EGW voltou a “profetizar” a Volta de hol’Mehushkyah afirmando que muitos dentre eles não estavam salvos (veriam os vermes comerem suas carnes) e que outros (entre estes, ela) veriam a Yaohushua vindo nas nuvens… Errou sobre 1844; errou sobre a Porta Fechada; errou sobre o Juízo Investigativo; errou sobre as 2.300 tardes; errou sobre a reforma de saúde (servia para os outros, mas não para ela – após a tal ”mensagem”, plagiada como outras “revelações” – por 29 anos continuou a consumir alimentos carneos; inclusive ostras, um alimento imundo); sobre a reconstrução de Yah’shua-oleym; etc, etc, etc… Profetiza do CRIADOR? Leia Ez 13:6…

 TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

24

 

 

24 – Promessas às nações

Verso Áureo: “Para que a benção de Abrul’ham chegasse às nações pelo hol’Mehushkyah, e para que pela fé nós recebamos a promessa deste Espírito”. (Gl 3:14)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Num desespero em arrebanhar cada vez mai$ um número maior de discípulo$, as religiõe$ cometem dois grandes erros:

Prometem aos adeptos, o Céu do ETERNO como recompensa e ameaçam com o fogo do inferno os que recusam, tentando ganhá-los pelo medo terrível do sofrimento interminável. Muitas vezes, prometem bênçãos em abundância, prosperidade, solução de todos os problemas e cura de todas as enfermidades (João 8:32). O mais grave (além da trindade é claro), ao nosso ver e à luz das Escrituras, é a promessa de que o crente vai morar no Céu com hol’Mehushkyah.

Uns dizem que por 3,5 anos, outros por sete e outros, um estágio de mil anos e os mais benevolentes, garantem a eternidade no Céu (e outros; alguns poucos no Céu e o restante na Terra). Podem os crentes confiar nestas generosas e fantásticas promessas? E se nada disto acontecer? Qual garantia oferecem?

QUESTIONÁRIO

  1. Em que lugar das Escrituras existe, ao menos, uma promessa de morada no Céu?

Há muitas passagens que falam em reino dos céus, pátria ou cidade nos céus, mas nenhuma diz que os salvos irão morar nos céus. Em João 14:1-3 O hol’Mehushkyah menciona moradas na Casa do Pai, mas conclui dizendo que voltará para cá e onde Ele estiver [aqui], seus apóstolos estarão com Ele. Na verdade, se estas moradas referem­-se à santa Yah’shua-oleym celestial, a Escritura declara que esta descerá do Céu, depois do milênio, para, então, tornar-se a morada do ETERNO com os homens; aqui na Terra (Ap 21:1-3). Na oração do Pai Nosso, aprendemos a dizer “…Venha o Teu Reino “.

  1. Que promessa está feita ao povo de Yaoshor’ul? Os salvos são, dentre os das nações, um povo separado do Yaoshor’ul do Criador, com promessas diferentes?

Os profetas bíblicos falaram de uma restauração de Yaoshor’ul e da vinda de hol’Mehushkyah para a instauração de Seu Reino, aqui na Terra – At 15:16; Lc 1:32. Concluída a salvação ou plenitude dos gentios (judaicos provenientes das dez tribos espalhadas pelo mundo – a casa de Yaoshor’ul, cf Mt 10:6), o restante de Yaoshor’ul será salvo, mediante o reconhecimento e aceitação de Yaohushua, como sendo hol’Mehushkyah prometido. Hol’Mehushkyah vai assentar-se no trono de Dao’ud, em Yah’shua-oleym (Atos 15:16). Não vai voltar e nem levar ninguém ao Céu [a Pedra de Dayan’ul 2, não volta para o céu, mas sim, enche TODA a Terra]. Os homens provenientes das nações herdarão as mesmíssimas promessas feitas a Abrul’ham e seus descendentes. (Gn 22:16-18; Rm 4:13; Gl 3:7,14,29).

  1. Que Palavra, disse O CRIADOR em relação aos homens provenientes das nações, que se unissem a Ele para servi-Lo?

Os estrangeiros, que se chegassem ao hol’Mehushkyah, que abraçassem Seus Sábados, seriam recebidos pelo CRIADOR. Sua Casa de oração seria para todos os povos, e não somente dos yaoshorul’itas (Is 56:1-7; Ex 20:8-11).

  1. De que forma providenciou O CRIADOR a união de judaicos, gentios e os demais numa só comunidade?

Judeus, gentios e os demais (estrangeiros no VT e gregos no NT), que receberam a hol’Mehushkyah, se tornaram/tornarão parte de Seu corpo, a Igreja/Kehiláh (Jo 11:51, 52; Ef 2:11-19; Gl 3:28; Cl 1:18,24).

  1. O Yaoshor’ul natural hoje organizado como nação, representa atualmente o povo do CRIADOR? Se não, estaria totalmente fora dos planos do CRIADOR?

O Yaoshor’ul natural de nossos dias vive tempo de cumprimento de profecias, mas está endurecido como nação, para aceitar o hol’Mehushkyah. Este endurecimento cessará na vinda de hol’Mehushkyah, quando parte deste se converterá e será purificado e salvo (Rm 11:11-15, 25-27). Yaoshor’ul sofre por ter rejeitado a Pedra Angular e ter assumido por todas as gerações, a culpa do sangue de hol’Mehushkyah (Mt 21:42, 43; 27:25).

A Igreja/Kehiláh de Cristo (não como denominação estabelecida) atualmente representa o povo do CRIADOR. Portanto, apesar do endurecimento como nação, nada impede que, individualmente, os judaicos sejam salvos. Esperamos, como os judaicos, a vinda de hol’Mehushkyah que vai implantar Seu reino de justiça e paz na Terra, segundo a Palavra dos santos profetas.

  1. Que sinais poderiam identificar-nos (CYC) como representante da Igreja do CRIADOR e com Yaoshor’ul?

Muitos ensinos que praticamos identificam-nos com a fé yaoshorul’ita, messiânica. Cremos que somos a continuidade da Igreja apostólica e esta compunha-se de judaicos, no entanto, como pessoas proveniente das nações, não aceitamos indumentárias judaicas (kipá, etc) e preceitos do judaísmo ortodoxo (613 leis – muitas delas cumpriram-se no hol’Mehushkyah), uma vez que estes não reconheceram o hol’Mehushkyah!

Também não aceitamos a pluralidade de pessoas na divindade (trindade ou Cúpula Criadora) e respeitamos a santa Lei dos Dez Mandamentos (além das leis alimentares e as festas escriturísticas), inclusive o Sábado, como sendo um sinal do CRIADOR e Seu povo (Ez 20:12). O ETERNO cumpriu Sua Palavra, enxertando-nos na Oliveira e recebendo-nos em Sua Casa, por meio de hol’Mehushkyah; além dos goins – gentios/yaoshorul’itas apostatados – que queriam invocar Seu nome (Rm 11:15-17, 24; At 15:15-17).

  1. A Igreja do CRIADOR (da atualidade) tem uma explicação da situação atual do povo judaico e sua indiferença à fé em Cristo? Quais são as perspectivas futuras dos judaicos?

Tendo uma fé genuinamente bíblica, nossa esperança futura tem que encontrar e complementar-se com a esperança da nação de Yaoshor’ul. Romanos 11 esclarece que, após rejeitar o hol’Mehushkyah, o restante de Yaoshor’ul (a casa de Yaoshor’ul e de Yaohu’dah) foi endurecido e não pode mais ver.

Isto permitiu que os homens das nações ingressassem na Comunidade de Yaoshor’ul, sendo enxertados na oliveira e participando das mesmas promessas. Mas, individualmente, todo o cidadão judaico pode reconhecer e receber o hol’Mehushkyah, isto até que se complete o resgate dos yaoshorul’itas (gentios cf Isa 9:1) espalhados pelas nações.

NOTA: Cuidado com igrejas que se dizem judaico-messiânicas, pois a grande maioria delas são judaizantes (Gl 5:4); isto quando não são separatistas possuindo em seus meios, congregações e sinagogas… Duas leis?

Completo o tempo dos gentios (espalhados por entre as nações – Rm 11:25), na vinda de hol’Mehushkyah, os sobreviventes judaicos, sob pressão das nações na batalha do Armagedom, receberão ao hol’Mehushkyah e reconhecerão nEle aquEle a quem rejeitaram por tantos séculos. Haverá uma conversão geral; estes participarão do Reino Milenar Messiânico como missionários, levando a Palavra do CRIADOR ao restante das nações (Is 66:19).

OBS: Se você desejar fazer parte desta Igreja, fale com o seu instrutor escriturístico que ele providenciará a sua imersão, em Nome de Yaohushua! Atos 2:38.

TOPO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

25

 

25 – UL’HIM nos Chama para Ser uma Oholyao “Avivada”

Verso Áureo: “Ouvi, Santíssimo, a tua palavra, e temi. Aviva, ó hol’Mehushkyah, a tua obra no decorrer dos anos, e durante os anos faze-a conhecida; na ira, lembra-te da misericórdia”. Habacuque 3:2 – Avivar é tornar vivo algo que se encontra morto.

  1. Vasos Vazios

Quando falamos em vasos vazios, estamos falando de pessoas que se esvaziaram de toda a sua cultura, conhecimento secular, e sua sabedoria própria, para viverem uma vida totalmente dirigida pelo Poder de YAOHUH (em Espírito – Jo 4:24). Existem muitas pessoas nos dias de hoje que mesmo se colocando na posição de vasos perante o hol’Mehushkyah, não podem ser usadas, pois estão cheias de seu próprio eu, vanglória, contendas e capacidade própria. Para ser um vaso cheio dEle em plena condição de ser usado por Ele, é preciso esvaziar-se completamente diante dEle, colocando-O como centro total e absoluto de sua vida.

Um dos maiores exemplos de esvaziamento do eu é MOISÉS/MEHU’SHUA – Educado na corte… instruído em toda ciência (At 7:22) … defendeu o que não tinha defesa … fugiu para se esconder do pecado … tornou se apascentador de ovelhas por 40 anos. Esvaziando-se de tudo (que tinha aprendido nas Escolas do Egito) para ser cheio do Poder de YAOHUH em sua vida; para tirar o povo de Yaoshor’ul da escravidão do Egito e conduzi-los à terra prometida. Ex 3:6, 9-10 …e todos conhecem o resultado!

  1. O temor a YAOHUH UL’HIM (o CRIADOR ETERNO)

O segundo passo necessário para se ter um avivamento é o temor a YAOHUH UL’HIM. Após ter ouvido a palavra do CRIADOR [UL], o profeta Habacuque foi envolvido por um grande temor que o levou a orar em prol do avivamento. A oholyao/congregação que tem temor a UL’HIM é:

a – cheia de sabedoria. (Sl 111:10)

b – uma fonte de vida. (Pv 14:27)

c – abençoada por UL’HIM com as realizações de seus desejos. (Sl 145:19)

d – protegida por Seus anjos. (Sl 34:7)

  1. A palavra de UL (o Criador)

O primeiro passo necessário para ser uma oholyao/congregação (ou pessoa) avivada é a palavra de UL (Yaohushua é a Palavra – Jo 1:1-3, 14). O que levou o profeta Habacuque a orar diante do CRIADOR em prol do avivamento, foi o fato de ouvir a Sua palavra…

A oholyao/congregação que tem a palavra de UL (as Escrituras) como centro de vida:

a – Não anda no escuro: Porque a palavra de hol’Mehushkyah é uma forte luz que ilumina seu caminho. (Sl 119:105).

b – é Protegida pela palavra de Yaohushua (o Salvador que vem de YAOHUH): Porque a palavra de hol’Mehushkyah é um grande e forte escudo protetor para todos os que confiam nele. (Pv 30:5).

  1. Arrependimento (II Cr 7:14)

Todo avivamento que ocorreram na história da Igreja/Kehiláh, o fator primordial para alcançá-lo foi um arrependimento genuíno. Deve haver no coração de um povo que busca um avivamento, um lugar para arrependimento sincero, com o abandono de todos os pecados (idolatrias e “achismos”), renunciar a todo mundanismo (vícios e modismos), vontade própria (ego), e voltar-se para YAOHUH UL’HIM através de Seu Filho, Yaohu’shua hol’Mehushkyah.

  1. União e Unidade

Uma igreja onde todos se preocupam com todos. A união é a base do relacionado do verdadeiro cristianismo. Sl 133:1; At 1:13-14.

  1. Consagração

O hol’Mehushkyah quer levantar uma igreja onde todos os seus filhos estão preocupados com um reavivamento. Jl 2:12-17.

  1. A Separação do Mundo (Dn 1:8) – Saindo do Egito!

O ambiente moral da Babilônia era totalmente pagão. Dayan’ul resolveu desde o início a não se contaminar. A igreja que está unida com o mundo não tem:

a – O amor de YAOHUH. “Não ameis o mundo” – (I Jo 2:15);

b – Amizade com YAOHUH – (Tg 4:4)

  1. Oração. (I Ts 5:17)

Para se ter um avivamento é preciso ter acesso à presença de nosso UL (Criador), sendo isto possível somente através da oração que é a chave que abre o Reino dos Céus. É impossível ser uma oholyao/congregação avivada, sem a ação da oração. Quando vivemos em oração os milagres acontecem. Tg 5:14-16 e At 2:42-43;

  1. Todos são chamados
  2. a) I Pedro 2:9 – Propriedade exclusiva de UL’HIM;
  3. b) Jeremias 48:10 – Não são relaxados/fraudulentos;
  4. c) Hebreus 10:25 – Não deixando a congregação;
  5. Louvor a Yaohushua, o nosso Salvador.

“Tudo quanto tem fôlego louve ao hol’Mehushkyah” (Sl 150:6).

Uma oholyao/congregação que vive uma vida de constante louvor e adoração a YAOHUH UL’HIM é uma Igreja/Kehiláh vitoriosa. Quando louvamos a YAOHUH UL’HIM através de Seu Filho, Yaohushua, cadeias são abertas. Sha’ul e Silas estando presos cantaram hinos de louvor a YAOHUH UL’HIM (At 16:25). Quando louvamos a YAOHUH UL’HIM os demônios saem em retirada. O rei Sha’ul estava perturbado por um espírito maligno que só o deixava em paz quando Dao’ud tocava a sua harpa. (I Sm 16:23). O louvor deve ser com:

  1. Alegria e regozijo: Sl 149:1-2;
  2. Com júbilo: Sl 95:1; 100:1-4;
  3. Com brados de alegria: Sl 98:4 e 8;
  4. De todo o coração: Sl 111:1;
  5. Com vossas mãos: Sl 28:2; 47:1; 63:4: 134:2; 141:2: 143:6;
  6. Fidelidade a YAOHUH UL’HIM
  7. Ml 3:7-10 – “Fazei prova de mim…” (Obs: não deve ser usado para o povo PAGAR DÍZIMOS, pois é uma reprimenda aos líderes fraudulentos);
  8. Gn 14:18 a 20 – Abrul’ham deu o dízimo a Melquisedeque; este é um exemplo de gratidão!
  9. Nm 18:21 – O dizimo era para os levitas; um sistema criado por UL…
  10. II Co 9:6-8 – Hoje, OFERTAMOS por amor…
  11. I Co 9:14 – Os que pregam o evangelho, devem viver do evangelho;
  12. Gl 6:6 – O que é instruído deve manter o instrutor.
  13. A presença de Yaohushua, em espírito

O próximo passo necessário para ser uma oholyao/congregação avivada é a presença de Yaohushua, em espírito – Mt 18:20, que vem no poder de YAOHUH UL’HIM (Atos 2:22) para realizar sinais e maravilhas através de Seus servos. UL [o Criador] prometeu e vai realizar isso através de Sua igreja: At 3:4-8 e Jl 2:28-29; Ap 3:20

Conclusão: UL promete em Sua Palavra em Jl 2:28-29 “eis que nos últimos dias derramarei do meu Espírito (Yaohushua – Ap 3:20) sobre toda carne”. Por isso entendemos que é tempo da Igreja/Kehiláh buscar aquilo que YAOHUH já prometeu em Sua Palavra. É tempo de avivamento, Aleluia!

Você esta convidado a fazer parte dessa comunidade avivada. UL o está chamando para fazer parte de nossa família. Você deseja fazer parte de nossa família? Lembrem-se da resposta de Kafos a tão importante pergunta: …E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Kafos e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? Kafos então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja imerso em nome de Yaohushua, hol’Mehushkyah, para remissão de vossos pecados; e recebereis do dom do RÚKHA-UL’HIM (YAOHUH, em Espírito). Atos 2:37-38.

TOPO

 

Conheça a ESN Ling. Padrão (0,15 x 0,21) – Escrituras Sagradas segundo o Nome [EUC – Edição Unitariana Corrigida by CYC] também apresentada no formato B5 [Letra Grande (Ling. Padrão e ou Moderna) – 0.18 x 0.25]; A4 [Púlpito: Letra Gigante (Ling. Padrão) – 0.21 x 0.30], Jovens e ou Edição Missionária no formato A5  [Linguagem Moderna – 0,15 x 0,21].

 

For

 

Dúvidas…

Formulário de Contato